quinta-feira, 7 de agosto de 2014

O pequeno número dos que são salvos - Final

Conclusão

Irmãos, eu quero que voltem para suas casas confortados hoje. Então, se vocês me perguntarem sobre o meu sentimento a respeito do número daqueles que são salvos, aqui está: Se há muitos ou poucos que são salvos, eu digo que quem quiser ser salvo, será salvo; e que ninguém pode ser condenado se não quer ser. E se é verdade que poucos são salvos, é porque são poucos os que vivem bem. Quanto ao resto, compare estas duas opiniões: a primeira afirma que o maior número de católicos são condenados, o segundo, ao contrário, aponta que o maior número de católicos são salvos. Imagine um anjo enviado por Deus para confirmar a primeira opinião, chegando para dizer-lhe que não só muitos católicos são condenados, mas que de toda esta congregação aqui presente, um só será salvo. Se você obedecer aos mandamentos de Deus, se você detesta a corrupção deste mundo, se você abraçar a Cruz de Jesus Cristo em um espírito de penitência, você será aquele que sozinho salvar-se-á.
Agora imagine o mesmo Anjo retornando para você e confirmando a segunda opinião. Ele diz que não só a maior parte dos católicos são salvos, mas que, de todos os que estão neste encontro, só um será condenado e todos os outros salvos. Se depois disso, você continuar com as suas usuras, suas vinganças, suas ações criminosas, as suas impurezas, então você será o único a ser condenado.

Qual é a utilidade de saber se poucos ou muitos são salvos? São Pedro nos diz: "Esforce-se por boas obras para assegurar-se que será escolhido" Quando a irmã de São Tomás de Aquino lhe perguntou o que ela devia fazer para ir para o céu, ele disse: "Você será salva se você quiser ser." Eu digo a mesma coisa para você, e aqui está a prova de minha declaração. Ninguém é condenado a não ser que cometa o pecado mortal: que é da fé. E ninguém comete o pecado mortal a menos que queira: que é uma proposta teológica inegável. Portanto, ninguém vai para o inferno, a menos que queira; a consequência é óbvia. Será que isso não é suficiente para te confortar? Chore por pecados do passado, faça uma boa confissão, não peques mais no futuro, e todos vocês serão salvos. Por que atormentarem-se assim? Pois é certo que vocês têm que cometer o pecado mortal para ir para o inferno, e que para se cometer pecado mortal é preciso querer, e que, consequentemente, ninguém vai para o inferno, a menos que queira. Isto não é apenas uma opinião, é uma verdade inegável e muito reconfortante; que Deus lhe dê o entendimento, e que Ele o abençoe. Amém.

Nas primeiras regras sobre o discernimento dos espíritos, Santo Inácio mostra que é típico do espírito do mal tranquilizar os pecadores. Portanto, devemos sempre pregar e gerar confiança e o dever de esperança no perdão infinito do Senhor e em Sua misericórdia, para a conversão é fácil e Sua graça é todo-poderosa. Mas também devemos lembrar que "não se zomba de Deus", e que alguém que está vivendo habitualmente em estado de pecado mortal está no caminho para a danação eterna.

Há milagres de última hora, mas a menos que afirmem que os milagres são o caminho natural das coisas, somos obrigados a concordar que para a maioria das pessoas que vivem em estado de pecado mortal, a impenitência final é a eventualidade mais provável.

As razões de São Leonardo de Porto Maurício nos convenceram. Vale a pena ouvi-las. Com eloquência e clareza, elas desenvolveram uma consideração ao Pe. Lombardi em seu debate público com o líder comunista italiano Velio Spano, em Cagliara, em 4 de dezembro de 1948. "Estou horrorizado ao pensar que se você continuar dessa maneira, você será condenado ao inferno", disse o padre Lombardi ao marxista Spano. Spano respondeu: "Eu não acredito no inferno." E Padre Lombardi respondeu: "Exatamente, e se você continuar, você será condenado, pois para evitar ser condenado, deve-se acreditar no inferno."
Poderíamos generalizar a resposta do Padre Lombardi. Talvez seja exatamente essa falta de fé sobrenatural que está impedindo as pessoas de chegar a uma profunda apreciação da transcendência pastoral da pregação à maneira de São Leonardo de Porto Maurício na sua aplicação à nossa vida contemporânea. De qualquer forma, não é porque a moral é melhor agora do que no tempo do missionário famoso. Nenhuma ocasião pode ser melhor para nós para aplicar este opróbrio do Cardeal Pie: "Eu vejo a prudência em todos os lugares; em breve não veremos coragem em qualquer lugar; com certeza, se continuarmos assim, vamos morrer de um ataque de sabedoria." Não a sabedoria divina, certamente; pois apenas a prudência carnal e mundana dá origem ao conhecimento vão, que zomba do sermão de São Leonardo.

A doutrina de São Leonardo de Porto Maurício salvou e vai salvar inúmeras almas até o fim dos tempos. Aqui está o que a Igreja diz na oração do Ofício Divino, sexta lição, falando da eloquência celestial de São Leonardo: Ao ouvi-lo, até mesmo os corações de ferro e de bronze são fortemente inclinados à penitência, em razão da eficácia surpreendente do sermão e zelo ardente do pregador. E na oração litúrgica que pedimos ao Senhor, que Ele dê o poder de dobrar os corações dos pecadores endurecidos pelas obras da pregação.
Este sermão de São Leonardo de Porto Maurício foi pregado durante o reinado do Papa Bento XIV, que tanto amou o grande missionário.

Download do texto completo link abaixo:

Media Fire (Não precisa se cadastrar para baixar o arquivo)

http://www.mediafire.com/view/?hcu3ppe3th5uiaw

Nenhum comentário:

Postar um comentário