segunda-feira, 24 de abril de 2017

Maria, advogada, medianeira e corredentora

Maria é a Medianeira de todas as graças, a própria Mediação, Advogada e Corredentora da humanidade; não por Ela mesma, mas pela mesmíssima Trindade divina





Tradução Sensus fidei: Queridos irmãos, a Santíssima Virgem Maria, acima dos anjos e santos, é o paraíso especialíssimo da Santíssima Trindade. Ela sozinha, depois, o imediatamente mais próximo a Ela, que é São José, e, em seguida, em grau menor, todos os bem-aventurados que estão neles, Maria e José, como filhos, nunca acima deles ou semelhante a eles. Maria, sabendo o que Ela é pela graça de Deus, e, São José, aquele que é o que é através de Maria. Maria por Deus, José por Maria.
Que grandeza da Santíssima Virgem! Quem é Maria? Não podemos sequer imaginar. Mas imaginando algo, podemos entender que até mesmo sua própria criação, e todas as suas graças, passaram através d’Ela. Tamanha foi a sua humildade, que Deus não a rejeitou, não por Ela. Essa humildade abismal estava na mente de Deus, e, por isso, aceitou-a.
Bem, pode-se dizer que, por não querer, não quis nem a sua própria existência, somente a de Deus. O seu próprio “eu” nunca lhe sobrepujou a existência; na verdade, nunca pensou em si mesma, mas na Santíssima Trindade; nunca teve em conta a si mesma; nunca se ocupou do pensamento de si mesma, por bom e santo que fora.
Maria aceitou, sem rejeitar ao mínimo, a ideia que a própria Trindade tinha d’Ela, por isso, é Medianeira de todas as graças, até mesmo as mesmas graças que Ela traz em si. Ainda mais, Maria é a Mediação com a qual o Filho eterno torna possível a Criação, a Redenção, a Justificação, a Santificação, juntamente com o Pai e o Espírito Santo.
Ela não é somente nada de si mesma, mas jamais teve consciência senão apenas da Trindade Divina, e pela própria Trindade, e nunca por Ela. Maria é um abismo que excede as consciências de todos os bem-aventurados, anjos, seres humanos, e que nem em toda a eternidade se poderá abranger a sua grandeza. Só Deus sabe quem é Maria em toda a sua grandiosidade.
Maria foi fiel à própria ideia que Deus tinha d’Ela, e não por Ela, mas por Deus, e o plano divino de sua própria existência — de Maria —contemplou-o unicamente desde o próprio Deus. Maria sendo distinta de Deus, somente sentiu Deus em si.
Desde o primeiro momento de sua existência nunca sentiu-se a si mesma, mas somente a Deus. Tudo o que são as Três Pessoas Divinas foi concedido a Ela pela graça. De tal maneira que Maria é instrumento de Deus em tudo e para tudo, sem que Ela em nada se tivesse em conta. Toda a sua inteligência era como se fosse a inteligência de Deus. Toda a sua consciência — sem deixar de ser consciência de criatura, como a inteligência — como se não fosse criatura, mas de Deus.
Nunca foi um abismo de conhecimento humano, mas um abismo humano de todos os conhecimentos divinos, pela graça máxima criada por Deus, que é Maria. Não agir como Deus é uma imperfeição, e Maria não teve nenhuma imperfeição. Porque n’Ela se realizou em toda plenitude a perfeição do Pai, do Filho e do Espírito Santo. Ela unicamente sentiu a Deus, e não a si mesma.
Jesus Cristo é o mediador e autor de sua própria humanidade mais sagrada e divina, seu próprio corpo e alma, e todas as graças de seu corpo e alma. Ele mesmo é por si mesmo; e pode fazer, com o Pai e o Espírito Santo, de Maria instrumento da Santíssima Trindade para todos. Como não poderia ser medianeira, advogada e corredentora? O que o Filho realizou, Ela com Ele o realiza, não por Ela, mas por Ele. Porque assim o quis a Divina Trindade. Em Maria opera apenas a vontade divina. Maria é a consciência que Deus tem d’Ela.
Maria unida à Obra redentora de seu Filho foi associada a ela, como o Pai e o Espírito Santo. À ação trinitária da Redenção Maria foi unida como Corredentora. Ao pé da Santa Cruz, enquanto seu Filho culminava a Redenção, Ela se unia a ela na plenitude divina, não porque Ela quisera por si mesma, mas porque o decretou a Santíssima Trindade. Nada é por Ela mesma, somente por Deus.
Onde está Deus está Maria. Onde está Maria está Deus. Onde está Jesus Cristo está Maria. Onde está Maria está Jesus Cristo. Onde está o Espírito Santo está Maria. Onde está Maria está o Espírito Santo.
Onde não está Maria, não está nem o Pai, nem o Filho e nem o Espírito Santo. Onde não está Maria não está Deus. Quem não tem Maria por Mãe não tem Deus por Pai.
Quem não conhece Maria não conhece o único Deus, Uno e Trino.
Maria é a Medianeira de todas as graças, a própria Mediação, Advogada e Corredentora da humanidade; não por Ela mesma, mas pela mesmíssima Trindade divina.
Ave Maria Puríssima.
Pe. Juan Manuel Rodriguez de la Rosa

Nenhum comentário:

Postar um comentário