domingo, 19 de maio de 2013

A gula é pecado mortal?



Parece que a gula não é pecado mortal, pois:
1. Todo pecado mortal contraria algum preceito do decálogo, o que não acontece no caso da gula.

2. Todo pecado mortal contraria a caridade. Ora, a gula não se opõe à caridade, nem quanto ao amor de Deus, nem quanto ao próximo.

3. Diz Santo Agostinho: “Todas as vezes que alguém toma, no comer e no beber, mais do que o necessário, saiba ele que isso ficará entre os pequenos pecados.” Ora, trata-se aí da gula. Logo, ela está classificada entre os pequenos pecados, ou seja, entre os pecados veniais.

No entanto, diz São Gregório: “Quando impera o vício da gula, perdem os homens tudo o que fizeram de grande e quando o ventre não é dominado, todas as virtudes são simultaneamente liquidadas.” Ora, só pecado mortal destrói a virtude. Logo, a gula deve ser pecado mortal.

SOLUÇÃO: O vício da gula consiste, propriamente, num desejo desordenado. Ora, a ordem da razão, que rege a concupiscência, pode ser subvertido de dois modos:

1. Primeiramente, quanto aos meios, quando estes não são medidos de modo que sejam proporcionados ao fim;

2. Depois, quanto ao próprio fim, quando a concupiscência afasta o homem do fim devido.

Por isso, se considerarmos a desordem do desejo na gula como algo que afasta do fim último, então a gula será pecado mortal. Acontece isso quando o homem assume os prazeres da gula como fim que o faz desprezar a Deus, dispondo-se a agir contra os mandamentos divinos para se entregar a tais prazeres.

Mas se, pelo vício da gula, entendermos a desordem da concupiscência apenas quanto aos meios, fazendo-nos desejar demasiado os prazeres da mesa, sem agir, porém, contra os mandamentos de Deus, então a gula será pecado venial.

Quanto às objeções acima, portanto, deve-se dizer que:

1. O vício da gula constitui pecado mortal quando nos desvia do fim último. Sob esse aspecto opõe-se, de certa forma, ao preceito da guarda do sábado, que nos prescreve o repouso no fim último. Na verdade nem todos os pecados mortais contrariamdiretamente os preceitos do decálogo.

2. Na medida em que nos desvia do fim último, a gula se opõe ao amor de Deus que, sendo nosso fim último, deve ser amado acima de todas as coisas. Aí a gula só pode ser pecado mortal.

3. As palavras de Agostinho referem-se à gula enquanto implica uma desordem da concupiscência somente em relação aos meios.

E quanto às palavras de São Gregório, deve-se dizer que a gula extermina as virtudes não tanto por ela mesma, mas pelos vícios que dela derivam, pois o mesmo Gregório diz que “Quando o estômago está dominado pela gula, todas as virtudes da alma são destruídas pela luxúria.”

(Suma Teológica, II-II, q. 148, a. 2)

Nenhum comentário:

Postar um comentário