segunda-feira, 25 de maio de 2020

Catecismo Ilustrado - Parte 66 - As Virtudes Cardeais



Catecismo Ilustrado - Parte 66

As Virtudes

As Virtudes Cardeais

1. As virtudes morais são aquelas que tendem diretamente a regular os nossos costumes.

2. Há muitas virtudes morais; as principais são: Prudência, Justiça, Fortaleza e Temperança.

3. Chamam-se virtudes cardeais porque são a fonte e a base de todas as outras virtudes morais.

Prudência

4. A prudência é uma virtude que nos torna atentos e acautelados para, nas diferentes circunstâncias da vida, sabermos discernir o que nos convém praticar ou omitir.

A Justiça

5. A justiça é uma virtude que nos leva a dar a cada um o que lhe pertence. Serve também para regular os nossos pensamentos e sentimentos para com os outros, torna-nos humildes e desconfiados para conosco.

A Fortaleza

6. A fortaleza é a virtude que nos dá ânimo para cumprir os deveres de cristãos.

A Temperança

7. A temperança é uma virtude que põe freio aos desejos desordenados e nos leva a usar com moderação dos bens temporais.

Explicação da gravura

8. A prudência está representada na parte superior da gravura, à esquerda, pelo Juízo de Salomão. “Um dia apresentaram-se diante de Salomão duas mulheres pedindo-lhe que decidisse uma contenda. Disse uma: “Esta mulher e eu moramos sós na mesma casa e cada uma de nós tinha um menino. Uma noite morreu o filho desta mulher. Enquanto eu dormia, veio ela, torou o meu filho, e pôs no lugar dele o seu filho morto. Quando me levantei, dei com o menino morto, mas reparando bem vi que não era o meu”. Interrompeu-a a outra mulher dizendo: “Não é assim como tu dizes. O teu filho é que morreu, o meu está vivo”. E assim se disputavam perante o Rei. Então disse Salomão: “Trazei uma espada, e parti o menino vivo ao meio, e dai metade a uma mulher, metade a outra”. A verdadeira mãe  do menino, ouvindo estas palavras, ficou trespassada de susto, e toda cheia de angústia e amor maternal, disse a Salomão: “Ah! Senhor, por quem sois, dai-lho a ela vivo, e não o mateis”. Ao contrário, dizia a outra: “Não seja nem para mim, nem para ti, parta-se ao meio”. Salomão pronunciou então a sentença: “Não se parta o menino, mas dê-se inteiro e vivo àquela, porque essa é a sua mãe”.” (3 Rei III, 18-28)

9. A gravura, na parte superior, à direita, representa Nosso Senhor ensinando a justiça aos fariseus e aos herodianos. Tendo-lhe estes perguntado se era lícito ou não dar tributo a César, disse-lhes Jesus: “Mostrai-me a moeda do tributo. De quem é esta imagem e esta inscrição?” Disseram eles: “De César”. Então Jesus disse-lhes: “Dai pois a César o que é de César, e a Deus o que é de Deus”.” (Lucas 20, 22)

10. Na parte inferior esquerda, a gravura, como exemplo de fortaleza, representa a história de Judite. Vendo esta santa mulher que a cidade de Betúlia, onde vivia, estava para cair nas mãos do general assírio Holofernes, resolveu salvar a pátria ou morrer. Ornada de suas mais custosas galas, foi ao arraial dos assírios. Holofernes recebeu-a com todo o agrado, deu em honra dela um grande banquete, e tendo bebido em demasia adormeceu profundamente. Então Judite, tomando a própria espada do general, cortou-lhe a cabeça. (Judite XIII, 1-10)

11. A gravura representa na parte inferior direita o Rei David, dando um grande exemplo de temperança. Um dia que guerreava David contra os filisteus que ocupavam Belém, levado pela sede, exclamou: “Quem me dera um pouco de água da cisterna que está ao pé da porta de Belém!” Imediatamente três valentes atravessaram o acampamento dos filisteus e trouxeram a David água da cisterna. Mas este não quis bebê-la e ofereceu-a ao Senhor, dizendo: “Deus me livre de beber o sangue daqueles valentes que assim expuseram a vida!”

Um comentário: