sábado, 14 de julho de 2012

Pensamentos de Santa Teresinha


"Pensamentos de Santa Teresinha"
Mais informações sobre a venda do nosso livro clique aqui!

Mês de Julho

1. “Oh! Deve se julgar toda mortificação louvável e meritória, quando se está persuadido que Deus é quem a pede. Si houver engano na ação, Ele se deixa enternecer pela intenção”. (Conselho e Lembrança)

2. “Quando oro por alguma intenção, não ofereço os meus sofrimentos, digo simplesmente: Meu Deus, daí a esta alma tudo que desejo para mim”.

3. Por isso mesmo que sinto dores muito fortes, procuro amar o sofrimento e mostrar-lhe sempre bom rosto.

4. “Quando me acontece cair nalguma falta, levanta-me prontamente. Um olhar a Jesus, e o recolhimento de nossa própria miséria tudo repara.”

5. Quando mais a alma renunciar a satisfações naturais, tanto mais forte e desinteressada se tornará a sua ternura. (Historia de uma Alma, c.X)

6. “Qual seria vosso merecimento, dizia a uma de suas noviças, si houvésseis de combater quando sentis coragem? Que importa que a não sintais, contato que procedais corajosamente?”

7. Orais pelos pobres doentes, próximos á morte, si soubésseis quão pouco basta para fazer perder a paciência!...

8. “Jamais pedi a Deus a graça de morrer jovem: ter meia parecido covardia”.

9. “Quisera ser missionário, não só durante alguns anos, mas quiseram tê-lo sido desde a criação do mundo, e assim continuar até á consumação do século”.

10. Como é fácil agradar a Jesus, arrebatar-lhe o coração!Basta só amá-lo sem olhar para si mesmo, sem examinar demasiadamente os próprios defeitos.

11. 11- Quanta vez pensa que todas as graças de que tenho sido cumulada devo, talvez, ás instancias de alguma pequenina alma que somente no céu irei conhecer.

12. Desde que a alma deixa de consultar a bussola infalível da obediência, logo se perde em caminhos áridos, aonde a água da graça em pouco tempo lhe vem a faltar.

13. “Embora sem desprezar os belos pensamentos que nos unem a Deus, compreendo, entretanto, há muito, que precisamos estar alerta, afim de nos não apoiarmos demasiadamente neles. As mais sublimes inspirações nada são sem obras”.

14. “Demos tudo a Jesus com generosidade, sejamos pródigos para com Ele”.

15. “Quero adquirir méritos, mas não para as necessidades da Igreja, em uma palavra,para atirar rosas ao mundo todo,aos justos e pecadores”.

16. “Sinto-me livre, sem temores, e, si aprouver ao bom Deus,de bom grado consinto que minha vida de sofrimentos de corpo e de espírito se prolongue por muitos anos.Oh! não temo a vida longa,não recuso o combate”.

17. “Quando agradeço ao Senhor por não me ter feito encontrar senão amarguras nas amizades da terra!Com coração como meu, ter-me-ia deixado prender e cortar as asa; e,depois como poderia voar e repousar?”.

18. “Devemos fazer tudo da nossa parte, dar sem medida, provar o nosso amor por todas as boas abras que estiverem ao nosso alcance. Mas como,na realidade,tudo isso é bem pouca coisa, urge que ponhamos toda a nossa confiança naquele que,só,pode santificar as ações, e que nos confessemos servos inúteis, esperando, porém, ao mesmo tempo, que Deus nos há de dar, pela sua graça, tudo o que desejamos”.

19. Suplico-vos, ó Jesus, tirai-me a liberdade de vos desagradar.

20. Sim, num ato de amor, mesmo não sensível, tudo é reparado, até sobrepujado. Jesus sorri e nos auxilia sem parecer.

21. Quando voltamos para Jesus, Ele nos ama ainda mais do que antes da nossa falta.

22. Nunca desejei morrer num dia de festa, a minha morte será por si mesma uma festa bastante bela!

23. A mim, Deus deu a sua misericórdia infinita... Tendo apenas uma aspiração: amá-la até morrer de amor.

24. A morte de amor que aspiro é a morte de Jesus na cruz.

25. O amor atrai o amor, o meu arroja-se para vós, querendo encher o abismo que atrai.

26. Entendi que o amor encerra todas as vocações, que o amor é tudo, que abrange todos os tempos e lugares, porque é eterno.

27. Não sou como outrora, na minha infância, acessível a qualquer dor, estou como ressuscitada toda, não estou mais no lugar em que julgam. Cheguei ao ponto de não poder sofrer, porque todo sofrimento me é suave.

28. Desde que me coloquei nos braços de Jesus, sou semelhante ao vigia que do mais alto torreão do castelo forte observa o inimigo. Nada me escapa; ás vezes, fico espantada de ver as coisas tão claramente.

29. Si todos soubessem o que lucra quem se nega em todas as coisas!...

30. Só a caridade pode dilatar o meu coração. Oh! Sim, a recompensa é grande já desde este mundo. Neste caminho só o primeiro passo custa.

31. Assemelho-me a uma criancinha bem pequenina; nada sofro, penso simplesmente de instante a instante, sem mesmo preocupar-me do que se vai seguir. 


Nenhum comentário:

Postar um comentário