terça-feira, 25 de junho de 2019

Santa Teresinha do Menino Jesus nos fala do amor aos inimigos




"Claro que no Carmelo não se encontram inimigos, mas, enfim, há simpatias e antipatias..."

«Ouvistes o que foi dito: Amarás o teu próximo e odiarás o teu inimigo. Eu, porém, digo-vos: Amai os vossos inimigos e orai pelos que vos perseguem» (Mt 5,43-44)
Claro que no Carmelo não se encontram inimigos, mas, enfim, há simpatias; sentimos mais afinidade por essa irmã, enquanto aquela nos levaria até a fazer um desvio para não encontrá-la. Assim, sem mesmo o saber, ela torna-se objecto de perseguição.
Pois bem: Jesus me diz que é preciso amar aquela irmã, rezar por ela, mesmo que a sua conduta me leve a crer que ela não gosta de mim: «Se amais os que vos amam, que merecimento tereis? Os pecadores também amam aqueles que os amam».
E não basta amar: é preciso demonstrá-lo. Ficamos naturalmente felizes por dar um presente a um amigo, gostamos muito de fazer surpresas, mas a caridade não é isso, pois os pecadores também o fazem.
Eis que Jesus continua a me ensinar: «Dá a todo aquele que te pede, e, a quem se apoderar do que é teu, não lho reclames». Dar a todas as que pedem é menos doce que oferecer-se a si mesma num movimento amoroso. Se é difícil dar a quem nos pede, ainda o é mais deixar alguém apoderar-se do que é nosso sem o reclamar.
Oh, minha Mãe, digo que é difícil, mas deveria antes dizer que parece ser difícil, pois o jugo do Senhor é leve e suave (Mt 11,30). Quando o aceitamos, sentimos logo a sua doçura e clamamos como o salmista: «Correrei pelo caminho dos Teus mandamentos, porque deste largas ao meu coração» (Sl 118,32).
Não há como a caridade para dilatar o meu coração, ó Jesus! Desde que essa doce chama o consome, corro com alegria no caminho do Vosso mandamento novo (Jo 13,34).
__________
Santa Teresinha do Menino Jesus, em Manuscrito Autobiográfico C, 15v°-16r°

domingo, 23 de junho de 2019

Os caminhos para encontrar a paz interior, segundo São Romualdo




O monge deixou uma regra que pode nos inspirar no desafio de abrirmos nossas almas diante de Deus

O italiano São Romualdo viveu no século X e é um dos grandes representantes do ascetismo da vida eremítica. 
Depois de levar uma vida de pecado, Romualdo tornou-se monge, mas não estava satisfeito com os rigores da comunidade onde vivia. Então, ele entrou para um mosteiro beneditino. Depois viajou pela Itália, reformando mosteiros e ermidas. Finalmente se estabeleceu e fundou a Ordem Camaldulense, marcada pelo silêncio, pelo trabalho e pela penitência.
Romualdo deixou uma Regra que é simples, mas profunda. Ela pode nos ajudar em nossa vida de oração e nos levar à paz interior. Confira: 
  1. Sente-se na sua cela [quarto ou casa] como se estivesse no paraíso;
  2. descarte toda lembrança do mundo atrás de você;
  3. vigie seus pensamentos como um bom pescador fisga o peixe;
  4. nos Salmos há um caminho – não o abandone (…). Ore um pouco aqui e um pouco ali, estudando cada um com toda a sua mente e espírito, e quando sua mente vagar durante a leitura – não desista, corra para concentrar-se;
  5. coloque-se na presença de Deus com medo e temor, como se estivesse diante do imperador.
  6. esvazie-se completamente e sente-se esperando, contente-se com a graça de Deus, como a garota que nada sabe e não come nada além do que sua mãe lhe traz.

sábado, 22 de junho de 2019

O santo que ajudava casais briguentos com água benta e um conselho





Nascido em 1350 em Valência, na Espanha, São Vicente Ferrerentrou na Ordem dos Pregadores (dominicanos) e se destacou no ensino de teologia e filosofia, promovendo com grande esmero a unidade da Igreja diante da dilaceração provocada pelo Cisma do Ocidente.
Como ele visitava muitos lugares para pregar e com isto impulsionava muitas conversões, costumava dar às esposas que discutiam muito com os maridos um pequeno frasco de água benta, juntamente com o seguinte conselho:
“Minha senhora, quando seu esposo chegar do trabalho, encha a boca de água e permaneça assim o maior número de minutos que puder”.
A ideia era prática: já que era muito frequente que muitos maridos chegassem nervosos, de cabeça quente, cansados e sem a menor sensibilidade para escutar, a proposta da “água de Frei Vicente”, naquele contexto cultural, era fomentar a atitude de não provocar a explosão. Haveria momentos mais oportunos para conversar, desabafar, propor mudanças de comportamento. Afinal, o que produz conflito não é o que se ouve da pessoa que está tensa, mas como se responde a ela no momento de tensão.
São Vicente Ferrer partiu desta vida em 1419, no dia 5 de abril, data em que é celebrada a sua festa litúrgica. Foi canonizado em 1455 pelo Papa Calisto III.
“Se desejas ser útil à alma do próximo, começa por recorrer a Deus de todo o coração, pedindo-Lhe, com simplicidade, que Se digne infundir em ti a caridade” (São Vicente Ferrer, 1350-1419).

sexta-feira, 21 de junho de 2019

Aproxime-se de Jesus com esta consagração diária à sua Mãe Santíssima



Comece o seu dia com esta oração da manhã para a Virgem Maria


Aproxime-se de Jesus com esta consagração diária à sua Mãe Santíssima

São Maximiliano Kolbe disse certa vez: “Nunca tenha medo de amar muito a Santíssima Virgem. Você nunca pode amá-la mais do que Jesus o fez”.
Uma forma de expressar esse amor e veneração pela Virgem Maria é consagrar o dia em sua honra, oferecendo-o para que ela possa entregá-lo a seu Filho Jesus. Ao fazer isso, você se aproximará de Jesus, através da devoção à sua Mãe Santíssima.
Abaixo está uma bela oração que reconhece a Virgem Maria como sua mãe e rainha, confiando a ela tudo o que acontece durante todo o dia, para que ela possa entregá-lo em uma oração aceitável diante do trono do céu.
Minha Rainha, Minha Mãe, eu me ofereço
inteiramente Ti.
E para demonstrar-Te a minha devoção,
Eu Te ofereço este dia, meus olhos,
meus ouvidos, minha boca, meu coração,
todo o meu ser, sem reservas.
Portanto, Boa Mãe, como Teu eu sou,
guarda-me e proteja-me como propriedade Tua.
Amém.

quinta-feira, 20 de junho de 2019

6 excelentes (e simples) conselhos espirituais do Padre Pio para cuidar da alma






Dicas breves, práticas e saudáveis, como “pílulas de fé” de um dos maiores santos do século XX

São Pio de Pieltrecina legou ao mundo um testamento maravilhoso: o seu Epistolário, uma grande coleção de cartas escritas entre 1902 e 1968, dividido em 4 volumes: as Obras Escolares, as Cartas aos Pais Espirituais (ou Diretores Espirituais), as Cartas aos Filhos Espirituais e as Cartas à Família.
É dessa vasta obra que vêm as “pílulas de fé” compartilhadas a seguir:

1 – União constante a Deus e paciência nas adversidades

Mantenha-se firme e constantemente unido a Deus, consagrando a Ele todos os seus afetos, todos os seus problemas, todo o seu ser, esperando pacientemente a volta do belo sol, enquanto aprouver ao Esposo da alma visitar você com a provação da aridez e da escuridão de espírito (Epist. III, pág. 670).

2 – Oração para fortalecer a vontade

A sua vontade, com a ajuda divina, será sempre superior, e o divino Amor nunca faltará ao seu espírito se você não descuidar a oração (Epist. III, pág. 80).

3 – Diligência e bom uso do tempo

Quem tem tempo não espere o tempo. Não deixe para amanhã o que você pode fazer hoje. Do bem são transbordantes os poços… E quem garante que amanhã estaremos vivos? Escutemos a voz da nossa consciência. Se você escuta hoje a voz do Senhor, não feche os seus ouvidos (TN, in Epist. IV, pág. 877s).

4- Não desistir de fazer o bem

Suplico a você, pela mansidão de Jesus e pelo âmago misericordioso do Pai celestial: nunca esfrie no caminho do bem. Corra sempre e nunca pare, sabendo que, neste caminho, ficar imóvel equivale a retroceder nos próprios passos (Epist. II, pág. 259).

5 – Recolhimento e bom exame de consciência antes de dormir

Nunca se deite sem antes ter examinado na sua consciência como você passou a jornada, nem sem antes ter dirigido todos os seus pensamentos a Deus, com o oferecimento e a consagração da sua pessoa e de todos os cristãos. Além disso, ofereça à glória da Divina Majestade o descanso que você está prestes a ter e nunca se esqueça de que o seu anjo da guarda está com você (Epist. II, pág. 277).

6 – Guardar somente o necessário para o bem

Sejam como pequenas abelhas espirituais, que não guardam nas suas colmeias mais do que mel e cera. A sua casa tem que estar cheia de doçura, de paz, de harmonia, de humildade e de piedade nas suas conversas (Epist. III, pág. 563).

domingo, 16 de junho de 2019

São Tomás de Aquino: O modo de estudar



O modo de estudar


“Já que me pediste, frei João ‒ irmão, para mim, caríssimo em Cristo ‒, que te indicasse o modo como se deve proceder para ir adquirindo o tesouro do conhecimento, devo dar-te a seguinte indicação: deves optar pelos riachos e não por entrar imediatamente no mar, pois o difícil deve ser atingido a partir do fácil. E, assim, eis o que te aconselho sobre como deve ser tua vida:

1. Exorto-te a ser tardo para falar e lento para ir ao locutório.

2. Abraça a pureza de consciência.

3. Não deixes de aplicar-te à oração.

4. Ama frequentar tua cela, se queres ser conduzido à adega do vinho da sabedoria.

5. Mostra-te amável com todos, ou, pelo menos, esforça-te nesse sentido; mas, com ninguém permitas excesso de familiaridades, pois a excessiva familiaridade produz o desprezo e suscita ocasiões de atraso no estudo.

6. Não te metas em questões e ditos mundanos.

7. Evita, sobretudo, a dispersão intelectual.

“8. Não descuides do seguimento do exemplo dos homens santos e honrados.

9. Não atentes a quem disse, mas ao que é dito com razão e isto, confia-o à memória.

10. Faz por entender o que lês e por certificar-te do que for duvidoso.

11. Esforça-te por abastecer o depósito de tua mente, como quem anseia por encher o máximo possível um cântaro.

12. Não busques o que está acima de teu alcance.

13. Segue as pegadas daquele santo Domingos que, enquanto teve vida, produziu folhas, flores e frutos na vinha do Senhor dos exércitos.

Se seguires estes conselhos, poderás atingir o que queres.”

Santo Tomás de Aquino

terça-feira, 4 de junho de 2019

Que seria de mim, meu DEUS...


"Que seria de mim, meu DEUS, se houvesse de morrer esta noite e comparecer em Vosso tribunal para dar-Vos contas! Estou eu em graça ou pecado mortal? Fiz boas confissões ou más? em que estado me acho? Tenho ódio a alguém ou retenho o alheio? Tenho o vício de jurar, de murmurar, de trabalhar nos dias santos ou de fazer ações imodestas? Cumpro os meus deveres, e emprego o tempo santamente? Que resposta dou a estas perguntas? AI DE MIM! Que rigoroso é o juízo em que devo ser apresentado, e quanto devo temer se não me arrepender e não me emendar agora que tenho tempo."

S. Antônio M. Claret



In, "O CAMINHO RETO" - pág. 45.