segunda-feira, 27 de fevereiro de 2012

A importância do Escapulário de Nossa Senhora do Carmo




Em várias aparições a Rainha do Céu concedeu duas importantes graças a quem levasse sobre si o seu santo escapulário:


A primeira consiste na perseverança final e a preservação do inferno.


O segundo privilégio, chamado também sabatino, consiste na rápida liberação das penas do purgatório, crendo-se que tem lugar no sábado seguinte ao dia da morte.



Para alcançar este segundo privilégio, além de morrer com o escapulário, é preciso guardar a castidade segundo o próprio estado, rezar o Ofício Parvo da Santíssima Virgem e guardar os jejuns estabelecidos pela Igreja. A condição do Ofício Parvo pode ser trocada por outras obras pias por qualquer sacerdote que tenha os poderes necessários (por exemplo, pela oração diária de uma parte do Terço). É preciso a imposição por um sacerdote autorizado.

Se mais tarde se perde ou se gasta, pode ser substituído por outro, sem necessidade de benzê-lo; valem igualmente as chamadas medalhas-escapulário (desde que tenham sido benzidas), ou seja, as que têm em um dos lados a imagem do Sagrado Coração e no outro uma imagem de qualquer invocação da Virgem Maria.



Com razão, pois, se diz que o escapulário do Carmo é sinal seguro de salvação, expressão que, no entanto, deve ser entendida retamente: de fato não valeria levar o escapulário e entregar-se a uma vida desordenada confiando na promessa que se refere, naturalmente, àqueles que com boa vontade honram a Virgem Maria vestindo o seu distintivo e procurando cumprir com as suas obrigações de católicos.


Pio XII exortou a levar o escapulário do Carmo “como expressão da Consagração ao Coração Imaculado de Maria”.


De fato, as aparições de Fátima revestiram o escapulário do Carmo com uma nova importância: “No dia 13 de setembro de 1917, a Virgem de Fátima tinha anunciado aos três videntes a vinda de Nossa Senhora do Carmo no mês seguinte. No dia 13 de outubro, no momento do encerramento do ciclo das aparições, quando a conversação da Lúcia com Nossa Senhora do Rosário tinha terminado, enquanto a multidão contemplava o grandioso milagre solar, os três pastorzinhos tiveram várias visões. Foi-lhes dado admirar no mesmo Céu três quadros sucessivos, o último dos quais foi o de Nossa Senhora do Monte Carmelo lembrando os mistérios gloriosos do Santo Rosário. Nessa mesma tarde, Lúcia relatará a sua visão ao Cônego Formigão: Ao final, a Virgem se apresentou: “pareceu-me Nossa Senhora do Carmo”.


Se a Virgem sustentava o escapulário em suas mãos, era para animá-los a levá-lo, assim como nas aparições anteriores a presença do Terço tinha manifestado claramente os desejos do seu Coração. O Escapulário e o Terço são inseparáveis.


Fonte:

http://catolicostradicionais.blogspot.com

Nenhum comentário:

Postar um comentário