quarta-feira, 3 de dezembro de 2014

Pequeno Catecismo - por São Francisco Xavier

Xavier chegou a Goa a 6 de Maio de 1542 e logo começou a ensinar a doutrina cristã. Este catecismo breve, de que se servia, é quase igual ao que em 1539–1540 publicou em Lisboa o célebre cronista da Índia, João de Barros. Como, porém, além das partes tomadas do de Barros, inclui outras novas acomodadas à Índia, é provável que o tenha composto logo ao chegar a Goa, a não ser que já na viagem o tenha feito. Na edição crítica da Monumenta Historica Societatis Iesu1que seguimos, pode ver-se em paralelo o texto de Barros e o de Xavier, onde ressaltam as inovações.
1. Senhor Deus, tende misericórdia de nós. Jesus Cristo, Filho de Deus, tende misericórdia de nós. Espírito Santo, tende misericórdia de nós.

2. Creio em Deus Pai todo poderoso, criador do céu e da terra. Creio em Jesus Cristo seu Filho único, Nosso Senhor. Creio2 que foi concebido do Espírito Santo e nasceu da Virgem Maria. Creio que padeceu sob o poder de Pôncio Pilatos, foi crucificado, morto e sepultado. Creio que desceu aos infernos; ao terceiro dia ressurgiu dos mortos. Creio que subiu aos céus e está sentado à direita de Deus Pai todo poderoso. Creio que dos céus há-de vir julgar os vivos e os mortos. Creio no Espírito Santo. Creio na santa Igreja católica. Creio no ajuntamento dos santos e na remissão dos pecados. Creio na ressurreição da carne. Creio na vida eterna. Ámen.

3. Verdadeiro Deus, eu confesso de vontade e coração, como bom e leal cristão, a Santíssima Trindade, Pai, Filho, Espírito Santo, três pessoas, um só Deus. Eu creio firmemente, sem duvidar, tudo o que crê a santa mãe Igreja de Roma; e bem assim eu prometo, como fiel cristão, viver e morrer na santa fé católica de meu Senhor Jesus Cristo. E quando à hora da minha morte não puder falar, agora, para quando eu morrer, confesso ao meu Senhor Jesus Cristo com todo o meu coração.

4. Pai nosso que estás nos céus; santificado seja o teu nome; venha a nós o teu reino; seja feita a tua vontade, assim como nos céus, na terra. O pão nosso de cada dia dá-nos hoje, e perdoa-nos as nossas dívidas assim como nós perdoamos aos nossos devedores, e não nos tragas em tentação, mas livra-nos de todo o mal.

5. Deus te salve, Maria, cheia de graça, o Senhor é contigo; bendita és tu entre as mulheres e bento é o fruto do teu ventre, Jesus. Santa Maria, Mãe de Deus, roga por nós pecadores, agora e à hora da minha morte. Ámen.

6. Os mandamentos da lei do Senhor Deus são dez. O primeiro é amar a Deus sobre todas as coisas. O segundo é não jurar o nome de Deus em vão. O terceiro é guardar os domingos e festas. O quarto é honrar teu pai e tua mãe, e viverás muitos anos. O quinto, não matarás. O sexto, não fornicarás. O sétimo é não furtarás. O oitavo é: não levantarás falso testemunho. O nono é: não desejarás as mulheres alheias. O décimo: não cobiçarás as coisas alheias.

7. Diz Deus: os que guardarem estes dez mandamentos irão para o paraíso. Diz Deus: os que não guardarem estes dez mandamentos irão para o inferno.

8. Rogo-vos, meu Senhor Jesus Cristo, que me deis graça hoje, neste dia, em todo o tempo da minha vida, para guardar estes dez mandamentos.

9. Rogo-vos, minha Senhora Santa Maria, que queirais rogar por mim ao vosso bento Filho, Jesus Cristo, que me dê graça hoje, neste dia, todo o tempo da minha vida, para guardar estes dez mandamentos3.

10. Rogo-vos, meu Senhor Jesus Cristo, que me perdoeis os meus pecados que fiz hoje, neste dia, em todo o tempo da minha vida, em não guardar estes dez mandamentos.

11. Rogo-vos, minha Senhora Santa Maria, Rainha dos Anjos, que me alcanceis perdão do vosso bento Filho, Jesus Cristo, dos pecados que fiz hoje, neste dia, em todo o tempo da minha vida, em não guardar estes dez mandamentos.

12. Os mandamentos da Igreja são cinco. O primeiro é ouvir missa inteira aos domingos e festas de guardar. O segundo é confessar-se o cristão uma vez na Quaresma ou antes, ou se espera entrar nalgum perigo de morte. O terceiro é tomar comunhão, por obrigação, em dia de Páscoa, ou antes ou depois, segundo o costume do bispado. O quarto é jejuar quando manda a santa Igreja, a saber, Vigílias, Quatro Têmporas e a Quaresma. O quinto é pagar dízimo e primícias.

13. Deus te salve, Rainha, Mãe de misericórdia, doçura da vida, esperança nossa, Deus te salve! A ti bradamos, desterrados filhos de Eva. A ti suspiramos, gemendo e chorando neste vale de lágrimas. Eia, pois, advogada nossa, volve a nós aqueles teus olhos misericordiosos. E, depois deste desterro, amostra-nos Jesus, bento fruto do teu ventre. Ó clemente, ó piedosa, ó doce sempre Virgem Maria. Ámen. Roga por nós, que sejamos merecedores dos prometimentos de Jesus Cristo. Ámen Jesus.

14. Eu pecador, muito errado, me confesso ao Senhor Deus e a Santa Maria, a São Miguel, o anjo, a João Baptista, e a São Pedro e São Paulo e São Tomé4, e a todos os santos e santas da corte dos céus.
E a vós, Padre, digo a minha culpa, que pequei grandemente por pensamento e por palavra e por obra, de muito bem que pudera fazer, que não fiz, e de muito mal de que me pudera apartar e não me apartei: de tudo me arrependo e digo a Deus minha culpa, minha grande culpa, Senhor, minha culpa. Peço e rogo, a minha Senhora Santa Maria e a todos os santos e santas, que por mim queiram rogar ao meu Senhor Jesus Cristo, que me queira perdoar os meus pecados presentes, confessados, passados e esquecidos, e daqui para diante me dê a sua graça, que me guarde de pecar e me leve a gozar a glória do paraíso. Ámen.

15. Os pecados mortais são sete. O primeiro é soberba. O segundo é avareza. O terceiro é luxúria. O quarto é ira. O quinto é gula. O sexto é inveja. O sétimo preguiça.

16. As virtudes morais contra os pecados mortais são sete. A primeira é humildade contra a soberba. A segunda é largueza contra avareza. A terceira é castidade contra a luxúria. A quarta é paciência contra a ira. A quinta é temperança contra a gula. A sexta é caridade contra a inveja. A sétima é diligência contra a preguiça.

17. As virtudes teologais são três. A primeira, fé; a segunda, esperança; a terceira, caridade.

18. As virtudes cardeais são quatro. A primeira, prudência; a segunda, fortaleza; a terceira, temperança; a quarta, justiça.

19. As obras de misericórdia corporais são sete. A primeira é visitar os enfermos. A segunda, dar de comer a quem tem fome. A terceira, dar de beber a quem tem sede. A quarta, é remir os cativos. A quinta, é vestir os nus. A sexta, é dar pousada aos peregrinos. A sétima, é enterrar os finados.

20. As obras de misericórdia espirituais são sete. A primeira, é ensinar os simples sem doutrina. A segunda, dar bom conselho a quem o precisa. A terceira, é castigar quem precisa de castigo. A quarta, é consolar os tristes desconsolados. A quinta, é perdoar ao que errou. A sexta, é sofrer as injúrias com paciência. A sétima, é rogar a Deus, pelos vivos, que os guarde de pecados mortais; e, pelos mortos, que os tire das penas do purgatório e os leve para o paraíso.

21. Os sentidos corporais são cinco. O primeiro é ver. O segundo é ouvir. O terceiro é cheirar. O quarto é gostar. O quinto é palpar.

22. As potências da alma são três. A primeira, memória. A segunda, entendimento. A terceira, vontade.

23. Os inimigos da alma são três. O primeiro é o mundo. O segundo é a carne. O terceiro é o diabo.

24. Oração à HóstiaAdoro-te, meu Senhor Jesus Cristo, bendigo-te a ti, pois pela tua santa Cruz remiste o mundo e a mim. Ámen.

25. Oração ao CáliceAdoro-te, sangue do meu Senhor Jesus Cristo, que foste derramado na cruz para salvar os pecadores e a mim. Ámen.

26. Ó meu Deus poderoso e Pai piedoso, Criador de todas as coisas do mundo, em vós, meu Deus e Senhor, pois sois todo o meu bem, creio firmemente sem poder duvidar que me tenho de salvar pelos méritos infinitos da morte e paixão de vosso Filho Jesus Cristo, meu Senhor, ainda que os pecados de quando era pequeno sejam muito grandes, com todos os demais que tenho feito até esta hora presente, pois é maior a vossa misericórdia que a maldade dos meus pecados. Vós, Senhor, me criastes, e não meu pai nem minha mãe, e me destes alma e corpo e quanto tenho. E vós, meu Deus, me fizestes à vossa semelhança, e não os pagodes, que são deuses dos gentios em figura de bestas e alimárias do diabo. Eu renego de todos os pagodes, feiticeiros, adivinhadores, pois são escravos e amigos do diabo. Ó gentios, que cegueira de pecado é a vossa tão grande, que fazeis de Deus bestas e demónio, pois o adorais em suas figuras! Ó cristãos, demos graças e louvores a Deus trino e uno, que nos deu a conhecer a fé e a lei verdadeira de seu Filho, Jesus Cristo5.

27. Ó Senhora Santa Maria, Esperança dos cristãos, Rainha dos anjos e de todos os santos e santas que estão com Deus nos céus, a vós, Senhora, e a todos os santos, me encomendo, agora e para a hora da minha morte, [para] que me guardeis do mundo, da carne e do diabo, que são meus inimigos desejosos de levar a minha alma para os infernos.

28. Ó senhor São Miguel, defendei-me do diabo à hora da minha morte, quando estiver dando conta a Deus da minha vida passada. Pesai, Senhor, os meus pecados com os méritos da morte e paixão do meu Senhor Jesus Cristo, e não com os meus poucos merecimentos, assim serei livre do poder do inimigo e irei a gozar para sempre sem fim dos fins.

29. A bênção da mesaV. Bendizei. R. O Senhor. V. A nós e aos alimentos que vamos tomar, Deus trino e uno nos abençoe. Bendigamos ao Senhor. R. Graças a Deus. V. Louvor a Deus, paz aos vivos, descanso aos defuntos. Amen.

Deus nos ajunte no paraíso. Amen.

Fonte: Obras Completas – São Francisco Xavier – Editorial A.O. – Braga e Edições Loyola – São Paulo, Brasil

__________

Notas:
1 MHSI-EX I 106-116.
2 Xavier repetia de propósito a palavra creio ao princípio de cada artigo da fé, «para actuar o povo com esta repetição, na confissão da nossa santa fé» (SEBASTIÃO GONÇALVES, 2,4; cf. Xavier-doc. 20,3).
3 Cf. Xavier-doc. 20,4.
4 Acrescenta Xavier o nome de S. Tomé apóstolo, por ser o patrono da Índia.
5 Oração original de Xavier, como se vê pelo contexto.

Fonte:

Nenhum comentário:

Postar um comentário