sábado, 30 de julho de 2011

Sobre A Paixão de Cristo



1- "Nos amou e por nós se entregou a Deus como oferenda e sacrifício de agradável odor" (Gl 5,2)

2- Como é de se admirar que Tu, conhecendo o homem antes que ele existisse, e sabendo que ele iria cometer o pecado e desprezar teu Ser, assim mesmo o tenhas criado!Ó Amor sem preço, Amor sem preço!

3- Olhaste para o primeiro homem, Adão, e viste sua culpa, fruto da desobediência.Porque desobedeceu, nele foi uma culpa pessoal; uma culpa geral, nos seus descendentes.Pecado que iria opor-se a Cristo e impedir que os homens chegassem à perfeição.Não poderiam atingir a meta, para a qual os havia criado.
Viste também, Pai eterno, os sofrimentos que teu Filho iria suportar, para restituir a humanidade à graça e cumprir teu desígnio em nós.
Pai eterno como foi que criaste o homem?Que admiração eu sinto!Conforme o ensinamento que me deste, compreendo que não houve outra razão, além da chama do teu amor, a fazer-Te dar-nos a existência, apesar das maldades que iríamos cometer contra Ti.Foi o Fogo (do amor) que Te obrigou.Ó Amor inefável!Ao conhecer o pecado, que os homens iriam cometer contra tua infinita bondade, fingiste nada ver e só olhaste a beleza do homem.Enlouquecido de amor por ele, dele Te enamoraste.Por amor o tiraste de Ti, dando-lhe o ser à tua imagem e semelhança.
Verdade eterna! Revelaste que foi o amor que te levou a criar o homem; previste seu pecado contra Ti, mas não levaste em consideração tal coisa.Pelo contrário, desviaste o olhar da ofensa futura e somente olhaste a beleza do homem.Se o teu olhar se tivesse fixado na ofensa, terias olvidado o amor criador do homem.Tal possibilidade não Te ficou oculta, mas Te limitaste ao amor.Tu nada mais és do que uma Chama de amor, ó Enlouquecido pela tua obra!

4- Foi somente por compaixão brotada da fonte do amor que criaste o homem.Como ele Te agradasse muito, logo que perdeu a veste da inocência (original), procuraste revesti-lo da graça, reconduzindo-o ao estado anterior.Mas não lhe tiraste a capacidade de pecar.Deixaste-lhe a liberdade e a lei perversa que combate contra o espírito (Rm 7,23), pois seguindo tal lei, a alma se dispõe a cair no pecado.

5- Mas Tu, sublime médico, colocaste diante de nós o seu Filho, como uma isca em sua humanidade.Então, não pela força da humanidade, mas da Divindade, pescaste o homem e prendeste o demônio.Ao rebaixar-Te, sublimaste o homem; saturando-Te de opróbrios, tornaste o homem feliz; ao padecer a fome, o saturaste de amor, perdendo a vida, o revestiste de graça; suportando a vergonha e ao homem atribuíste o louvor; na obscuridade da natureza humana (de Cristo), iluminaste o homem, com os braços abertos (na Cruz), o abraçaste.Construíste no peito de Jesus uma caverna, onde o homem pudesse refugiar-se dos inimigos e conhecer o teu amor.Nessa caverna revelaste a tua intenção de conceder aos homens mais do que permitia uma realidade finita.Ali o homem achou o lavacro para purificar-se da lepra do pecado.

6- Ó inefável misericórdia, castigaste o seu próprio Filho natural por causa da culpa do filho adotivo.

7- Ó Deus justo e misericordioso, que queres escutar os nossos pedidos e realizar os nossos desejos.

8- Tu és a nossa norma, és a porta por onde é preciso entrar.Como ensinaste, devemos alegrar-nos nas dificuldades e angústias.Para isso nascemos.Por tua vontade, o mundo e nossa carne tão fraca só produzem amargura, para que não nos alegremos, nem confiemos neles.Nossa glória há de ser posta na redenção e nos teus celestes dons.Também o teu Representante tem de alegrar-se no cumprimento da tua vontade e justiça em Cristo Jesus.Por nós Jesus se sangrou, feriu e destruiu seu corpo santíssimo; para lavar nossos pecados, derramou seu sangue; com inefável compaixão nos salvou e entregou ao seu Representante o poder de ligar e desligar nossa alma, realizando tua vontade e seguindo teus passos.

9- A fim de salvar-nos, apaixonado, Ele correu para a terrível morte na cruz.Envergonhe-se o homem orgulhoso ao ver-Te, Deus, altíssimo, humilhado na lama da nossa natureza.

10- Ó Verbo eterno, Filho de Deus!Por que razão levaste a termo a perfeita contrição da culpa, se em Ti não havia, o veneno do pecado?

11- Foi o seu amor para com os homens (Tt 3,4)

12- Mas eis aqui uma prova brilhante de amor de Deus por nós: quando éramos ainda pecadores, Cristo morreu por nós.(Rm 5,8)

13- Sem morrer nem sofrer, ele bem podia salvar-nos, é o que mais se admira.Mas não!Escolheu uma vida de aflições e desprezos e uma morte cruel e vergonhosa.Morreu numa cruz, destinada aos criminosos: "Humilhou-se ainda mais e foi obediente até a morte, e morte de cruz".
Podendo remir-nos sem sofrer, por que desejou escolher a morte de cruz?Para nos mostrar seu amor: "Amou-nos e se entregou por nós".Amou-nos e, porque nos amava, entregou-se nos braços da dor, da vergonha, da morte mais dolorosa que algum homem já suportou na terra.

14- São Paulo, apaixonado por Jesus Cristo, diz com razão: "A caridade de Cristo nos constrange".E ele se refere não tanto ao que Cristo sofreu, mas ao amor que nos mostrou nos seus sofrimentos.É isto que nos obriga e quase nos força a amá-lo.Sobre isso diz São Francisco de Sales: "Jesus Cristo, verdadeiro Deus, amou-nos até sofrer por nós a morte na cruz.Não é isto como que ter nosso coração debaixo de uma prensa?Como que senti-lo apertar com vigor e espremer amor com uma força que é tanto mais forte quanto mais amável?Por que não abraçamos Jesus Cristo Crucificado para morrer na cruz com ele?Ele quis morrer nela por nosso amor.Eu o abraçarei, deveríamos dizer, e não o abandonarei jamais.Morrerei com ele, abrasar-me-ei nas chamas de seu amor.Um mesmo fogo consumirá este divino Criador e a sua miserável criatura.Cristo se dá todo a mim e eu me entrego todo a ele.Viverei e morrerei sobre seu coração: nem a vida, nem a morte me separarão dele.Ó Amor Eterno, minha alma vos busca e vos acolhe para sempre.Vinde, Espírito Santo, inflamai os nossos corações no vosso amor.Ou amar ou morrer!
Morrer a qualquer outro amor, para viver no amor de Cristo.Salvador dos homens, fazei que cantemos eternamente: viva Jesus, a quem amo.Amo a Jesus que vive nos séculos dos séculos
".
O amor de Jesus Cristo aos homens era tanto que desejava a hora de sua morte para lhes mostrar o afeto que lhes tinha.Por isso, com freqüência, repetia em sua vida: "Devo receber o batismo, e quanto o desejo até que ele se realize".
Eu tenho que ser batizado em meu próprio sangue!Como me sinto desejoso de que chegue depressa a hora de minha Paixão, para que, depressa também, o homem conheça por ela, o amor que lhe tenho.
São João fala daquela noite em que Jesus Cristo começou sua paixão: "Sabendo que chegara sua hora de passar deste mundo para o Pai, tendo amado os seus que estavam no mundo, amou-os até o fim".O Redentor chamava aquela hora de "sua hora" porque o tempo de sua morte era o tempo desejado por ele.Queria dar aos homens a última prova de amor, morrendo por eles numa cruz, consumindo de dores.
Quem pôde, alguma vez, levar Deus a morrer condenado numa cruz no meio de dois criminosos, com tanta vergonha para sua grandeza de Deus?Quem fez isto?pergunta São Bernardo.E responde:
-"Foi o amor, que esqueceu sua dignidade".
O amor quando procura fazer-se conhecido, não leva em conta aquilo que mais convém à dignidade da pessoa que ama, mas o que mais conduz a manifestar-se à pessoa amada.Com muita razão exclama São Francisco de Paula, olhando um crucifixo: "Ó caridade, ó caridade, ó caridade".Vendo Jesus na cruz, deveremos, entusiasmados, exclamar: ó amor, ó amor, ó amor!
Se a fé não nos garantisse, quem poderia crer que Deus onipotente, Senhor de tudo, quis amar tanto o homem, parecendo até ficar fora de si, por amor de nós?São Lourenço Justiniano dizia: "vimos a própria sabedoria, o Verbo Eterno enlouquecido por excessivo amor pelos homens".
Tomando nas mãos um crucifixo, Santa Maria Madalena de Pazzi exclamava admirada: "Sim, Jesus, Vós estais louco de amor.Eu o digo e sempre direi, estais louco de amor".
Mas Dionísio Areopagita dizia: "Não, não é uma loucura.O amor de Deus tem como efeito fazer sair fora de si aquele que ama, e se dar inteiramente à pessoa amada".
Oxalá os homens considerassem, olhando Jesus Crucificado, o afeto que ele teve a cada um de nós!São Francisco de Sales dizia: "Ficaríamos abrasados à vista das chamas que se encontram em Nosso Redentor!Que felicidade poder arder naquele fogo em que arde Nosso Deus!Que alegria estarmos unidos a Deus com cadeias de amor".São Boaventura dizia que as chagas de Jesus cristo ferem os corações mais duros e aquecem as almas mais frias.Quantas flechas de amor saem dessas chagas e ferem os corações mais insensíveis!Quantas chamas saem do Coração ardente de Cristo e aquecem os corações mais frios!Quantas cadeias saem do lado ferido e prendem os corações mais endurecidos!.

15- Nos Diz o Senhor: "Mesmo que seu pai e sua mãe te abandonar eu te acolherei" (Sl 26,10)..."Eu não te esqueceria nunca" (Is 49,15).

Sabe porque?
16- "Amo-te com um amor eterno" (Jr 31,3)

17- Por acaso, não merece Deus todo nosso amor?Ele nos amou eternamente.Deus diz ao homem:
-"Olhe, fui eu o primeiro a amar você.Você não estava ainda no mundo.O mundo nem existia, e eu já o amava.Eu amo você desde que sou Deus.Amo você, e desde que amei a mim mesmo, amei também você!

18- Como vos pagarei, ó Cristo, esse vosso amor?É justo que sangue se pague com sangue.Seja eu banhado com esse sangue e cravado nessa cruz.Recebe-me também em teus braços, ó santa cruz.Alarga-te, coroa de espinhos, para que eu coloque em ti minha cabeça.Cravos, deixai as mãos inocentes de meu Senhor e transpassai meu coração de compaixão e amor.Jesus, São Paulo diz que vossa morte foi para que vos apoderásseis dos vivos e dos mortos, não pelos castigos mas pelo amor: "Cristo morreu e ressuscitou para ser o Senhor dos mortos e dos vivos".
Roubador dos corações, a força de vosso amor estraçalhou nossos corações tão duros.Inflamastes todo o mundo no vosso amor.Senhor da sabedoria, inebriai nossos corações com esse vinho, abrasai-os com esse fogo, feri-os com essa flecha de vosso amor.a vossa cruz é arco e flecha que ferem os corações.Saiba todo o mundo que tenho o coração ferido.
Ó grande amor, o que fizestes?Viestes para curar e me feristes?viestes para me ensinar a viver e me tornastes semelhantes a um louco?Ó sábia loucura, não viva mais eu sem vós!Senhor, quando vos vejo na cruz, tudo me convida a amar: o madeiro, a vossa pessoa, as feridas de vosso corpo e principalmente o vosso amor.Tudo me convida a vos amar e a não me esquecer mais de vós".
Para se chegar ao amor perfeito de Cristo é preciso empregar os meios adequados.Eis os meios que nos ensina Santo Tomás:
I)-Recordar-se continuamente dos benefícios divinos, gerais e particulares.
II)-Considerar a infinita bondade de Deus que está sempre nos fazendo o bem.Sempre nos ama e procura ser amado por nós.
III)-Evitar com cuidado tudo o que o desagrada, por mínimo que seja.
IV)-Renunciar a todos os bens sensíveis deste mundo: riquezas, honras e prazeres dos sentidos.

Somente assim poderemos dizer como Santo Afonso Maria de Ligório:

19- "Seduziste-me Senhor, e eu me deixei seduzir.Tu te tornaste forte demais para mim: tu me dominaste" (Jr 20,7).Senhor, já resisti demais.Eis-me aqui...Fazei de mim o que quereis!"

20- E o que Deus quer de nós, senão que o amemo-Lo sobre todas as coisas e ao próximo como a nós mesmos?(Lc 10,27)

21- O que Deus quer de nós, senão que cheguemos a santidade?Pois ele mesmo disse: "Portanto, sede santos, assim como vosso Pai celeste é santo" (Mt 5,48).

Deixo-vos com um convite que Nosso Senhor fez aos seu discípulos na quinta-feira Santa:

22- "Para que o mundo saiba que amo o Pai: levantai-vos e vamos".
-Mas, para onde?
-Morrer pelos homens, na cruz!

Rezem, Meditem e vão á Santa Missa e que Deus os abençoe!!!


1- Gl 5,2
2- As Orações - Santa Catarina de Sena
3- Ibidem
4- Ibidem
5- Ibidem
6- Ibidem
7- Ibidem
8- Ibidem
9- Ibidem
10- Ibidem
11- Tt 3,4
12- Rm 5,8
13- A Prática do amor a Jesus Cristo - Santo Afonso Maria de Ligório
14- Ibidem
15- Sl 26,10; Is 49,15
16- Jr 31,3
17- A Prática do amor a Jesus Cristo - Santo Afonso Maria de Ligório
18- Ibidem
19- Vida de Santo Afonso Maria de Ligório
20- Lc 10,27; Mc 12,31s
21- Mt 5,48
22- A Prática do amor a Jesus Cristo - Santo Afonso Maria de Ligório


Fonte:

Nenhum comentário:

Postar um comentário