sexta-feira, 28 de março de 2014

Renovação Carismática Católica - Semente de Destruição - Parte IX


Uma Comparação entre Idéias Carismáticas e a Doutrina Católica
            Numa análise final, a ortodoxia de qualquer crença ou prática não depende tanto de como uma pessoa se sente a respeito, ou do que o padre, bispo e até mesmo o Papa (quando ensina apenas como um teólogo) diz a respeito, e sim da autoridade do Magistério perene da Igreja. O constante ensinamento de Papas e Concílios nesses quase 2000 anos de história da Igreja é que determina se uma crença particular é de fato Católica ou não. A negação desse fator básico pelos Católicos liberais é o motivo principal da crise na qual a Igreja se encontra mergulhada nos dias de hoje. Portanto não é de se admirar que encontremos os Carismáticos de hoje, sustentando  crenças e práticas que há somente 50 anos atrás teriam lhes causado os maiores problemas com as autoridades da Igreja.
            De modo a termos um claro panorama do que há de errado com a RCC, é necessário examinar seus princípios básicos à luz da Doutrina Católica. Apesar de estar muito além do objetivo dessa tese, fazer uma análise teológica detalhada do movimento, vários pontos básicos serão levantados. Tais questões poderão ser aprofundadas posteriormente por teólogos competentes.
            Embora a RCC seja um "grupo de grupinhos" vasto em número e intencionalmente impreciso do ponto de vista doutrinal, certos princípios específicos podem ser decodificados a partir da vasta literatura Carismática disponível. Esses princípios podem até não ser conscientemente apoiados por todos os Carismáticos em geral, mas eles podem ser frequentemente encontrados- explicitamente ou implicitamente- em seus escritos.
             Idéias Fenomenalistas
            O Fenomenalismo, cujas raízes procedem do Iluminismo do século 18, é o principal fator subjacente do Movimento Carismático. A Enciclopédia Católica define o fenomenalismo da seguinte maneira:
            Fenomenalismo literalmente significa qualquer sistema de pensamento que tem a ver com as aparências. O termo contudo, é comumente restrito `a designação de certas teorias pelos que elas determinam: 1- que não existe nenhum outro conhecimento o não ser o próprio fenômeno- negação da substância no senso metafísico; ou 2- que todo conhecimento é fenomenal- negação do objeto em si e determinação de que toda a realidade é diretamente ou reflectivamente presente no inconsciente.
            Portanto, para o Carismático, uma pessoa não conhece verdadeiramente Deus, enquanto não tiver "experimentado" Deus de forma consciente, ou seja, enquanto não tiver tido uma experiência sensorial (normalmente emocional e às vezes até física, como no caso da glossolalia, ou "falar em línguas"). De fato, a "experiência espiritual"  chega a anular a Revelação pública e os quase 2000 anos de ensinamento do Magistério Católico em matérias, tais como, só pra citar um exemplo,  o Ecumenismo.
            Para o Carismático, a mera presença hoje em dia de um fenômeno supostamente idêntico aos verdadeiros carismas presentes na Igreja Primitiva já é o bastante para provar sua orígem divina. A experiência é o que importa, não o questionamento legítimo do intelecto, tal como "Por que esse intervalo de quase 2000 anos?" Seria essa experiência a mesma do fenômeno descrito nas Escrituras? Estaria esse "espírito" guiando-nos para uma vida plenamente Católica ou rumo à apostasia? O fracasso dos Carismáticos em fazer um autêntico discernimento dos espíritos é possivelmente sua gafe mais perigosa, uma vez que o demônio é capaz de operar prodígios, os quais são como imitações ou mímicas daqueles fenômenos verdadeiramente realizados por Deus.
            De fato, o intelecto é radicalmente descartado pelos membros da RCC. Existe uma conversa generalizada a respeito da assim-chamada "18 polegadas da cabeça para o coração" em quase toda literatura Carismática nos primeiros níveis do "crescimento espiritual". Como já foi dito anteriormente, tal "conhecimento do coração",  que nada mais é senão confortantes e agradáveis sentimentos em relação à Deus, de forma alguma é algo espiritual e sim puramente emocional- o que também significa físico! Esses escritores e autores Carismáticos desprezam de tal forma o intelecto, como se Deus não o tivesse dado ao homem para seu próprio proveito: "Intellectum tibi dabo"( Salmo. 31)
            Para a mente fenomenalista do Carismático, nem mesmo os Sacramentos estão imunes ao pensamento subjetivista a respeito da graça. Os Católicos sabem que o sacramento produz a graça ex opere operato, independente do estado espiritual do ministro ou do recipiente. Naturalmente o recipiente pode estar mais ou menos bem disposto para receber as graças concedidas, mas a graça é produzida independente das disposições subjetivas das partes envolvidas. Para o Carismático, qualquer coisa na vida espiritual que não produz uma consolação subjetiva ou emoção, não é experiência de fé válida e portanto, não confere a graça.
            Assim, o seguinte trecho do livro  "Healings Sacraments" escrito por um sacerdote Carismático sobre a Confissão, nos dá um bom exemplo disso:
"Durante o Sacramento da Reconciliação nós recebemos a cura na forma do perdão e na forma de uma grande resistência contra a tentação. Eis porque nos sentimos mais leves e muito melhores depois de termos feito uma boa confissão". ( Fr. Dave Schwarz)
            Nem mesmo o Sacramento da Eucaristia está imune a tal princípio subjetivista;
"Quando você estiver orando depois de ter recebido a Comunhão, eu sugiro que você visualize raios luminosos de cura saindo da hóstia consagrada que você acabou de receber e fluindo através de todo o seu ser"...
            Para o fenomenalista, assim como para o Carismático, o objeto não tem verdadeira existência quando separado do sujeito. Essa lógica extrema torna-se então uma questão do relacionamento da consciência consigo própria. Assim não é difícil ver no que a moderna religião pós-conciliar se tornou... de acordo com algumas acusações, a religião do homem adorando-se a si próprio.
Continua...

Nenhum comentário:

Postar um comentário