quinta-feira, 4 de maio de 2017

ALMA DO PAI ETERNO


Um dos mais belos ensinamentos que nos trouxe Jesus Cristo a esta terra, foi o da paternidade divina a nosso respeito. Para os antigos, Deus era soberano, era juiz. O Divino Mestre no-Lo mostrou como nosso Pai. E ninguém, melhor do que Maria, compreendeu esta sublime doutrina, ninguém melhor do que ela penetrou no sentido profundíssimo desta paternidade.
Eis por que exclamamos: alma do Pai Eterno! Pois ela soube, melhor do que ninguém, dar a Deus este nome terníssimo de Pai. E como filha amantíssima, ela viveu durante a vida inteira. Filha que serve, filha que obedece, filha que ama.
Nós podemos imaginar, de algum modo, que sentimentos de respeito, de adoração, de amor teria a Virgem Beatíssima para com Aquele que era seu Pai e Pai de quem, por um mistério insondável, seria Filho seu. E com que extremos de amor amava o Pai Eterno aquela que seria Mãe de seu Unigênito. Com que liberalidade lhe ornava a alma! Foi neste amor recíproco e forte de Pai e de filha que se desenvolveu e cresceu a alma gloriosa de Maria. Daí a sua obediência filial desde a sua conceição prodigiosa até à sua morte bem-aventurada, obediência que, pela sua perfeição, se transformava continuamente em oblação e amor.
“À voz paterna de Deus — escreve Santo Afonso de Ligório — a alma da Virgem se liquefazia; e semelhante a um metal derretido, estava sempre disposta a tomar todas as formas que Ele lhe quisesse dar”. E como filha que, conhecendo o amor de seu pai, confia nele cegamente, assim Maria confiava cegamente na Providencia divina. Descansava nos braços de seu Pai, quer no recolhimento do templo, quer aceitando a maternidade, quer fugindo para o Egito, quer acompanhando o Filho ao Calvário. Em todas as circunstâncias, nos dias alegres e nos dias tristes, era a Filha amorosa e confiante, que se deixa guiar pela mão paterna de Deus. São Francisco de Sales conta que, andando ele, certo dia, por uma estrada, saiu-lhe ao encontro uma velhinha que em lágrimas lhe dizia: sr. Bispo, ensinai-me a rezar!
— Como, filha?! És tão velha já e não sabes rezar ainda?!
— É que, sr. Bispo, quando começo a rezar o Padre Nosso e me lembro de que Deus é meu Pai, Pai de uma criaturinha tão miserável como eu sou, ah! sr. Bispo, não sei, princípio a chorar e não posso ir adiante, e fico sempre com a oração por terminar.. .
Mas si esta velhinha assim falava, que diria a Virgem Santa ao lembrar-se da paternidade divina. Mistérios, que só a vida futura no-los revelará...
Nós somos também filhos de Deus. Deus é nosso bom Pai! Mas quão pouco nos lembramos desta verdade! Eis por que é tão fria e tão convencional a nossa devoção. Se nos lembrássemos sempre de que temos um Pai no céu que vela sobre nós e que só deseja o nosso bem porque muito nos ama, que confiança e paz nasceriam em nossas almas! Como viveríamos felizes sob sua mão paterna e como se transformaria a nossa vida de oração...  que obediência filial, que prontidão, que amor! Então diríamos com o P. Faber: “se trabalho ou sofro é debaixo das vistas do bom Pai do céu que me encoraja e conforta; se me divirto, o seu paternal sorriso incita a minha alegria”.
Na linda capela das Irmãs da Divina Providência, em Florianópolis, está gravada, em grandes letras, uma frase consoladora: “A tua Providência, ó Pai, governa todas as coisas!” — Feliz de quem lê esta mesma frase, com sentimento filial, em todos os acontecimentos da vida, pois ela está gravada, também, no grandioso templo deste mundo...
MARIA SSma., fazei que, cada vez mais, compreendamos que Deus é nosso bom Pai e que, cada vez mais, vivamos segundo esta verdade suavíssima. Assim seja!
__________
Do Livro: A Alma Gloriosa de Maria - Frei Henrique G. Trindade, O.F.M. - 1937 - segunda edição


Fonte:
http://paramaiorgloriadedeus.blogspot.com.br

Nenhum comentário:

Postar um comentário