quarta-feira, 24 de fevereiro de 2016

AS DEVOÇÕES SEM A FÉ

A fé, que para o cristão é o princípio único das obras salutares, é igualmente o princípio da devoção e mesmo, se quiser, das devoções quando a devoção e as devoções são realmente salutares.
Vimos que muitas obras podem nascer ao lado da fé, mas que não são por si só, úteis à salvação. É isto exatamente o que se passa com a devoção e as devoções. Elas podem nascer, se desenvolverem e crescerem, até mesmo de modo prodigioso, paralelas à fé e no entanto serem inúteis para a salvação eterna dos homens.
Certamente gostará de ouvir o que li sobre este assunto no «Année Dominicaine» sob a assinatura do padre Vicent Maumus: – «A prática da devoção sem o conhecimento de Deus, é o grande obstáculo para o progresso das almas.
As almas são pouco esclarecidas, primeiro porque se tem poucas luzes, em seguida porque se taxa facilmente de curiosidade vã uma ciência que não se aprecia. As almas são pois pouco esclarecidas ao mesmo tempo que são cumuladas de práticas de devoção multiplicadas ao infinito; são envolvidas em todas as espécies de confrarias; são levadas a crer, como último esforço de piedade católica, na propaganda ativa de certas devoções cuja corrente, se não for freada, ameaça sufocar o amplo espírito cristão». «Que são hoje os livros de piedade? Pondo à parte algumas raras exceções, não passam de tratados superficiais que só se dirigem à imaginação e à prática exterior de tais ou quais devoções da moda. Há alguns anos um grande bispo se lamentava pela profusão com que se espalhou esse tipo de livro, e Bossuet já dizia: Não compreendo mais nada dos diretores».
A senhora, lendo esta citação com grande atenção, sente todo seu peso. Parece mesmo que daqui a ouço lembrar o que disse Joseph de Maistre: «Deus abençoe a partícula SE!»
De boa vontade aceitarei com a senhora essa desejável benção e terminarei aqui esta carta.
Digamos juntos: Credo.
Cartas sobre a fé – Pe. Emmanuel-Andre

Nenhum comentário:

Postar um comentário