quarta-feira, 21 de junho de 2017

[Sermão] O culto excelente ao Sagrado Coração de Jesus

A devoção ao Sagrado Coração de Jesus, bem compreendida e bem praticada, é arma necessária para os nossos tempos, caros católicos





Em nome do Pai, e do Filho, e do Espírito Santo. Amém.
Ave Maria…
Aviso para as famílias sobre a Entronização do Sagrado Coração de Jesus nos lares:
Palavras do Santo Padre, o Papa Pio XII: “Não há dúvida de que, se queremos encontrar uma solução durável para a crise atual, será preciso reconstruir a sociedade sobre fundamentos menos frágeis, quer dizer, será preciso reconstruir a sociedade sobre fundamentos mais conformes à fonte primeira de toda civilização, que é a moral de Cristo. É igualmente certo que para fazer isso será preciso, antes de tudo, recristianizar as famílias. Aqueles que querem expulsar Deus da sociedade e jogá-la na desordem se esforçam de tirar da família o respeito devido às leis de Deus, exaltando o divórcio e a união livre, colocando diversos entraves à tarefa providencial dos pais para com os filhos, inspirando aos esposos o medo das fadigas materiais e o medo das responsabilidades morais que advém de uma família numerosa. É contra tais perigos que nós recomendamos que consagrem a família de vocês ao Sagrado Coração de Jesus.”

Sermão
São João, no prólogo de se Evangelho, nos diz que no princípio era o Verbo, e o Verbo estava em Deus e que Deus era o Verbo. Nós poderíamos dizer igualmente que no princípio era a Caridade e que a Caridade estava em Deus e que Deus era a Caridade. De fato, em sua epístola, São João diz: Deus caritas est. Deus é caridade.
A caridade de Deus se exprime de modo perfeito no Sagrado Coração de Jesus. O Sagrado Coração de Jesus é o símbolo e a imagem da caridade de Nosso Senhor Jesus Cristo, homem e Deus. Como estamos iniciando o mês de junho, caros católicos, mês dedicado ao Sagrado Coração, convém tratar dele, isto é, do Sagrado Coração e da devoção a Ele.
Consideremos, primeiramente, a dupla caridade que se encontra no Sagrado Coração de Jesus. A caridade primeira e que domina o Sagrado Coração de Jesus é a caridade para com Deus, é o amor a Deus. Nem poderia ser diferente. A caridade tem uma ordem e ela começa por Deus. O Sagrado Coração de Jesus é, então, de uma caridade infinita para com Deus. Caridade que se manifesta claramente no Evangelho, quando Nosso Senhor diz que veio fazer unicamente a vontade do Pai e não a sua própria. Mesmo em sua agonia mortal no Jardim das Oliveiras, o Salvador deixa claro o amor que está presente em seu Sacratíssimo Coração: que se faça a vontade do Pai e não a sua própria.
A caridade perfeita no coração de Nosso Senhor Jesus Cristo se exprime precisamente na conformidade com a vontade de Deus. E mais do que em uma conformidade, podemos falar de verdadeira uniformidade. Amar a Deus é fazer a vontade dEle em todas as coisas, amar a Deus é fazer a nossa vontade conforme ou mesmo uniforme com a vontade de Deus. Assim era o Sagrado Coração de Jesus: perfeitamente uniforme com a vontade divina. No Sagrado Coração de Jesus, na sua inteligência, na sua vontade, em seus sentimentos, não havia nada, absolutamente nada, que destoasse, ainda que minimamente, da vontade perfeita de Deus. É esse amor a Deus, essa uniformidade plena com a vontade do Pai que faz do Coração de Jesus o abismo de todas as virtudes, como rezamos na sublime ladainha do Sagrado Coração de Jesus. A uniformidade com a vontade de Deus é a fonte de perfeição de todas as outras virtudes. Portanto, a primeira coisa que devemos considerar no Sagrado Coração de Jesus é a sua caridade para com Deus, a uniformidade com a vontade de Deus. Uniformidade que se mostra de modo ainda mais claro e perfeito nas tribulações, nas perseguições, nos sofrimentos, nas humilhações, nas calúnias. É na sua Paixão e morte sobre a cruz que a caridade de Cristo para com Deus se manifesta de modo absolutamente claro.
A outra caridade presente no Sagrado Coração de Jesus é a caridade para com os homens, é a caridade para conosco, pobres pecadores. O Sagrado Coração de Jesus é a imagem de todo o bem que Deus quer para nós, de todo o bem que já fez por nós e de todo o bem que continua a nos fazer. Esse amor do Sagrado Coração de Jesus pelos homens decorre de seu amor a Deus. Ele nos ama porque ama a Deus. Ele nos ama buscando o nosso bem supremo, que é a nossa salvação. Devemos parar, caros católicos, e pensar realmente em tudo aquilo que Deus fez por nós: primeiramente, a criação. Ele poderia simplesmente não ter criado nada. Mas criou. Criou Adão e Eva, nossos primeiros pais. Tendo eles se revoltado contra Deus com o pecado original, prometeu-lhes o Salvador. Governou toda a história antiga da humanidade preparando os homens para a vinda do Salvador, em particular formando para si um povo, o povo judeu, e mantendo nesse povo a verdadeira fé, a verdadeira doutrina sobre Deus, apesar das muitas infidelidades do povo eleito. Eis que o Verbo vem, então, ao mundo, faz-se homem. Nasce em Belém, de uma jovem virgem. Vem ao mundo para sofrer, para nos ensinar a verdade, para morrer por nós e nos salvar. Funda a Igreja Católica, institui os sacramentos, em particular a eucaristia e a confissão, institui a Santa Missa. Quantos tesouros NSJC nos dá! Seu Coração se inclina somente a isso: à glória de Deus e à nossa salvação. Devemos parar e pensar também em nossas vidas e ver todo o bem que Deus nos fez e continua a fazer. Mas é preciso ver esse bem não somente nas facilidades, nas alegrias e na prosperidade. É preciso ver o bem que Deus nos faz e quer nos fazer também nas tribulações, nos sofrimentos, nas injustiças que padecemos. Enfim, é preciso ver também o amor do Sagrado Coração de Jesus nas cruzes. Devemos ver o amor do Sagrado Coração de Jesus na cruz que Ele, na sua sabedoria e bondade, esculpiu para que nós carregássemos. Devemos, então, ver o amor de Deus também nas cruzes, caros católicos, em que Ele deseja tão ardentemente que nos unamos aos seus sofrimentos, que completemos em nós a sua paixão, que expiemos os nossos pecados, que avancemos no amor a Ele e em todas as virtudes.
O Sagrado Coração deve ser por nós profundamente venerado. Devemos procurar imitar o Sagrado Coração de Jesus no seu amor para com Deus. Devemos buscar a uniformidade com a vontade de Deus em todas as coisas. Principalmente, nas cruzes, que são um tesouro de santidade e de virtudes. Devemos buscar imitar o Sagrado Coração em seu amor pelos homens. Devemos desejar ardentemente a salvação do nosso próximo e agir para isso. Devemos considerar o amor infinito do Sagrado Coração de Jesus para conosco a fim de responder com amor completo. Devemos considerar o amor do Sagrado Coração de Jesus para conosco e nos decidir a amá-lo inteiramente, de uma vez por todas, com decisão firmíssima, abandonando os nossos pecados mortais, combatendo vigorosamente também os veniais, corrigindo as nossas imperfeições, deixando de lado a tibieza, a mornidão digna de ser vomitada por Deus, a preguiça. Devemos deixar o espírito mundano, amaldiçoado por Nosso Senhor Jesus Cristo. Devemos nos decidir a fazer a vontade de Deus em todas as coisas com constância, com generosidade, sem respeitos humanos. Devemos fazer do nosso coração um espelho do Sagrado Coração de Jesus, repleto do amor a Deus, do amor pelo próximo e repleto de todas as virtudes. Devemos fazer do nosso coração o espelho do Sagrado Coração de Jesus, incendiado pelo fogo do amor divino, incendiado pelo fogo do amor à verdade, incendiado pelo fogo do amor ao bem.
Ao Sacratíssimo Coração de Jesus, caros católicos, devemos o culto de latria, quer dizer, de adoração. Devemos esse culto de adoração em virtude da união substancial que existe entre a humanidade de Cristo e o Verbo. O Coração de Jesus está unido substancialmente ao Verbo de Deus, como tão bem rezamos na Ladainha do Sagrado Coração de Jesus. Devemos adorar o Sagrado Coração de Jesus também por ser símbolo tão perfeito da caridade, para com Deus e para com os homens. O culto tributado ao Sagrado Coração de Jesus é o culto tributado ao amor divino e humano do Verbo Encarnado.
Devemos ter em alta conta, caros católicos, a devoção ao Sagrado Coração de Jesus. Essa devoção é muitas vezes despojada de sua mais profunda eficácia porque se torna uma devoção muito sentimental ou muito naturalista. Ao contrário, a devoção ao Sagrado Coração de Jesus não deve ser uma devoção meramente afetiva. Deve ser uma devoção efetiva, que nos leve a amar a Deus com toda a nossa mente, com todas as nossas forças, com todo o nosso ser. Reconhecer o amor divino e humano de Jesus Cristo por nós, cultuar esse amor de Jesus Cristo por nós é elemento básico e essencial de nossa santa religião. Sem isso, não pode haver cristianismo. Esse reconhecimento do amor do Verbo Encarnado por nós e esse culto do amor de Jesus Cristo por nós se faz de modo perfeito com o culto ao Sagrado Coração de Jesus. Recomendo a todos uma verdadeira e profunda devoção ao Sagrado Coração de Jesus. Recomendo a devoção ao Sagrado Coração de Jesus aos homens, em particular, que às vezes tendem a achar que a devoção ao Sagrado Coração é para as mulheres e para os fracos. Espelhar o Coração de Jesus em nosso próprio coração exige grande força, grande virilidade. Colocar em nosso coração a uniformidade com a vontade de Deus, o amor pelos sofrimentos e contrariedade, colocar em nosso coração todas as virtudes, entre elas a mansidão e a humildade, exige, ao contrário, uma grande força, uma grande virilidade. A devoção ao Sagrado Coração de Jesus é a devoção daqueles violentos que querem arrebatar o reino dos céus pela força, pela força da caridade ardente, pela força de todas as virtudes.
A devoção ao Sagrado Coração de Jesus, bem compreendida e bem praticada, é arma necessária para os nossos tempos, caros católicos. É o que dizia e repetia com frequência o Papa Pio XII. Em sua excelente Encíclica sobre o Sagrado Coração,Haurietis Aquas, ele diz: “À vista de tantos males que, hoje como nunca, transtornam profundamente os indivíduos, as famílias, as nações e o mundo inteiro, onde acharmos, veneráveis irmãos, um remédio eficaz? Poderemos encontrar alguma devoção que seja melhor que o culto augustíssimo do Coração de Jesus, podemos encontrar uma devoção que corresponda melhor à índole própria da fé católica, uma devoção que com mais eficácia satisfaça as necessidades atuais da Igreja e do gênero humano? Que devoção mais nobre, mais suave e mais salutar do que este culto que se dirige todo à própria caridade de Deus? Por último, que pode haver de mais eficaz do que a caridade de Cristo – que a devoção ao Sagrado Coração promove e fomenta cada dia mais – para estimular os cristãos a praticarem em sua vida a lei evangélica, sem a qual não é possível haver entre os homens paz verdadeira?” E diz também o Papa: “desejando ardentemente opor segura barreira às ímpias maquinações dos inimigos de Deus e da Igreja, como também fazer as famílias e as nações voltarem ao amor de Deus e do próximo, não duvidamos em propor a devoção ao Sagrado Coração de Jesus como escola eficacíssima de caridade divina; dessa caridade divina sobre a qual se há de construir o reino de Deus nas almas dos indivíduos, na sociedade doméstica e nas nações.”
A fim de que a devoção ao coração de Jesus possa dar frutos mais abundantes para o indivíduo, para a família e mesmo para toda a humanidade, é preciso unir a ela a devoção ao Coração Imaculado da Mãe de Deus, pois foi vontade de Deus que, na obra da redenção humana, a santíssima virgem Maria estivesse inseparavelmente unida a Jesus Cristo. E no Imaculado Coração de Maria temos o espelho perfeito do Sagrado Coração de Jesus. E, por isso, caros católicos, temos no altar o Sagrado Coração de Jesus e o Coração de Maria unidos. Por isso, sobre o altar, temos a imagem do Sagrado Coração de Jesus, no lado do Evangelho, com uma mão apontando o seu Sagrado Coração, para que consideremos a sua infinita caridade, e, com a outra mão estendida, chamando-nos a imitar o seu Sagrado Coração.
Em nome do Pai, e do Filho, e do Espírito Santo. Amém.

Nenhum comentário:

Postar um comentário