sexta-feira, 11 de janeiro de 2013

A Batalha contra a sensualidade

Quero, pois, que cada um de vós de divida em duas partes, como inimigas mortais uma da outra: a razão e a sensualidade. A razão deverá armar-se com a espada do ódio (pelo pecado) e do amor (pela virtude). Não deverá ser uma guerra feita de moleza, mas como vigor, porque ocorre matar a sensualidade, que nos faz perder a graça e nos afasta de Deus. Algumas vezes a sensualidade finge-se de morta, para cairmos em falta maior. Ela parecerá estar morta em nós, não sugerindo nenhuma tentação. Então nossas ações e pensamentos se elevam com fervor a Deus. Parece-nos estar no céu.

 Mas, se enfraquecermos a luta, se depusermos a espada e nos decuidarmos, a sensualidade se erguerá mais forte do que nunca, fazendo-nos cair miseravelmente.

Quero que assumais essa guerra, meus filhos, com a intenção de nunca fazer a paz. Ao contrário, que continuamente aumentemos a batalha, dando à sensualidade o que lhe desagrada e jamais o que é do seu agrado. O cão de guarda da consciência dará latidos para acordar a razão, de maneira que o menor sentimento passe pelo coração, sem ser previamente avaliado pela razão. Assim, que nenhum sentimento errado fique sem ser punido e repreendido. A maldosa sensualidade deve ser escrava da razão e esta, sua senhora.

Mas, se fordes negligentes e tíbios, jamais vencereis esta inimiga, a sensualidade, nem os outros dois inimigos, o demônio e o mundo. Foi por isso que disse desejar vos ver lutadores fortes, e sempre vencedores. Coragem, filhos! Tomais aquela espada e conservai-a sempre nas mãos do livre-arbítrio até o dia da morte, pois naquele dia desaparecerá este último inimigo, deixado por Deus para nossa utilidade, ou seja, para que se adquiram as virtudes com suor e o auxílio da graça divina. Nada mais acrescento.

(Cartas de Santa Catarina de Sena - nº 332-3, págs. 1094 e 1095)

Nenhum comentário:

Postar um comentário