terça-feira, 28 de março de 2017

O SONHO DAS CONSCIÊNCIAS - ALMAS ACORRENTADAS



Em sonho, apareceu a Dom Bosco encontrar-se na estrada que dos Becchi conduzia a um campo de sua propriedade, perto de Capriglio.
No caminho encontrou um desconhecido que o acompanhou, sem todavia revelar seu nome. Passando ao lado de figueiras e depois perto de vinhedos, o desconhecido convidou instantemente Dom Bosco a provar de algum fruto, mas este se recusou.
Chegados finalmente ao campo para onde Dom Bosco se dirigia, o indivíduo que o acompanhava dirigiu-lhe uma estranha pergunta:
_ quer ver seus meninos tais quais são no momento presente? Como serão no futuro? Quer contá-los?
Oh, sim!
_ venha, então.

LENTE MISTERIOSA

"Então- Dom Bosco- tirou , não sei de onde, uma grande máquina, que eu não saberia descrever,  e a fincou no chão. Dentro  dela, havia  uma roda, grande também.
- que   significa essa roda?- perguntei.
Respondeu:

A eternidade nas mãos de Deus!- e, segurando a manivela e dê uma volta.
Fiz o  que me mandou; acrescentou:
Olhe agora lá dentro.
Observei  a máquina e vi que havia nela uma lente enorme, de aproximadamente metro e meio de diâmetro. Encontrava-se no meio da máquina, fixa na roda. Olhei logo  através da lente. Que espetáculo! Vi todos os jovens do  oratório.
"como é isto possível  ?" dizia comigo mesmo. "até  hoje, não via ninguém por estas bandas, e  agora  estou  vendo todos os meus filhos! Mas eles não  estão em Turim?"
Olhei por cima  e aos lados da máquina, porém, a não ser pela lente, não via ninguém. Levantei o rosto para mostrar minha admiração àquele amigo, mas, depois de alguns instantes, ele me ordenou dar uma outra volta na manivela: via então que se afetara uma estranha e singular separação entre os jovens. Os bons estavam separados dos maus. Os primeiros estavam radiosos de alegria . o segundos, que felizmente  não eram muitos, inspiravam compaixão. Reconheci-os todos, mas como eram diferentes do que deles pensavam deles os companheiros !...
Uns tinham a língua furada; outros, os olhos revirados de modo a causar dó; outros sofriam de dores de cabeças por causa de úlceras repugnantes; outros tinham coração roído de vermes...mas olhava para eles, mas crescia minha aflição. Repetia:
Mas será possível que estes sejam os meus filhos? Não compreendendo o que possam significar essas estranhas doenças .
A estas palavras, aquele que me tinha conduzido à roda me disse:
escute : a  língua significa as más conversas; os olhos vesgos são aqueles que interpretam e apreciam totalmente as graças de Deus, preferindo a terra ao  céu; a cabeça doente é o descuido dos seus conselhos,  a satisfação dos  próprios caprichos; os vermes são as paixões desregradas que roem o coração ; há também os surdos que não querem ouvir as palavras , para não Ter que pô-las em prática.

JOVENS ACORRENTADOS

Fez-me depois um sinal e eu, dando uma terceira volta na roda, apliquei a vista na lente do aparelho. Havia quatro jovens presos com fortes correntes. Observei-os atentamente e reconheci - os   todos. Pedi explicação ao desconhecido, que me disse:
é fácil compreender: são aqueles que não ouvem seus conselhos e não mudam de vida; estão em perigo de perder-se.
Mandou-me dar outra volta. Obedeci  e pus-me  novamente a observar. Via-se outros sete jovens, reservados , com ar desconfiado, trazendo na boca um  cadeado fechava os lábios.
Três deles tapavam as orelhas com  a mão admirado e entristecido, perguntei o motivo do cadeado  que fechava os lábios daqueles tais. Ele me respondeu:
Então não entende? Estes são os que calam.
Mas calam o quê?
Compreendi então o que significava: calam na confissão; mesmo se interrogados pelo confessor não respondem ou respondem com evasivas.
O amigo continuo:Está vendo aqueles três que , além do cadeado na boca, tapam com as mãos os ouvidos? Como é deplorável sua condição ? são os que não somente calam na confissão, mas também não querem de nenhum modo ouvir os conselhos, as ordens do confessor. São os que ouviram suas palavras , mas não a escutaram, não lhe deram importância poderiam abaixar as mãos , mas não o querem fazer. Os outros quatros escutaram suas exortações e suas recomendações , mas não souberam aproveitar-se delas.
Que devem fazer para se verem livres daquele cadeado?
Ejiciatur superbia e cordibus eorum.( expulse-se de seus corações a soberba )
Hei de avisar a todos eles. Mas para aqueles que tapam os ouvidos com a mão há pouca esperança.

O APERTO FATAL

O personagem me fez dar mas uma volta na roda. Olhei e vi mas três jovens numa situação desesperadora. Cada um deles tinha um pavoroso macaco sobre os ombros. Observei atentamente tinham chifres. Simbolizam os jovem que mesmo dos exercícios ainda não são amigos de nosso senhor. O pecado e as paixões os escravizam.
Com o coração opresso por uma indizível comoção , com lagrimas nos olhos, voltei - me para o amigo e lhe disse:
como é possível ? estão em semelhante estado esses pobres jovens com os quais despendi tantas palavras, cerquei de cuidados, tanto na confissão como fora dela?
Perguntei o que eles deviam fazer para sacudir dos ombros aquele monstro horroroso.
Disse-me ele:
Labor, sudor, fervor.
Compreendi materialmente as palavras- respondi- mas é preciso que me dê a explicação
Trabalho na assiduidade das obras : suor na penitência; fervor nas orações fervorosas e perseverante.
Entretanto eu olhava e me afligia pensando: " como é isso? Será possível?! Mesmo depois dos exercícios espirituais?!... aqueles ali...depois de tudo o que fiz por eles, depois de tanto trabalho...depois  de Tantos conselhos ...e tantas promessas !...Ter avisados tantas vezes...não  esperava mesmo esta decepção”. Não conseguia tranqüilizar-me.

CEM POR UM

consola-se , porém- replicou aquele homem , ao ver o meu abatimento; fez-me dar outra volta na roda e acrescentou:
veja como Deus é generoso! Olha quantas almas lhe quer entregar! Está vendo aquela multidão de jovens?
Voltei a olhar pela lente e vi uma multidão que jamais conhecera na minha vida.
sim estou vendo- respondi - mas não os conheço.
Pois bem aqueles são os que nosso senhor lhe vai dar, em compensação pelos que não correspondem aos seus cuidados. Fiquei sabendo que para cada um destes últimos ele vai lhe dar  cem.
Ah! Pobre de mim! - exclamei- a casa já está cheia. Onde porei estes novos jovens?
Não se aflija aquele que lhes envia sabe muito bem onde os irá  colocar. Ele mesmo encontrará os lugares.
Se é assim , estou contentíssimo - respondi- consolado.

Observando ainda por muito tempo e cheio de complacência todos aqueles jovens , retive a fisionomia de muitos. Saberia reconhecê-los, se por acaso  os encontrasse ."

SONHOS DE DOM BOSCO

Fonte:

Nenhum comentário:

Postar um comentário