sexta-feira, 6 de maio de 2011

Como meditar o Santo Rosário



Para ajudar na meditação do Santo Rosário existem inúmeros livros. Apresentamos aqui dois exemplos com os mistérios comentados sob um tema específico.

1) Tema - Assim amou Deus
Mistérios Gozosos - Encarnação e vida oculta em Nazaré:

I – Anunciação

"Deus amou tanto o mundo que deu seu próprio Filho único, para que todo aquele que crê nele não pereça, senão que tenha vida eterna" (João 3, 16). Ele deu seu único Filho por Maria, porque queria que o Verbo tomasse nossa natureza no puríssimo seio da Virgem.

Que a Virgem, Mãe de Deus, digne-se pois dar-nos o crer firmemente que Deus nos amou tanto. Que tudo em nossa vida seja iluminado por uma fé muito viva no mistério do Verbo feito carne.

II – Visitação

À exclamação de sua prima Isabel: Bendita és entre todas as mulheres, Maria respondeu com o Magnificat. É um canto de muito humilde agradecimento pelo mistério da Encarnação: "Minha alma glorifica o Senhor e meu espírito exulta de alegria em Deus meu Salvador, porque colocou os olhos na humildade de sua escrava (...). Sua misericórdia estende-se de geração em geração sobre os que o temem".

Que Nossa Senhora do Magnificat nos ensine a meditar em nosso coração os mistérios da misericórdia divina. Dessa forma nossa conversação interior por-se-á em uníssono com nossa fé ao invés de extraviar-se e perder-se no vazio.

III - Nascimento de Jesus

Vindo ao mundo pela Virgem Maria na noite de Natal, o Filho de Deus, que é seu próprio Filho, nos é dado de uma vez por todas. Este dom não nos será mais retirado; esta presença não nos será tirada, porque depois de subir aos céus, Jesus continua estando presente e dando-se sob as espécies eucarísticas.

Que Nossa Senhora do Natal nos consiga crer com todas nossas forças no mistério da Eucaristia e comungar o mais dignamente possível.

IV - Apresentação de Jesus no Templo e Purificação de Nossa Senhora

Quando a Virgem Maria depositou nos braços do ancião Simeão seu pequeno filho, verdadeiro Filho de Deus, verdadeiro Salvador do mundo, o santo ancião profetizou a missão de Jesus: Ele é a salvação preparada para todos os povos, luz que deve iluminar os pagãos e gloria do povo de Israel. Pois bem, é pela santa Igreja católica que o Filho de Deus dispensa ao gênero humano as luzes e as graças da Redenção.

Peçamos a Nossa Senhora da Apresentação no Templo, que a santa Igreja católica seja conservada em união e seja governada em toda a terra, pelo Pai muito misericordioso". (Canon Romano, Te igitur).
V - Encontro de Jesus no Templo e vida oculta em Nazaré

As dificuldades e inquietudes cotidianas não nos devem impedir permanecer no amor de Deus, viver no nível de nossa fé, mantermo-nos na paz de Jesus Cristo, porque Jesus Cristo nos foi dado e nunca nos faltará. Observando a Santa Família, aprendamos a cumprir nosso dever cotidiano em paz, amor e paciência e com grande pureza de coração. Que Nossa Senhora de Nazaré nos ensine a caminhar por esta pequena via de humildade e simplicidade interior.

Mistérios Dolorosos - Paixão Redentora
I - Agonia no Horto das Oliveiras

Quando Jesus banhado em suor de sangue e caindo com o rosto em terra, pede a seu Pai afastar o cálice, Ele é verdadeiramente o Cordeiro de Deus que leva sobre si o peso dos pecados do mundo. Por amor a seu Pai e a nós pecadores, tomou sobre si nossos pecados e por isso mesmo nos livrou deles.

Que Nossa Senhora nos obtenha vislumbrar o imenso amor contido nas palavras do consentimento de Jesus: "Pater, fiat voluntas tua" (Pai, que seja feita tua vontade). Que o pensamento de um amor tão grande nos de ânimo e valor para lutar contra o pecado e conformar nossa vida a nossa fé.

II – Flagelação

Depois do consentimento da Agonia, eis aqui a aceitação sempre cheia de amor, dos crudelíssimos tormentos, que seguiram às condenações mais injustas.

Que Nossa Senhora nos obtenha viver na fé do amor do Filho de Deus, que sofreu por nós uma dolorosíssima flagelação. Que sejamos capazes de mortificar nossos sentidos, e como o diz o Apóstolo, de reduzi-los à servidão (1 Cor. 9, 27).

III - Coroação de Espinhos

Como se uma prova de amor tal como a flagelação não bastasse para afastar-nos do pecado e merecermos a graça, o Filho de Deus quis submeter-se ainda à coroação de espinhos.

Que Nossa Senhora nos consiga ser comovidos por este mistério; que uma humilhação tal oferecida por nós com um coração tão generoso nos mova a praticar a humildade e a doçura.

IV - A Cruz nos ombros - Caminho ao Calvário

Via Crucis. Nossa Senhora subiu o caminho da Cruz com seu Filho Jesus Cristo, contou as quedas, visto as feridas, escutado as blasfêmias e as zombarias. Que Ela nos faça entrever o amor extraordinário que animava o Filho e que o fez capaz de levar a cruz até o fim.

Que Nossa Senhora da Compaixão, tão valente e tão paciente, nos obtenha a força, a paciência e o valor. Confiemos-lhe muito particularmente os enfermos e os inválidos.

V - Morte na cruz - Sacrifício Redentor

Et consummatum est (tudo está consumado) significa que o amor misterioso do Coração de Jesus alcança seu último limite, que uma satisfação infinita é por conseguinte oferecida por nossos pecados, que a obra da Redenção está consumada. Visto que tudo está consumado, por que, pois, ainda, antes da sepultura, o episódio da lançada, que abre o coração? Este episódio é simbólico. A abertura do coração pela lançada nos deve fazer compreender que tudo o que Jesus fez, tudo o que sofreu, é unicamente por amor, e é por amor que nos deixou na Eucaristia o memorial eficaz e sacramental da Paixão que nos salva. A efusão do sangue e da água designa, de fato, o dom do sacrifício eucarístico e o nascimento da Santa Igreja.

Que Nossa Senhora do Stabat obtenha-nos penetrar sempre mais dentro do mistério inesgotável do Sagrado Coração.

Mistérios Gloriosos - Glorificação de Jesus e de Maria - Mediação universal de Maria
I – Ressurreição

Que Nossa Senhora obtenha-nos alegrar-nos com Ela, vendo a Jesus glorificado e exaltado em certa medida proporcionalmente aos seus abatimentos e suas humilhações.

Que Ela nos ajude a encontrar o repouso e a segurança, vendo que o Pai, por esta ressurreição, manifestou sua complacência pela obra de seu Filho bem-amado.

II – Ascensão

Que Ela nos consiga igualmente crer em fiança ilimitada em seu Filho Jesus Cristo, que vive e reina sentado para sempre à direita do Pai.

Que Ela nos consiga igualmente crer nEle como Sumo e Eterno Sacerdote, que apresenta ao Pai as cicatrizes irradiantes de sua Paixão, assim como não deixa de oferecer seu sacrifício, sacramental mas realmente, em nossos altares daqui embaixo.

III – Pentecostes

Pela ação do Espírito Santo, eis aqui que a santidade de Cristo, a santa conformidade à Paixão e Ressurreição, continuarão para sempre no interior da Igreja, em cada um dos fiéis de Cristo. Para que seja assim, que Nossa Senhora obtenha-nos entregar-nos às sugestões e aos movimentos do Espírito Santo.

IV – Assunção

Nossa Senhora, Mãe de Deus, a bem-aventurada Virgem Maria, estava unida muito perto à Encarnação e à Paixão redentora de seu Filho para não estar unida igualmente, primeira de todas as criaturas, a sua Ressurreição. O poder de sua intercessão na gloria é proporcional à intensidade de sua união de amor no momento do Fiat da Anunciação e durante o Stabat da Crucifixão. Estamos persuadidos de que Ela intercede com uma força irresistível e que somente pertence a Ela. Não nos cansemos nunca de dizer-lhe com toda a confiança e todo o reconhecimento de que somos capazes: rogai por nós, pobres pecadores, agora e na hora de nossa morte.

V - Coroação no céu e Realeza de Maria

Nossa Senhora está, pois, intimamente unida à incessante e multiforme ação de seu Filho Jesus Cristo, para aplicar-nos as graças e os benefícios da Encarnação redentora. Ela é mediadora de todas as graças. Ocupemo-nos em recorrer a Ela na fé e como crianças pequenas. Ocupemo-nos em viver com Ela e Ela se ocupará de levar a sua perfeição, acima de tudo, a obra de santificação que Jesus começou em nossas vidas.

Do livro "El rosario de nuestra señora" de Roger-Thomas Calmel O.P. (Editora ICTION em espanhol).

2) Tema - O Santíssimo Sacramento
Mistérios Gozosos
I - A Anunciação de Nossa Senhora

No mistério da Encarnação, Nosso Senhor veio esconder sua divindade atrás de nossa humanidade, e Nossa Senhora era então a única a poder adorá-Lo no seu rebaixamento. No Santíssimo Sacramento, Nosso Senhor esconde tanto sua divindade quanto sua humanidade sob as espécies eucarísticas. Nós, que estamos tão próximos dEle neste estado, adoremo-Lo presente entre nós, e convidemos Nossa Senhora para vir adorá-Lo conosco.

II - A Visitação de Nossa Senhora

Na Visitação, Nossa Senhora fica três meses com sua prima Santa Isabel; e todo este tempo foi um tempo de bênçãos para a casa de São Zacarias. Nosso Senhor está presente em nossa terra há tanto tempo, no Santíssimo Sacramento; sejamos agradecidos por todos os bens que Ele fez a todas as almas durante todo esse tempo.

III - O Nascimento de Nosso Senhor

No Natal, Nosso Senhor manifestou-Se visivelmente no presépio de Belém: aqui nós tempos outra Belém, e Nosso Senhor está presente em todas as Missas, onde, por assim dizer, Ele nasce novamente. Saibamos agradecer por todas as Missas celebradas, particularmente pela conservação da verdadeira Missa católica em nosso país.

IV - A Apresentação de Jesus nos Templo e a Purificação de Nossa Senhora

Na Purificação, vede Jesus passando dos braços de Nossa Senhora, para os de São José, deste para São Simeão: é a imagem da santa comunhão, onde Nosso Senhor se dá a todos com tanto amor. Agradeçamos a Ele, na hora da comunhão, por todas as nossas comunhões, da primeira até a última, esta de hoje.

V - O Encontro de Jesus no Templo

Algumas almas comungaram e não guardaram bem a Nosso Senhor. Algumas O perderam e não querem mais procurá-Lo, enquanto outras, depois de O perderem O procuram novamente. Peçamos a Jesus que se faça procurado por todas elas, e que dê a todas a alegria de sua presença.

Mistérios Dolorosos
I - A Agonia no Jardim das Oliveiras

Na sua agonia, Jesus rezava e estava só. Três vezes veio junto de seus apóstolos, e encontrando-os dormindo disse-lhes: "Vigiai e orai! Não pudestes vigiar uma hora comigo?" No Santíssimo Sacramento, Jesus não dorme, seu coração vigia: Ele ama, Ele reza. E nós, sabemos vigiar, amar e rezar com Ele? Peçamos a Ele que nos mantenha unidos a seu amor e a sua oração.

II - A Flagelação de Nosso Senhor

O mistério da Flagelação, infelizmente, continua ainda. A fúria dos demônios joga os homens contra Jesus; e a história nos ensina como eles pisaram, queimaram, cortaram com faca, e profanaram de tantos outros modos o Santíssimo Sacramento. Choremos diante de tais profanações.

III - A Coroação de Espinhos

Como é comovente o espetáculo dos padres e fiéis, juntos em torno dos altares, para o Santo Sacrifício e a Santa Comunhão. É uma coroa de júbilo e alegria para Nosso Senhor. Rezemos para que nesta coroa nunca haja os espinhos do sacrilégio.

IV - Jesus Carrega a Cruz ao Calvário

Jesus sacramentado não pode mais sofrer; mas se Ele pudesse sofrer, não poderíamos imaginá-Lo a seguir sua Via Sacra? Todos os nossos pecados são para Ele uma pesada cruz: como a ovelhinha carregada ao matadouro, Jesus espera, reza, ama, e derrama sua graça sobre nós. Imitemos esse amor paciente de Jesus.

V - A Crucifixão de Nosso Senhor

O Santo Sacrifício da Missa é a continuação do sacrifício da cruz. O corpo e o sangue de Jesus, consagrados como que separados sobre o altar: o padre os eleva ao alto, como que para nos lembrar de Jesus pregado na cruz e elevado da terra.

Mistérios Gloriosos
I - A Ressurreição de Nosso Senhor

No dia de sua Ressurreição, Nosso Senhor saiu do túmulo e veio aparecer a seus queridos apóstolos. O sepulcro não foi seu primeiro sacrário? Como Ele saiu do sepulcro vivo e glorioso, Ele sai do sacrário vivo e glorioso, e vem até nós. Sejamos para Ele um sacrário, onde Ele esteja vivo, mas nunca um sepulcro; não o entreguemos à morte em nós por nossos pecados.

II - A Ascensão de Nosso Senhor

Nosso Senhor ressuscitado subiu ao céu. Façamos um esforço para que, quando Ele vier na comunhão, sejamos um verdadeiro céu, onde reina Deus, onde a Santíssima Virgem seja amada, onde Jesus seja adorado por nós e por seus anjos.

III - A Vinda do Divino Espírito Santo

Na Anunciação, o Espírito Santo veio para operar o mistério da Encarnação; Ele vem na Missa operar o mistério da consagração: que Ele venha a nós, preparar e santificar o mistério da santa comunhão.

IV - A Assunção de Nossa Senhora

Na sua Assunção gloriosa, Nossa Senhora entrou para sempre no céu. Quando Nosso Senhor nos chama para a comunhão, Ele opera em nós uma verdadeira assunção, nos tomando com Ele no céu da Eucaristia. Subamos para lá depressa para não descer mais.

V - A Coroação de Nossa Senhora

A coroação de Nossa Senhora nos céus foi o ponto culminante da graça de Deus sobre sua Santa Mãe. A última comunhão que receberemos, será o ponto culminante das bondades da Sagrada Eucaristia em nós. Rezemos a Deus pela nossa última comunhão: que ela seja santa, humilde, amorosa, e que ela nos dê a graça da perseverança final.

Do livro "O Mês do Rosário - onze mistérios meditados" de Pe. Emmanuel-André (Editora Permanência).


Nenhum comentário:

Postar um comentário