sábado, 26 de maio de 2018

“Doce coração de Maria, sede a nossa salvação.” Entenda a força dessa jaculatória!


Sempre me encheu de suave emoção e terna piedade esta popularíssima invocação, que tão repetidamente ouvimos ressoar, tanto nas catedrais, como nas modestas capelinhas das estradas:

“Doce Coração de Maria, sede a nossa Salvação!”

N
esta vida tão fugaz, tão cheia de ilusões e desenganos, de amarguras e reveses, de flores de alegrias e venturas que, passando, deixam apenas duros espinhos;
Nesta vida tão triste, no exílio deste mundo – o coração de nossa Mãe do Céu é, ao mesmo tempo, nosso refúgio, nossa consolação e nossa alegria.
“Doce Coração de Maria, sede a nossa Salvação!”
Maria nos salvará.

“O servo de Maria – disse São Bernardo – não pode perecer”

Invoquemos sempre a nossa Mãe do Céu. Não deixemos passar um só dia de nossa vida sem um obséquio, uma prática de piedade, ainda que uma simples “Ave-Maria”, em louvor à nossa Mãe do Céu. Tudo será, um dia, recompensado.
Um piedoso exemplo:

Uma tarde, “Mons. Dupanloup”, o ilustre e santo bispo de Orleans, foi chamado para ministrar os últimos sacramentos a uma pobre tuberculosa.
Ao vê-la martirizada de dores, num leito de miséria, conrrangeu-se-lhe o coração, do qual brotaram estas confortadoras palavras:
“Tenha coragem, minha filha, coragem e confiança em Nossa Senhora! Ela não a abandonará!…
Em resposta, disse-lhe, sorrindo, a moribunda, com uma expressão de doçura,calma e suave resignação:
‘Ah! Meu prelado, estou conformada. Não tenho medo da morte.
Há vinte e dois anos que recito o meu terço repetindo tantas vezes esta súplica:
SANTA MARIA, MÃE DE DEUS, ROGAI POR NÓS PECADORES, AGORA E NA HORA DE NOSSA MORTE!
Como posso, pois, duvidar de que me não ajude agora a Santíssima Virgem? Hei de morrer com Maria e Ela me há de levar ao Céu’”.

Ó doce esperança! Seja-nos permitida a felicidade de assim nos acharmos em nossa hora extrema!

DOCE CORAÇÃO DE MARIA, SEDE A NOSSA SALVAÇÃO!
.
Fonte: Brandão, Ascânio. Breviário da Confiança: Pensamentos para cada dia do ano. Oficinas Gráficas “Ave-Maria”, 1936, p. 151.

Nenhum comentário:

Postar um comentário