terça-feira, 27 de dezembro de 2011

Discurso do Papa Pio XII sobre o Rosário

Rosário

São Domingos de Gusmão
O rosário, segundo a etimologia própria da palavra, é uma coroa de rosas; encantadora coisa, que em todos os povos representa uma oferta de amor e um sinal de alegria. Mas estas rosas não são aquelas das quais se adornam apressadamente os ímpios, dos quais fala a Sagrada Escritura "Coroemo-nos de rosas - exclamam eles -, antes que murchem". As flores do rosário não se envilecem; o seu frescor é incessantemente renovado pelas mãos dos devotos de Maria, e a diversidade das idades, dos países e das línguas dá àquelas rosas a variedade de suas cores e de seus perfumes.

Queremos que aumente a devoção ao Santo Rosário de Maria, devoção a que a piedade ligou-se por tantas recordações e que se harmoniza tão bem com todas as circunstâncias da vida doméstica, com todas as necessidades e disposições de cada membro da família.

Rosário dos novos esposos, que um ao lado do outro recita na aurora da nova família, diante da vida que se abre com as suas alegres previsões mas também com os seus mistérios e com as suas responsabilidades. É tão doce na alegria destes primeiros dias de intimidade total colocar em tal modo esperanças e propósitos do futuro sob a proteção de Virgem toda pura e potente, da Mãe amante e misericordiosa, cujas alegrias, dores e glórias passam diante dos olhos da alva devota, enquanto se seguem as dezenas de ave-marias, rememorando os exemplos da mais santa das famílias!

Rosários das criançasrosário dos pequenos, que tendo entre os seus minúsculos dedos ainda inexperientes os grãos da coroa, repetem lentamente, com aplicação e esforço, mas também com amor, os pai-nossos e ave-marias, que a mãe pacientemente lhes ensinou, errando, é verdade por vezes hesitem, confundem-se; mas é tão confiante o candor de seus olhares que fixam sobre a Imagem de Maria, daquela na qual já sabem reconhecer a sua grande Mãe do céu! Pois será o rosário da primeira comunhão, que tem um lugar a parte entre as recordações daquele grande dia; belo, mas não tanto quanto, por vezes devem ser. Belo rosário, mas não apenas um vão objeto de luxo, mas pelo contrário o instrumento que ajuda a orar e lembra, tornando presente ao pensamento: Maria.

Rosário da jovem, já grande, alegre e serena, mas, ao mesmo tempo, séria e pensativa do seu futuro; que confia a Maria, Virgem Imaculada, prudente e benigna, os desejos de dedicação e o dom de si, que ela sente desabrochar no coração; ora por aquele jovem, ainda desconhecido para ela mas conhecido por Deus, que a Providência lhe destina, e ela queria semelhante a si cristão fervoroso e generoso.

Este rosário, que ama recitar aos domingos, juntamente com as suas companheiras, devera durante a semana recitá-lo talvez entre os cuidados da casa, ao lado da mãe, ou entre as horas de trabalho no escritório ou no campo; quando tiver um momento para ir à humilde igreja mais próxima.

Rosário do jovem, aprendiz, estudante, agricultor, que se prepara, trabalhando corajosamente, para ganhar um dia o pão para si e para os seus, coroa que ele conserva preciosamente, como uma proteção daquela pureza que quer levar intata ao altar no dia das núpcias; rosário que recita sem respeito humano nos momentos livres para o recolhimento e a oração; que o acompanha sob o uniforme militar, em meio das fadigas e das lutas da guerra, que aperta uma última vez, no dia em que a pátria talvez lhe peça o supremo sacrifício, e que os seus companheiros de armas encontrarão comovidos entre os seus dedos frios e sangrando.

Rosário da mãe de famíliada operária ou da camponesasimples, sólido usado já desde muito tempo, que ela não poderá talvez pegar senão à tarde quando, bem cansada de sua jornada, encontrará ainda em sua fé e no seu amor a força de recitá-lo, lutando com o sono, para todos os seus caros, por aqueles especialmente que sabe mais expostos a perigos da alma ou do corpo que teme tentados ou aflitos, que vê com tanta tristeza se afastarem de Deus. Rosário da mulher do mundo, talvez mais rica, mas muitas vezes carregada de preocupações e de angústias ainda mais pesadas.

Rosário do pai de famíliado homem trabalhador e enérgico, que jamais esquece de trazer consigo a sua coroa, juntamente com a caneta-tinteiro e o caderninho de notas; que, grande professor, renomado engenheiro, célebre clínico, advogado eloqüente, genial artista, agrônomo experiente, não se envergonha de recitá-lo com devota simplicidade nos breves momentos arrancados à tirania do trabalho profissional, para ir retemperar a alma de cristão na paz de uma igreja, aos pés do tabernáculo.

Rosário dos velhosvelha vovó, que faz incansavelmente correr as contas entre os dedos enrugados, no fundo da igreja, até quando ela para ali puder arrastar-se com suas pernas enrijecidas, ou durante as longas horas de forçada imobilidade sobre a cadeira, ao lado do fogãoVelha tia, que todas as suas forças consagrou ao bem da família, e agora, aproximando-se o término de sua vida, toda empregada em boas obras, alterna, inexaurivelmente, em sua dedicação, os pequenos serviços que ainda pode prestar, com as numerosas dezenas de ave-marias, que diz sem cessar, com o seu terço.

Rosário do moribundonas horas extremas, como um último apoio apertado em suas mãos trementes, enquanto ao lado os seus caros o recitam em voz baixa; rosário que permanecerá sobre o peito dele, juntamente com o crucifixo, para atestar a sua confiança nas misericórdias divinas e na intercessão da Virgem, da qual estava pleno aquele coração que cessou de bater.

Rosário, finalmente, da família inteirarecitado em comum por todos, pequenos e grandes; que reúne à tarde, aos pés de Maria, aqueles que o trabalho do dia tinha separado e disperso; que os reúne com os ausentes e os desaparecidos; a recordação se reaviva em uma oração fervorosa, que consagra deste modo a ligação que os reúne todos sob o cuidado materno da Imaculada Rainha do Santíssimo Rosário.

Em Lourdes, como em Pompéia, Maria quis mostrar, com inumeráveis graças, quanto Lhe é agradável esta oração, à qual Ela convida Sua confidente Santa Bernadette, acompanhando as ave-marias da criança, com o lento correr de seu belo rosário, reluzente como as rosas de ouro que brilhavam sobre seus pés (1).

(1) Discurso aos esposos, 24 de novembro e 8 de outubro, 1941.

Fonte: Livro Pio XII e os problemas do mundo moderno, tradução e adaptação do Padre José Martins, 1959. 



Fonte:

segunda-feira, 26 de dezembro de 2011

Devoção a Maria Santíssima



Fonte Site Lepanto

“Devemos ter uma devoção toda particular a Maria Santíssima porque:

1. Ela é a Mãe de Deus e também nossa mãe;

2. Ela supera em graças e santidade a todos os anjos e santos;

3. Ela, por sua intercessão, possui o maior valimento diante de Deus.

Ela mesma disse: “Eis que, de agora em diante, me chamarão bem-aventurada todas as gerações, porque me fez grandes coisas Aquele que é poderoso, e santo é seu Nome” (Lc 1, 48-49).

O melhor exemplo de culto a Maria Santíssima nos dão os santos, sobretudo a Santa Igreja e, em certo sentido, a própria Santíssima Trindade.

Maria Santíssima é, depois de Jesus Cristo, o mais sublime modelo de todas as virtudes: piedade, pureza, humildade, paciência, fortaleza e sobretudo de ardente amor a Deus e ao próximo. Jesus, morrendo na cruz, nos legou sua Mãe por nossa mãe: “Filho, eis aí tua mãe. Mãe, eis aí teu filho”.

“Um servo de Maria não se perde” (São Bernardo).

Nunca se ouviu dizer que tivesse alguém recorrido a Maria Santíssima, que não houvesse sido atendido.

Uma genuína e sólida devoção a Maria Santíssima é um sinal evidente de predestinação à bem-aventurança eterna.

A verdadeira devoção a Nossa Senhora consiste:

1. em amá-la com ternura filial;

2. em louvá-la com fervor;

3. em invocá-la com confiança;

4. e imitá-la com diligência e perseverança.

Em seu louvor, rezemos pontualmente as “Ave-Marias” ou “Anjo do Senhor”, o terço; e com especial preparação, devoção e entusiasmo, celebremos suas festividades.

De todas as formas de devoção, a que mais agrada a Maria Santíssima é por certo a fiel imitação de suas virtudes. Pela imitação de Maria é que também se conhece ser genuína, e não mero sentimentalismo, a devoção para com Ela.

Segundo S. Luís Maria Grignion de Montfort, exerce a verdadeira devoção a Maria Santíssima quem todas as coisas faz:

a) em Maria, isto é, no espírito e nas disposições que a animavam;

b) com Maria, isto é, com seu auxílio, que ele sempre está invocando;

c) para Maria, isto é, para que Ela de tudo disponha livremente; confiante ele depõe em suas mãos todas as suas obras, merecimentos e sua própria pessoa, a fim de que Ela de tudo isso disponha à vontade para a maior glória de Deus e salvação das almas;

d) Por Maria, isto é, por sua mediação; por sua poderosa intercessão ele pede a Deus todas as graças, e pela mão desta amorosa Mãe ele se encaminha a Deus”.(*)

__________

(*) Fr. Antônio Wallenstein, O.F.M., Catecismo da Perfeição Cristã, Editora Vozes, Petrópolis, 1956, 3ª edição.

Fonte: Site Lepanto


Como surgiu o “Santa Maria, rogai por nós”




Nossa Senhora e o Concilio de Éfeso

A história da Ordem do Carmo é cheia de riquezas. Seu fundador, Santo Elias, 400 anos antes de Nosso Senhor Jesus Cristo, já venerava a Mãe de Deus que iria nascer.

Afirmava São Epifânio que já na primeira metade do século IV, existia uma associação de mulheres cristãs que prestavam um culto a Maria Santíssima.Vemos na história quantos Santos tiveram grande devoção à Mãe de Deus, e que muitos a conheciam como Santa Maria.

Porém, foi depois do Concílio de Éfeso, realizado no ano de 431, por convocação do Papa Celestino I, que surgiu um culto litúrgico em honra à Mãe de Deus.

O Concílio de Éfeso foi convocado para combater as heresias do Pelagismo e Nestorismo, dirimindo equívocos sobre a Doutrina Cristã, ao mesmo tempo em que definia uma sublime prerrogativa de Maria e o seu verdadeiro posicionamento na economia da salvação, culminando por decretar o Dogma de SUA Maternidade Divina.

Os erros das heresias espalharam-se rapidamente, fazendo muitos adeptos como normalmente acontecia de inicio com todas as heresias. Mas esses erros que versavam sobre a Divindade de Jesus Cristo e a Maternidade de Sua Santa Mãe, foram logo e energicamente combatidos.

São Cirilo, Bispo de Alexandria, foi o Presidente do Concílio em Éfeso, que defendeu dignamente as verdades do cristianismo, contra as investidas herejas.

No dia do encerramento, após a leitura da sentença que condenava os heresiarcas, expressando o pensamento unânime de todos os presentes, foi lido o decreto do Dogma da Maternidade Divina de Maria Santíssima, proclamado e justificado com toda honra, para a maior Glória de Deus. O Papa São Celestino emocionado e com lágrimas nos olhos, ajoelhou-se e respeitosamente saudou-a assim:

“Santa Maria, Mãe de Deus, rogai por nós pecadores, agora e na hora de nossa morte. Amem”

Essa saudação de Sua Santidade, ficou sendo a segunda parte da AVE MARIA, que tem como primeira parte dois trechos. Um formado pelo cumprimento feito pelo Arcanjo São Gabriel a Maria, no dia da Anunciação, em Nazaré:

“Ave Maria, cheia de graça. O Senhor é convosco”.

O outro trecho é constituído pela frase pronunciada por Santa Isabel, prima de Maria, quando a Santíssima Virgem foi a Ain Karin para ajuda-la durante os três últimos meses de gravidez, do qual nasceu São João Batista. Disse Isabel:

“Bendita és tu entre as mulheres e bendito é o fruto de teu ventre”.

Fonte: “Pelos Caminhos do Amor” – Jusan F. Novaes – 1ª Edição – ano 1983 – Com Aprovação Eclesiástica.


sexta-feira, 23 de dezembro de 2011

Décima Rosa - Milagres


Milagres


                Enquanto São Domingos pregava o Rosário em Carcassona, um herege vivia a ridicularizar os milagres e os quinze mistérios do Santo Rosário, isto fez com outros hereges deixassem de se converter. Como punição DEUS permitiu que quinze mil demônios entrassem no corpo do homem.

                Seus pais o levaram ao Padre Domingos a fim de livrá-los dos espíritos malignos. Pôs-se ele em oração e pediu que todos que ali se encontravam rezassem o Rosário em voz audível, e a cada Ave Maria, Nossa Senhora retirava cem demônios do corpo do herege e eles saíram em forma de brasas ardentes.
                Após ser liberto, ele abjurou dos seus erros, converteu-se e se ingressou na confraria do Rosário. Muitos daqueles que tinham relacionamento com ele fizeram o mesmo, pois ficaram grandemente impressionados com o castigo e com o poder do Rosário.

                O sábio Franciscano, Cartagena, bem como muitos outros escritores, relatam um extraordinário evento acontecido em 1482: O Venerável Tiago Sprenger e outros religiosos de sua ordem estavam zelosamente no trabalho de restabelecer a devoção do Santo Rosário e também em erigir uma Confraria na cidade de Colônia.

                Por infelicidade, dois sacerdotes que eram famosos por suas pregações, invejaram-se da grande influência que aqueles religiosos começaram a ter através da pregação do Rosário. Então estes dois Padres passaram a falar mal da devoção a todo o momento que podiam, e eles tinham uma eloquência e uma grande reputação que conseguiam persuadir muitas pessoas a não se ingressarem na Confraria.
                Um deles, determinado em alcançar este fim maligno, escreveu um sermão especial contra o Rosário e planejou pregá-lo no domingo seguinte. Porém quando chegou a hora do sermão ele não apareceu, após alguns minutos de espera alguém foi procura-lo. Ele foi encontrado morto e, evidentemente, tinha morrido sozinho sem que tivesse alguém para auxiliá-lo e sem assistência de um padre.

                Convencido de que a morte tinha sido por causas naturais, o outro sacerdote decidiu levar a cabo o plano do amigo e preparou um sermão parecido para o outro dia. Desta forma, esperava acabar com a Confraria do Rosário. Porém, quando o dia chegou no qual pregaria tal sermão, na hora de pregar, DEUS o castigou com uma paralisia que o impediu de se movimentar e de falar. Por fim, ele admitiu seu pecado e o de seu amigo e, imediatamente, no mais profundo de coração, silenciosamente procurou Nossa Senhora para auxiliá-lo. Ele prometeu a Ela que se o curasse, ele pregaria o Santo Rosário com tanto zelo quanto aquele que tinha quando lutava contra ele. Para esta finalidade, implorou a ela que restaurasse sua saúde e fala, e ela o fez, e ao se achar instantaneamente curado, ele se levantou como Saulo, um perseguidor que tornou-se Paulo, defensor do Santo Rosário. Publicamente ele reconheceu seus erros e daí em diante sempre pregou as maravilhas do Santíssimo Rosário com grande zelo e eloquência.

                Tenho toda certeza que os libertinos e os indivíduos extremamente críticos, de nossos dias, estão a questionar a veracidade destas histórias relatadas neste pequeno livro, da mesma forma que estão sempre a duvidar da maioria das coisas, mas tudo o que tenho feito aqui é buscá-las nos escritores contemporâneos, meus, de melhor reputação e também, em parte, em um livro que foi escrito a pouco tempo: “A Roseira Mística” pelo Ver. Padre Antonino Thomas, O. P.

                Todos sabem que já três tipos diferentes de fé na qual cremos em três tipos diferentes de histórias:

                Às histórias das Escrituras Sagradas damos fé divina

               Às histórias relacionadas a assuntos que não sejam religiosos, que não estejam contra o bom senso e que são escritas por escritores dignos, damos fé humana, enquanto;

                Às histórias tratando de assuntos sagrados que são contadas por bons escritores e que não possuam nada contrário à razão, fé ou moral (mesmo que às vezes lidem com acontecimentos sobrenaturais), pagamos-lhes tributo de fé pia.

             Concordo que não devemos ser nem um tanto ingênuos nem por demais críticos e que devemos lembrar que “a virtude segue o caminho do meio”, ao mantermos o bom equilíbrio encontraremos a verdade e a virtude. Mas, por outro lado, eu igualmente o sei que a caridade facilmente leva-nos a crer em tudo que não é contrário à fé ou à moral: “a caridade... tudo crê” (1 Cor 13,7);  da mesma forma, o orgulho nos induz a duvidar mesmo das mais autênticas histórias sob o juramento de que elas não serão encontradas na Bíblia.

                Eis um das armadilhas do diabo; os hereges que no passado negavam a Tradição caíram na heresia e pessoas extremamente críticas de hoje em dia estão também a cair nela sem mesmo perceber.

                Pessoas assim não querem crer naquilo que não podem compreender ou naquilo que não é do seu gosto, simplesmente por causa de seu espírito de orgulho e independência.


14º Capitulo - Extraído do Livro "O Segredo do Rosário" São Luiz M. Grignion de Montfort

Décima-Sétima Rosa - A Ave Maria e seus frutos




A Ave Maria e seus frutos

O Bem-Aventurado Alano de La Roche, que era devotíssimo da Virgem Maria teve várias revelações dela e sabemos que ele confirmou a verdade destas revelações através de um solene juramento. Três delas possuem ênfase especial: a primeira, quando as pessoas não rezam a Ave Maria (a Saudação Angélica que salvou o mundo) com cuidado, ou porque elas estão entediadas, ou mesmo porque têm aversão a ela, é um sinal de que elas provavelmente e com certeza serão condenadas à punição eterna.

A segunda verdade é que aqueles que amam esta saudação divina possuem um sinal especial de predestinação.

A terceira verdade é que aqueles a quem DEUS tem dado este sinal de amor à Nossa Senhora e de servi-la até a hora quando ela os colocar nos Céus através de seu FILHO divino, no grau de glória que merecem. (Bem-aventurado Alano, capitulo XI, parágrafo 2)



Os hereges, todos os que são filhos do mal e claramente possuem selo de reprovação de DEUS, têm horror á Ave Maria. Eles ainda rezam o PAI Nosso, mas nunca a Ave Maria; eles prefeririam colocar uma cobra venenosa em volta de seus pescoços que um Escapulário ou carregar um Rosário.

Entre os católicos, há aqueles que carregam a marca da reprovação de DEUS, menosprezando o Rosário de quinze dezenas (mesmo o terço de cinco dezenas). Estes ora não o rezam, ora rezam-no rapidamente sem devoção.

Mesmo que se não acreditasse no que foi revelado ao Bem-aventurado Alano de La Roche, mesmo assim minha experiência bastaria para me convencer desta terrível verdade. Não sei, nem compreendo totalmente, como pode uma devoção que pareça tão pequena ser o sinal infalível da salvação eterna e como a sua ausência possa ser o sinal do desagrado eterno de DEUS; não obstante nada há de mais certo.

Em nossos dias, vemos que aquelas pessoas que professam doutrinas novas, que são condenadas pela Santa Madre Igreja, podem até ser piedosas, superficialmente, mas elas desdenham o Rosário, e geralmente elas persuadem seus conhecidos a não o rezarem, destruindo assim seu amor por ele e sua fé nele. Ao fazer isto, elas elaboram desculpas que são até plausíveis aos olhos do mundo. São cautelosas a não condenar o Rosário e o Escapulário, como os calvinistas o fazem, mas a maneira que se propõem a atacá-lo é mais mortífera porque é dissimulada. Trataremos disto a seguir.

Minha Ave Maria, meu Rosário ou me terço, é a minha oração e a pedra de toque seguríssima pela qual eu posso distinguir a todos os que são levados pelo ESPÍRITO de DEUS e aqueles que são enganados pelo demônio. Conheci almas que pareciam voar como águias por sobre as nuvens em uma contemplação sublime e que eram, contudo, miseravelmente enganadas pelo diabo. Eu só percebi o quanto estavam erradas quando descobri que desdenhavam a Ave Maria e o Rosário que consideravam muito inferior a elas.
A Ave Maria é um abençoado orvalho que cai dos Céus sobre as almas dos predestinados. E dá-lhes uma maravilhosa fertilidade espiritual a fim de poderem crescer em todas as virtudes. Quanto mais o jardim da alma é regado por esta oração, mais iluminado se torna o intelecto desta pessoa, e mais zeloso se torna seu coração, e mais se fortalece contra seus inimigos.

A Ave Maria é uma flecha pontiaguda e ardente que, unida à PALAVRA DE DEUS, dá ao pregador a força de penetrar, mover e converter os corações mais duros mesmo que ele tenha pouco ou nenhum natural dom de pregação.

Como disse antes, este foi o grande segredo que Nossa Senhora ensinou a São Domingos e ao Bem-aventurado Alano a fim de que eles convertessem os hereges e os pecadores.

Santo Antonino nos conta que era este o motivo pelo qual muitos pregadores se habituaram a rezar a Ave Maria no início de seus sermões.

21º Capitulo - Extraído do Livro "O Segredo do Rosário" São Luiz M. Grignion de Montfort

quarta-feira, 21 de dezembro de 2011

Dogmas



Imaculada Conceição da Virgem Maria (Clique aqui)



Perpétua Virgindade de Maria Santíssima (Clique aqui)



Maternidade Divina da Virgem Santíssima (Clique aqui)



Assunção Gloriosa da Santíssima Virgem Maria (Clique aqui)




Fonte:

terça-feira, 20 de dezembro de 2011

O SANTO SACRIFÍCIO DA MISSA



" Salvador do mundo, salvai-nos, Vós que nos libertastes pela Cruz e Ressurreição"

Retirado do livro Santa Missa Mistério de Nossa Fé, Pe. Franscisco Rudroff, 1912 - 1995/ Anápolis, 31 de julho de 1996.


A Missa é a renovação do sacrifício do Calvário. Nela, Cristo morre de novo, incruenta e misticamente, para nossa salvação.

Não tem o menor cabimento, quando Cristo morre misticamente, renovando o sacrifício da cruz, haver aplausos, simulações de dancinhas, baterias, guitarras e outras inovações que vieram do protestantismo.

Logo, na Missa, é um absurdo criar um ambiente festivo, pois a Missa não é festinha de aniversário.

Relembrando: São Pe. Pio disse em uma entrevista. (http://www.capela.org.br/Missa/padrepio.htm)

Meu filho, estamos na Cruz, e a Missa é uma contínua agonia.




A Santa Missa não é uma festa. É um Santo Sacrifício. É a renovação do Sacrifício da Cruz, do Sacrifício do Calvário. E no Calvário, diante de Cristo Crucificado, ninguém dançou, ninguém bateu palmas ou fez festa: todos ficaram em silêncio, num momento de interiorização, de profunda relação com Deus. Se crê que a Eucaristia é a renovação do Sacrifício de Cristo, não se pode admitir que a Missa seja uma festa”.


segunda-feira, 19 de dezembro de 2011

Décima-Sexta Rosa - A Ave Maria e Sua Beleza







A Ave Maria e Sua Beleza

Mesmo não havendo nada tão excelso quando a majestade de DEUS e nada tão desprezível quanto o homem enquanto pecador, DEUS Todo-Poderoso, não despreza as nossas pobres orações. Ao contrário, ELE Se agrada quando cantamos Seus louvores.

A saudação de São Gabriel a Nossa Senhora é um dos cânticos mais bonitos que podemos cantar à glória do Altíssimo. “Eu te cantarei um cântico novo” (Sl 143,9). Este novo cântico, que Davi previu e que deveria ser cantado na vinda do Messias, é precisamente a Saudação Angélica.

Há um cântico antigo e um novo cântico: o antigo é o que os judeus cantaram em gratidão a DEUS por tê-los criado, sustentado sua existência e tê-los livrado do cativeiro, guiando-os salvos pelo Mar Vermelho, dando-lhes o maná para comer e por todas as outras bênçãos.

O novo cântico é o que os cristãos cantam em ação de graças por todas as graças da Encarnação e da Redenção. Como estas maravilhas foram trazidas pela Saudação Angélica, então nós a repetimos a fim de agradecer à SANTÍSSIMA TRINDADE, por sua bondade imensurável para conosco.

Nós louvamos a DEUS PAI porque Ele amou o Mundo de tal maneira que nos deus Seu FILHO Unigênito como SALVADOR. Nós bendizemos o FILHO porque Ele se dignou a deixar o Céu e vir à Terra, porque Ele se fez homem. Nós glorificamos o ESPÍRITO SANTO porque Ele formou o Corpo puro de Nosso SENHOR no Ventre de Nossa Senhora, este Corpo que se tornou Vítima por nossos pecados. Neste espírito de profunda gratidão devemos, pois, sempre rezar as Ave Marias, proclamando atos de Fé, Esperança, Caridade e ações de graças por este dom inestimável da salvação.

Apesar deste novo cântico ser em honra à Mãe de Deus e ser cantado diretamente a ela, indubitavelmente é muito glorioso à SANTÍSSIMA TRINDADE porque os louvores com que honramos a Nossa Senhora inevitavelmente dirigem-se a DEUS que é a causa de todas as suas virtudes e perfeições. Quando nós honramos a Nossa Senhora: DEUS PAI é glorificado pois estamos honrando a mais perfeita de suas criaturas; DEUS FILHO é glorificado pois estamos louvando Sua puríssima Mãe, e DEUS ESPÍRITO SANTO é glorificado pois ficamos, profundamente, em admiração meditando nas graças com as quais Ele cobriu Sua Esposa.

Quando louvamos e bendizemos Nossa Senhora ao rezarmos a Saudação Angélica (Ave Maria), ela sempre passa estes louvores ao DEUS Todo-Poderoso da mesma maneira que ela fez quando foi exaltada por Santa Isabel. Santa Isabel bendisse por sua elevadíssima dignidade como Mãe de Deus e Nossa Senhora imediatamente deu louvores a DEUS através do seu lindo Magnificat.
Assim como a Saudação Angélica glorifica a SANTÍSSIMA TRINDADE, é também augustíssimo o louvor que damos à Nossa Senhora.

Um dia quando Santa Mechtilde estava orando e desejava saber qual era o melhor meio para testemunhar sua terna devoção à Mãe de Deus, ela foi arrebatada em êxtase. Nossa Senhora lhe apareceu com a Saudação Angélica em letras de ouro reluzente sobre seu peito e lhe disse: “Minha filha, quero que saibas que não há para mim nada mais agradável que a saudação que a SANTÍSSIMA TRINDADE me enviou e pela qual Ele me elevou à dignidade de Mãe de Deus.

Pela palavra Ave, eu aprendi que em Seu Poder infinito DEUS me preservou de todo o pecado e das consequentes misérias com as quais a primeira mulher se viu sujeita.

O nome Maria que quer dizer “Senhora da Luz” mostra que DEUS me preencheu com sabedoria e luz, como uma estrela brilhante, para iluminar os Céus e a Terra.

As palavras cheia de graça me lembram que o ESPÍRITO SANTO me encheu de graças e me capacitou distribuí-las em abundância àqueles que as pedem através de mim como Mediadora.

“Quando os fiéis rezam O SENHOR é convosco, eles renovam a alegria indescritível que tive quando O VERBO ETERNO se tornou carne em meu ventre”.

“Quando você reza bendita sois vós entre as mulheres, louvo a misericórdia divina de DEUS Todo-Poderoso que me elevou a este excelso plano de felicidade.

E nas palavras bendito é o fruto do vosso ventre, JESUS, todo o Céu se alegra comigo ao ver meu FILHO JESUS CRISTO adorado e glorificado por ter salvo a humanidade.”


20º Capitulo - Extraído do Livro "O Segredo do Rosário" São Luiz M. Grignion de Montfort

quarta-feira, 14 de dezembro de 2011

As Sete Meditações sugeridas por São João Bosco

Desejo, meus filhos, que tenhais diariamente um pouco de meditação.Por isso, aqui ofereço alguns curtos pensamentos para cada dia da semana, e espero que os lereis com atenção, caso não tenhais outro livro mais apropriado.

Depois de vos terdes ajoelhado, dizei:

"Meu Deus, eu me arrependo de todo o coração por Vos ter ofendido; peço-vos a graça de compreender as verdades que vou meditar e de inflamar-me de amor por Vós.Virgem Santíssima, Mãe de Jesus, rogai por mim".








Domingo

A finalidade do homem

1º)- Considera, meu filho, que Deus te criou à sua imagem e semelhança, que te deu uma alma e um corpo, sem que da tua parte houvesse para isso nenhum mérito.Ademais, pelo Batismo Deus te fez seu filho, te amou sempre e te ama ainda como Pai amoroso; o único fim para o qual te criou é para que O ames e sirvas a Ele nesta vida, e desse modo possas merecer um dia ser eternamente feliz com Ele no Paraíso.

Não penses que vives neste mundo para divertir-te, enriquecer-te, comer, beber e dormir, como os animais irracionais; pois o fim para o qual foste criado é infinitamente mais nobre e mais sublime; ou seja, para amar e servir a Deus nesta vida, e salvar assim a tua alma.

Se procederes desse modo, que consolo sentirás na hora da morte!...Mas, se pelo contrário não pensares seriamente em servir a Deus, que remorsos não sentirás naquele instante, em que reconhecerás claramente que as riquezas e os prazeres, que tanto procuraste na terra, só serviram para encher de amarguras teu coração, fazendo-te ver o dano que causaram à tua alma!.

Por isso, meu filho, não queiras ser daqueles que só pensam em satisfazer o corpo com atos, palavras e divertimentos censuráveis; e no fim da vida se encontrarão em grande perigo de perdição eterna.

O secretário de um rei da Inglaterra morreu exclamando: "Infeliz de mim!Gastei tanto papel para escrever as cartas de meu senhor, e não empreguei sequer uma folha de papel para anotar meus pecados e fazer uma boa confissão!".

2º)- Verás melhor a importância do teu fim se considerares que tua salvação eterna ou tua eterna condenação dependem de ti.

Se salvas tua alma, muito bem, serás feliz para sempre; mas se a perdes, perdes tudo? alma, corpo, Céu, Deus que é teu fim...E para toda a eternidade serás desgraçado!

Não imites a loucura dos desgraçados que dizem: "Vou cometer agora este pecado, mas depois me confessarei".Não te enganes a ti mesmo com tais palavras, porque o Senhor amaldiçoa o homem que peca na esperança de obter perdão.

Lembra-te de que os condenados que estão no Inferno tinham a intenção de mais tarde se converter, e apesar disso se perderam por toda a eternidade.

Estás seguro de que Deus te concederá tempo para te confessares?

Quem te garante que não morrerás logo depois de pecar e que tua alma não será precipitada imediatamente no Inferno?

Não achas que seria loucura se te feristes gravemente, na esperança de encontrar depois um médico que te curasse?

Renuncia, pois, ao pensamento enganador de só mais tarde te consagrares ao serviço de Deus; hoje mesmo detesta e abandona o pecado, que é o maior de todos os males e que, desviando-te do teu fim último, te priva de todos os bens.

3º)- Quero também que conheças um terrível laço de que se serve o demônio para prender e levar à perdição grande número de cristãos: é deixar que se instruam na Religião, mas que depois não a pratiquem.

Sabem perfeitamente que Deus os criou para amá-Lo e servir a Ele; e no entanto empregam todo o tempo em lavrar a própria ruína eterna!De fato quantas pessoas vemos no mundo que pensam em tudo, menos na sua salvação!

Se se diz a um jovem que freqüente os Sacramentos, que faça um pouco de oração, etc., logo responde: "Tenho outras coisas que fazer, tenho que trabalhar, que me divertir...". Ó infeliz!E não tens uma alma para salvar?

Quanto a ti, jovem católico que lês estas considerações, não te deixes enganar pelo demônio; promete a Deus que de agora em diante todas as tuas palavras, pensamentos e ações se orientarão para a salvação da tua alma.

Grave loucura seria procurares com tanto afinco o que deve acabar em pouco tempo e te esqueceres da eternidade que não tem fim.

São Luís Gonzaga poderia ter gozado de todos os prazeres, honras e riquezas deste mundo, mas renunciou a todos eles dizendo: "De que me servem essas coisas para a vida eterna?".

Conclui tu também com este pensamento:

"Tenho uma alma; se a perco, perco tudo.Ainda que ganhasse o mundo inteiro à custa de minha alma, de que me aproveitaria?"

De que serve ao homem ganhar o mundo inteiro, se vier a perder sua alma?

Se chego a ser um grande homem, um ricaço, se consigo atingir a celebridade como sábio que domina todas as ciências e todas as artes do mundo, mas depois perco minha alma, de que me adiantarão todas essas coisas?

A própria sabedoria de Salomão não me valeria de nada se me condenasse.Diz, pois assim:

"Deus me criou para salvar a minha alma, e quero salvá-la a todo custo; amar a Deus e salvar minha alma serão, a partir de agora o único objetivo de todos os meus cuidados.Trata-se de ser eternamente feliz ou eternamente desgraçado; devo estar resolvido a perder tudo para me salvar.Meu Deus, perdoai os meus pecados e não permitais que jamais tenha o desgraça de Vos ofender novamente; ajudai-me com vossa santa graça para que Vos possa amar e servir fielmente.Maria, minha esperança, rogai por mim".



Segunda-Feira

O Pecado mortal

1º)- Se soubesses, meu filho, o que fazes cometendo um pecado mortal!

Voltas às costas para Deus, que te criou e cumulou de benefícios; desprezas sua graça e sua amizade; e dizes com teus atos:

"Afastai-vos de mim, Senhor, já não Vos quero obedecer, nem servir, nem vos reconhecer por meu Deus.Não Vos servirei!Quero que meu deus seja este prazer, esta vingança, esta cólera, esta má conversação, esta blasfêmia..."

Pode-se imaginar ingratidão mais monstruosa?

Entretanto, meu filho, foi isso o que fizeste todas as vezes que ofendeste ao teu Senhor.

2º)- Essa ingratidão é mais grave porque, para cometê-la, tu te serves dos próprios dons que Deus te deu.

Ouvidos, olhos, boca, língua, mãos e pés te foram dados por Deus, e tu os empregaste para ofendê-Lo.

Ouve o que te diz o Senhor:
"Meu filho, Eu te criei do nada; Eu te dei tudo o que tens; nasceste na verdadeira Religião; Eu te concedi a graça do Batismo; podia ter-te deixado morrer quando estavas em pecado, e te conservei a vida para não te mandar ao Inferno; e tu, esquecendo tantos benefícios, queres servir-te desses meios que Eu mesmo te dei, para ofender-Me?

Como não morrer de dor diante dessa enorme injúria lançada contra um Deus tão bom e tão benéfico em relação a nós, míseras criaturas suas?

3º)- Considera ademais que esse Deus, apesar de sua bondade e misericórdia infinitas, não deixa de estar justamente indignado com tuas ofensas, e que, quanto mais continuas vivendo no pecado, tanto mais excitas contra ti sua cólera.

Deves por isso temer que o senhor te abandone, se multiplicas teus pecados.Não porque te falte sua misericórdia, mas porque não terás tempo de pedir perdão, já que não merece a misericórdia do Senhor quem abusa dela para ofendê-Lo.

Grande é o número dos pecadores que viveram no pecado com a esperança de se converterem, e a morte chegou quando menos a esperavam.Deus não lhes deu tempo perdidos para sempre.

Não tremes em pensar que pode acontecer-te o mesmo?

Depois de tantas culpas que Deus te perdoou, não poderá Ele te castigar ao primeiro pecado mortal que cometas, e precipitar-te logo no Inferno?

Dá-Lhe graças por te ter esperado até agora e toma uma firme resolução, dizendo: "Ó meu Deus, quanto Vos ofendi até o presente!Basta!Quero empregar toda a vida que me resta em Vos amar, em chorar meus pecados, arrependendo-me deles de todo o coração; meu Jesus, quero amar-vos, dai-me forças.Virgem Santíssima, Mãe de Deus, ajudai-me.Assim seja.



Terça-Feira

A morte

1º)- A morte consiste na separação da alma e do corpo, ficando absolutamente abandonadas todas as coisas deste mundo.

Considera, meu filho, que tua alma deve necessariamente separar-se do coro, mas não sabes quando, nem onde, nem como te surpreenderá essa separação.

Não sabes se ela te apanhará na cama, no trabalho, na rua ou noutro lugar.

A ruptura de uma veia, uma infecção pulmonar, uma febre, um ferimento, um tombo, um terremoto, ou um raio são suficientes para te tirar a vida.

E isso pode acontecer-te dentro de um ano, de um mês, de uma semana, de uma hora ou talvez mal acabes de ler estas páginas.

Quantos estavam bem à noite, quando se deitaram, e foram encontrados mortos no dia seguinte!.Quantos, atacados de apoplexia, morreram rapidamente.E para onde foram depois?

Se estavam na graça de Deus, felizes deles, são eternamente felizes.Se estavam no pecado, serão atormentados para todo o sempre.

E tu, meu filho, se morresses neste momento, o que seria de tua alma?Infeliz de ti se não estás preparado, porque o que não está pronto para morrer bem hoje, corre grande risco de morrer mal!

2º)- O lugar e a hora de tua morte não te são conhecidos, mas é certíssimo que ela virá.Ainda supondo que não te surpreenda uma morte repentina ou violenta, sem embargo, a última hora da tua vida há de chegar.

Nessa hora, estendido sobre o leito, assistindo por um sacerdote que rezará junto de ti as orações dos agonizantes, rodeado por tua família que chora, com o crucifixo numa mão e uma vela acesa na outra, te encontrarás às portas da eternidade.

Tua cabeça sentirá dores e não encontrará repouso; tua visão estará obscurecida; tua língua estará ardendo; tua garganta, seca, teu peito, oprimido, o sangue se gelará nas tuas veias; teu corpo será consumido pela enfermidade e teu coração transpassado por mil dores.

Quando a alma tiver abandonado o corpo, este coberto com uma mortalha, será lançado a um buraco, onde se converterá em podridão; os vermes o devorarão, e de ti só restarão alguns ossos descarnados e um pouco de pó mal cheiroso.

Abre uma tumba e observa o que restou de um jovem rico, de um homem poderoso no mundo; pó e podridão...O mesmo te acontecerá a ti.

Lê estas considerações com atenção, meu filho, e lembra-te de que elas se aplicam a ti, como a todos os outros homens.

Agora o demônio, para induzir-te a pecar, se esforça e distrair-te deste pensamento, em encobrir e escusar a culpa, dizendo-te que não há grande mal em tal prazer, em tal desobediência, em faltar à Missa nos dias festivos; mas no momento da morte te fará conhecer a gravidade das tuas faltas e as representará a todas vivamente, diante de ti.

Que farás tu naquele terrível instante?Desgraçado de quem então se encontrar em pecado mortal!

3º)- Considera também que do momento da morte depende tua felicidade ou desgraça eterna.

Estando para dar o último suspiro e à luz daquela última chama, quantas coisas veremos!

A Igreja acende duas velas por nós: uma no nosso Batismo, outra na hora da nossa morte; a primeira, para mostrar-nos os preceitos da lei de Deus, que devemos observar; a segunda no transe da nossa morte, para examinarmos se os observamos corretamente.

Por isso, meu filho, à claridade daquela última luz verá se amaste a Deus durante a tua vida ou se O desprezaste; se respeitaste seu santo Nome ou se O ofendeste com blasfêmias.

Verás as festas que profanaste, as Missas que não ouviste, as desobediências a teus superiores, os escândalos que destes a teus companheiros.

Verás aquela soberba e aquele orgulho que te enganaram; verás...

Mas (oh! meu Deus) tudo aquilo verás no momento em que se abre diante de ti o caminho da eternidade, momento do qual depende a eternidade inteira.Sim, daquele momento depende uma eternidade de glória ou de tormentos.

Compreendes bem o que te estou dizendo?Daquele momento depende para ti o Paraíso ou o Inferno; o ser para sempre feliz ou desgraçado, para sempre filho de Deus ou escravo do demônio, para sempre gozar com os Anjos e Santos no Céu ou gemer e arder para todo o sempre com os condenados no Inferno.

Teme muito por tua alma, e reflete que de uma vida santa e boa dependem a boa morte e a eterna glória.

Sem perda de tempo, põe em ordem tua consciência com uma boa Confissão, prometendo ao Senhor perdoar a teus inimigos, reparar os escândalos que deste, ser mais obedientes, abster-te de comer carne nos dias proibidos, não perder mais o tempo, santificar os dias consagrados a Deus, cumprir os deveres de teu estado.

E deste já, lançando-te aos pés de Jesus, diz a Ele:

"Meu Senhor e meu Deus, desde agora me converto a Vós; amo-Vos e quero-Vos amar e servir até à morte.Virgem Santíssima, minha Mãe, ajudai-me naquele momento terrível.Jesus, Maria e José, que minha alma expire em paz em vossos braços".



Quarta-Feira

O Juízo

1º)- É a sentença que o Salvador pronunciará no final da nossa vida, sentença com a qual será fixada a sorte de cada um de nós por toda a eternidade.

Quando tiver saído do corpo, a alma comparecerá imediatamente diante do divino Juiz.Esse encontro é terrível para o pecador, porque sua alma se apresenta sozinha diante de um Deus ao Qual desprezou e ofendeu, de um Deus que conhece até o último pensamento do seu coração.

Quem nos acompanhará naquele momento?Nada levaremos deste mundo, senão o bem ou o mal que tivermos feito, sejam bons, seja maus.Não haverá desculpas nem pretextos.

Santo Agostinho, falando daquele terrível instante, se exprime assim: "Ó mortal, quando compareceres diante do criador para seres julgado, tu te encontrarás diante de um Juiz cheio de indignação, os teus pecados te acusarão; os demônios estarão prontos a executar a sentença; dentro de ti mesmo terás a consciência que te agita e te atormenta; e a teus pés o Inferno estará aberto para engolir-te.Em tal aflição, para onde irás, para onde fugirás?".

Ditoso de ti, meu filho, se procedeste bem durante a vida!

2º)- Depois, o divino Juiz abrirá o livro das consciências e dará início ao exame:

- Quem és tu? Perguntarás-te o Juiz inapelável.
- Sou um cristão.
- Bem, se és cristão, verei se te comportaste como tal.

Então começará a recordar-te das promessas feitas no Batismo, pelas quais renunciaste ao demônio, ao mundo e à carne; te representará as graças que te concedeu, os Sacramentos que recebestes, as pregações, as instruções, os conselhos de teus confessores, as correções de teus pais, tudo isto te será colocado diante dos olhos.

-Mas tu, dirá o divino Juiz, apesar de tantos dons, de tantas graças, como correspondeste mal à fé que professaste!Logo que chegaste ao uso da razão, começaste a Me ofender com mentiras, com faltas de respeito na igreja, com desobediências a teus pais e com muitas outras transgressões de teus deveres.Se pelo menos te houvesses portado bem quando te tornaste mais crescido!Mas com a idade só cresceste no desprezo da minha lei.Missas perdidas, profanações de dias festivos, blasfêmias, más conversações, confissões mal feitas, Comunhões às vezes sacrílegas, escândalos dados aos teus companheiros; eis o que fizeste em vez de servir-Me!"

Ao escandaloso, Se dirigirá cheio de indignação e dirá:

- Vê aquela alma que caminha pela senda do pecado?Foste tu que lhe ensinaste a maldade com tuas palavras escandalosas; se tivesses sido bom cristão, deverias ter ensinado a teus companheiros o caminho do Céu; mas fizeste exatamente o contrário, ensinando a eles o caminho da perdição.Vês aquela alma que está no Inferno?Foste tu que ma roubaste com teus pérfidos conselhos e a entregaste ao demônio, sendo tu a causa de sua perdição eterna.Agora tua alma pagará a perfídia daquele escândalo.

Que te parece desse exame, meu filho?Que te dirá tua consciência?Ainda tens tempo, se quiseres? pede a Deus perdão de teus pecados, prometendo sinceramente jamais voltar a ofendê-Lo, e começa hoje mesmo uma vida cristã.Assim poderás adquirir um tesouro de boas obras para quando tiveres que comparecer ante o tribunal de Jesus Cristo.

3º)- Em vista de um exame tão rigoroso pelo divino Juiz, o pecador tratará de se desculpar, dizendo que não esperava ser julgado com tanta severidade.Mas o Senhor lhe responderá:

- Não ouviste naquela pregação do catecismo, não leste naquele livro que Eu ia pedir conta de tudo?

O desgraçado se lembrará então da misericórdia divina; mas já não haverá misericórdia para ele, porque não merece misericórdia quem por tanto tempo abusou dela; com a morte acabou o tempo da misericórdia.

A alma se lembrará dos Anjos, dos Santos, de Maria Santíssima; mas Ela em nome de todos dirá:

"Queres agora a minha proteção?Não Me quiseste por Mãe durante tua vida.Agora também não te quero mais por filho; já não te conheço".

Então o pecador, encontrando-se perdido, pedirá gritando às montanhas e penhascos que o escondam; mas estes não se moverão.Invocará o Inferno, e o verá aberto diante de si.

Nesse mesmo momento, o Juiz inexorável proferirá a terrível sentença:

- Vai-te, filho infiel!Afasta-te de Mim!Meu Pai Celestial te amaldiçoa.Eu também te amaldiçôo!Vai-te par ao fogo eterno, a gemer e penar no inferno, com os demônios, por toda a eternidade!

Aquela alma desgraçada, antes de afastar-se para sempre de seu Deus, voltará uma última vez o olhar para o Céu e, no cúmulo do desespero, exclamará:

"Adeus, companheiros; adeus, amigos, que habitais no reino da glória; adeus pai, mãe, irmão, irmãs, vós gozareis eternamente, e eu serei para sempre atormentado, adeus.Anjo da minha guarda, Anjos e Santos do Paraíso, nunca vos verei, adeus, meu Salvador, Cruz santa, sangue divino derramado inutilmente por mim!Neste momento deixo de ser filho de Deus para ser no Inferno escravo do demônio".

Então aquela alma infeliz cairá nas mãos dos demônios, que a arrastarão e precipitarão nos abismos de penas, de misérias e de tormentos eternos.

Não temes, meu filho, que te aconteça o mesmo?Ah!Por amor de Jesus e de Maria, prepare-te com boas obras para merecer uma sentença favorável.Lembra-te de que, quanto mais é espantosa a sentença proferida contra o pecador, tanto mais consoladoras serão as palavras de Jesus para o homem que tenha vivido cristãmente: "Vem; vem tomar posse da glória que te preparei.Tu Me serviste com fidelidade no breve tempo da tua vida; agora serás eternamente feliz.Entra no gozo do teu Senhor".

Meu Jesus, concedei-me a graça de ser do número desses bem-aventurados.Virgem Santíssima, ajudai-me, protegei-me na vida e na morte, e especialmente quando me apresentar no tribunal de vosso divino Filho par ser julgado!



Quinta-Feira

O Inferno

1º)- O Inferno é um local destinado pela Justiça divina para castigar com suplícios eternos os que morrem em pecado mortal.

A primeira pena que os condenados padecem no Inferno é a dos sentidos, por ser todo o seu corpo atormentado por um fogo que arde horrivelmente sem jamais diminuir.

Esse fogo penetrará pelos olhos, pela boca e por todo o corpo, e cada um do sentidos padecerá uma pena especial.

Os olhos ficarão obscurecidos pelo fumo e pelas trevas, e aterrorizados ao ver os demônios e os demais condenados.

Os ouvidos não ouvirão incessantemente senão gritos, uivos, prantos e blasfêmias.

O olfato será atormentado com o mau cheiro do enxofre e betume ardentes, que o sufocará.

A boca sofrerá sede ardentíssima e padecerá uma fome canina: "Sofrerão fome como cães" (Sl 58,7; 15).Deus permitiu que o rico Epulão, em meio aqueles tormentos, dirigisse um olhar a Lázaro, pedindo por misericórdia uma gota de água para aliviar o ardor que o consumia; mas até esta lhe foi negada.

Aqueles infelizes, em meio às chamas, devorados pela fome e sede, atormentados por um fogo que não cessa, bradam, uivam e se desesperam.

Ah!Inferno, Inferno, como são desgraçados os que caem nos teus abismos!

E tu, meu filho, que dizes?

Se tivesses que morrer neste momento, para onde irias?

Se não podes suportar agora, se gritar de dor, a ligeira chama de uma vela na mão, como poderás sofrer aquelas chamas por toda a eternidade?

2º)- considera por outro lado, meu filho, o remorso que sentirá a consciência dos condenados.Sua memória, entendimento e vontade padecerão terrivelmente tormentos.

Recordarão continuamente o motivo porque se perderam, isto é, por terem querido satisfazer uma paixão qualquer, e esse pensamento será para eles um verme roedor que jamais morrerá.

Pensarão no tempo que Deus lhe tinha concedido para salvar-se da perdição; nos bons exemplos de seus companheiros; nos propósitos formados e não postos em prática.Pensarão nas pregações ouvidas, nos conselhos de seus confessores, nas boas inspirações pra deixar o pecado...E, vendo que já não há remédio, lançarão uivos desesperados.

A vontade jamais terá nada do que deseja, sofrendo pelo contrário todos os males.

O entendimento conhecerá o bem imenso que perdeu.A alma, separada do corpo e apresentada diante do divino tribunal, entreviu a beleza de Deus, conheceu sua bondade, contemplou por um instante o esplendor do Paraíso, terá ouvido talvez os dulcíssimos e harmoniosos cantos dos Anjos e Bem-aventurados.Que dor, vendo que tudo isso lhe é arrebatado para sempre!

Que horrorosos tormentos!Quem poderá suportá-los?

3º)- Meu Filho, que agora não te preocupas em perder a Deus e o Paraíso!Esperas por acaso conhecer tua cegueira, quando tantos companheiros teus, mais ignorantes e mais pobres do que tu, estiverem gloriosos e triunfantes no reino dos céus, e tu estiveres maldito por Deus e arrojado fora daquela pátria bem-aventurada, do gozo de Deus, da companhia da Virgem Santíssima e dos Santos?

Decide-te, pois, a servir ao Senhor, e faz penitência.Não aguardes para quando não haja mais tempo.Entrega-te a Deus.Quem sabe se esta meditação não será o teu último chamado da graça!Se não correspondes a ele, tu te expõe a que Deus te abandone e te deixe cair nos eternos suplícios.

Ah!Senhor, livrai-me das penas do inferno!



Sexta-Feira

A eternidade das penas

1º)- Considera, meu filho, que se caíres no Inferno, dele jamais saíras.Nele se padecem todas as penas, e todas elas para sempre.

Passarão cem anos, mil anos, e o Inferno estará apenas começando; passarão cem mil anos, cem milhões de anos, milhões de milhões de anos e de séculos...e o Inferno estará ainda apenas começando.

Se um Anjo anunciasse a um condenado que Deus haveria de livrá-lo do Inferno depois de passar tantos milhões de séculos como gotas de água que há no mar, ou folhas de árvores e grãos de areia no mundo, essa notícia lhe causaria logo um consolo indizível."É certo, exclamaria, que é imenso o número de séculos que sofrerei, afinal, haverá um dia em que eles acabarão".

Mas, ai! passarão esses milhões de séculos e uma infinidade de outros, e o Inferno estará sempre apenas começando.

Cada condenado quereria poder dizer a Deus: "Senhor, aumentai quanto quiserdes minhas penas, e fazei-me permanecer aqui o tempo que quiserdes, contanto que me deis a esperança de ver este suplício acabar um dia!"Mas não!Esse término e essa esperança jamais chegarão.

2º)- Se ao menos o condenado pudesse iludir-se a si mesmo, pensando consigo: "Quem sabe se Deus algum dia terá piedade de mim e me tirará deste abismo!"

Mas, não!Jamais abrigará esta esperança!O condenado terá sempre presente a sentença de sua condenação eterna: "Este tormentos, este fogo, estes horríveis gritos, eu os terei para sempre".

Sempre! verá escrito nas chamas que o devoram.Sempre! na ponta das espadas que o transpassam; Sempre!, nas horríveis fisionomias dos demônios que o atormentam; Sempre!, naquelas portas fechadas que jamais se abrirão para ele!

Ó eternidade, ó abismo sem fundo!Ó mar sem limites!Ó caverna sem saída!Quem não tremerá pensando em ti?Ó maldito pecado, que tremendos suplícios preparas para quem te comete!Ah!Basta de pecados, basta de pecados em toda a minha vida!

3º)- O que deve encher-te de espanto é pensar que essa horrível fornalha está sempre aberta debaixo de teus pés e que basta um único pecado mortal para cair nela.

Compreendes, meu filho, isto que lês? Um pecado que cometes com tanta facilidade merece uma pena eterna.Uma blasfêmia, uma profanação dos dias festivos, um furto, um ódio, uma palavra, um ato, um pensamento obsceno, bastam para condenar-te às penas do Inferno.

Ah!meu filho, ouve atentamente o meu conselho; se a consciência te censura de algum pecado, vai imediatamente confessar-te para principiar logo uma boa vida; põe em prática todos os conselhos do teu confessor e se for necessário faz uma confissão geral; promete fugir das ocasiões perigosas, das más companhias, e se deus te chamar a deixar o mundo, obedece-Lhe com prontidão.

Tudo o que se faz para evitar uma eternidade de tormentos é pouco, é nada: "nenhuma segurança é excessiva quando está em jogo a eternidade", escreveu São Bernardo.

Oh!quantos jovens na flor da idade abandonaram o mundo, a pátria, a família e foram sepultar-se nas grutas e desertos, não vivendo senão de pão e água, às vezes só de algumas raízes!...E tudo isso para evitarem o Inferno!

E tu, o que fazes, depois de merecer tantas vezes o Inferno pelo pecado?

Lança-te aos pés de teu Deus e diz a Ele: "Senhor, vede-me pronto a fazer tudo o que quiserdes; já Vos ofendi demais até agora; de hoje em diante não Vos quero mais ofender; enviai-me, se preciso, todos os males nesta vida, desde que possa salvar minha alma".



Sábado

O Paraíso

1º)- Quanto mais espanta a consideração do Inferno, tanto mais consola a do Paraíso, que foi preparado por Deus para todos os que O amam e servem na vida presente.

Para fazeres uma idéia dele, imagina uma noite serena.

Que belo é o céu, com tanta multidão e variedade de estrelas!

Umas são maiores que outras; enquanto algumas delas aparecem pelo Oriente, outras desaparecem no Ocidente, sendo muito variadas no que diz respeito ao tamanho, cor, etc.

Mas todas elas se movem, na imensidão do espaço, com admirável harmonia e segundo a vontade de Deus, seu Criador.

Imagina ademais que a luz do sol te deixe ver durante um belo dia a lua e as estrelas que há no firmamento; imagina também tudo o que há de precioso no mar, na terra, nos diversos países, nas cidades e nos palácios dos reis e monarcas de todo o mundo; acrescenta a isto as mais finas bebidas, os alimentos mais saborosos, a música mais doce, a harmonia mais suave...Pois tudo isso é nada, comparado com a excelência dos bens e dos gozos do Paraíso!

Quanto devemos desejar a posse daquele lugar, onde se gozam todos os bens, sem mescla alguma de mal!

A alma bem-aventurada só poderá exclamar: "Eu me saciarei com a visão da vossa glória" (Sl 16,15).

2º)- Considera, ademais, a alegria que tua alma sentirá ao entrar no Paraíso.

Sairão a recebê-la teus parentes e amigos, e ali verás a nobreza e beleza dos Querubins e Serafins, de todos nos Anjos e de todos os Santos, que em multidão louvam a seu Criador.

Verás também os Apóstolos, o imenso número de Mártires, Confessores e Virgens, e ademais uma grande multidão de jovens que se conservaram puros e por isso cantam a Deus um hino de glória inefável.

Oh! quanto gozam naquele Reino os bem-aventurados!Estão sempre alegres, pois não padecem o menos sofrimento, nem penas que venham turbar sua paz e contentamento.

3º)- Observa ademais, filho, que tudo isso não é nada em comparação com o grande consolo que sentirá a alma ao ver a Deus.

Ele consola os Bem-aventurados com seu olhar amoroso e derrama em seu coração torrentes de delícias.

Assim como o sol ilumina e embeleza todos os objetos aonde chega sua luz, assim Deus ilumina com sua presença todo o Paraíso e cumula seus felizes habitantes com prazeres inexprimíveis.

NEle, como num espelho, verás todas as coisas, gozarás de todos os prazeres da mente e do coração.

Quanto, no Monte Tabor, São Pedro viu uma única vez o rosto de Jesus radiante de luz, foi cumulado de tanta doçura, que fora de si exclamou: "É bom para nós estar aqui!" (Lc 9,33)

Que alegria será então o contemplar, não por um instante, mas para sempre, a vista daquela face divina que apaixona os Anjos e os santos, e que embeleza todo o Paraíso!

E a formosura e a amabilidade de Maria, de quanto gozo inundará o coração dos bem-aventurados! "Como são amáveis as tuas moradas, Senhor Deus dos Exércitos!" (Sl 83,2).

Por isso, todos os coros de Anjos e todos os Bem-aventurados cantarão a sua glória, dizendo: "Santo, Santo, Santo é o Senhor Deus dos exércitos! A Ele toda a honra e toda a glória, por todos os séculos dos séculos".

Coragem, pois, meu filho!Algo terás que sofrer neste mundo, mas não importa!O prêmio que te espera no Paraíso compensará infinitamente todos os males que tenhas padecido na vida presente.

Que consolo será o teu quando te encontrares no Céu em companhia de parentes e amigos, dos Santos e dos Bem-aventurados, e puderes exclamar: "Estou salvo e estarei para sempre com o Senhor!"

Então bendirás o momento em que deixaste o pecado, em que fizeste uma boa confissão e começaste e freqüentar os Sacramentos.

Bendirás o dia em que, deixando as más companhias, te entregaste à virtude.E, cheio de gratidão, te voltarás a teu Deus e Lhe cantarás louvores e glórias por todos os séculos dos séculos.Assim seja.





Fonte:


http://voltaparacasa.com.br/