terça-feira, 22 de novembro de 2011

Décima-Segunda Rosa - O PAI Nosso



O PAI Nosso

                O PAI Nosso ou a oração do SENHOR possui grande valor acima de tudo por causa de sua Autoria que não é nem humana nem angélica, mas do Reis dos Anjos e dos homens, Nosso Senhor e Salvador JESUS CRISTO. São Cipriano disse que parecia certo que Nosso SENHOR, por quem nascemos para a vida da graça, veio para ser o nosso Mestre celestial e os ensinar a orar.

                A bela ordem, a força e a clareza desta oração divina manifestam a sabedoria de nosso Mestre divino. É uma oração curta, porém é capaz de nos ensinar muitíssimo e é adequada até mesmo às pessoas analfabetas. Os estudiosos a vêem como uma fonte contínua de meditação nos mistérios de nossa Fé.

                O PAI Nosso contém os deveres que temos para com DEUS, os atos de todas as virtudes e as petições por todas as nossas necessidades espirituais e corporais. Tertuliano disse que o PAI Nosso é o sumário do Novo Testamento. Tomás de Kempis diz que ele supera os desejos de todos os santos; que se trata de uma condensação de todos os belos dizeres dos Salmos e Cânticos; que nele nós pedimos a DEUS por tudo que precisamos; que por ele nós O louvamos da melhor maneira; que por ele nós o elevamos nossas almas da Terra aos Céus e nos unimos com DEUS.

                São João Crisóstomo diz que não podemos ser discípulos de nosso Mestre a não ser que oremos com Ele o fez e da mesma forma que Ele nos ensinou, Ainda mais DEUS PAI ouve mais disposto a Oração que aprendemos de Seu FILHO do que àquelas que fazemos através de todas as nossas limitações humanas.
                Deveríamos dizer o PAI Nosso com a certeza que o PAI Eterno o ouvirá porque é a oração de Seu FILHO a quem Ele sempre ouve e nós somos Seus membros. DEUS certamente irá nos garantir nossas petições feitas através da Oração do SENHOR, porque é impossível imaginar que um PAI tão bondoso recusaria um pedido fundado na linguagem de um FILHO tão digno, reforçado por Seus méritos, e feito por Seu intermédio.

                Santo Agostinho diz que sempre que rezamos o PAI Nosso devotamente, nossos pecados veniais são perdoados. O justo cai sete vezes por dia, mas na Oração do SENHOR ele encontrará sete petições que o ajudarão a evitar a cair e o protegerá de seus inimigos espirituais. Nosso SENHOR, sabendo o quanto somos fracos e miseráveis, e em quantas dificuldades nos encontramos, fez sua Oração curta e fácil de se rezar, para que nós a rezemos devotamente e frequentemente. Podemos ter certeza de que DEUS Todo-Poderoso rapidamente virá em nosso auxílio.

                Tenho uma palavra para vocês, almas devotas que prestam pouca atenção a oração que o próprio FILHO de DEUS nos deu e pediu que todo nós a orássemos: Está na hora de mudar seu jeito de pensar. Você só gosta de orações que os homens escrevem, como se alguém, mesmo o mais inspirado homem em todo o Mundo, pudesse possivelmente conhecer mais sobre como devemos orar que o próprio JESUS CRISTO! Você procura orações em livros escritos por outros homens como se você tivesse vergonha de rezar a oração que Nosso SENHOR nos ensinou.

                Você se convenceu que as orações contidas nestes livros são para estudiosos e para os ricos das classes altas e que o Rosário é apenas para mulheres, crianças e para as classes baixas. Como se as orações e louvores que você tem lido fossem mais bonitas e mais agradáveis a DEUS que aquelas que são encontradas na Oração do SENHOR! Trata-se de uma tentação muito perigosa perder o interesse pela oração que Nosso SENHOR nos deu e, ao invés, rezar as orações que os homens escreveram.

                Não que eu desaprove as orações que os santos escreveram a fim de encorajar o fiel a louvar a DEUS, mas não se deve dar preferencia a estas e menosprezar a Oração que foi pronunciada pela Sabedoria Encarnada. Se eles ignoram esta Oração é como se eles passassem por uma fonte de água cristalina, e só  fossem tomar dela rio abaixo, tendo recusado a água pura, beberam, pelo contrário, da água já contaminada. Porque o Rosário é composto da Oração do SENHOR e da Saudação Angélica, trata-se de água pura e que nunca cessa de jorrar, que origina da Fonte da Graça, enquanto as orações que eles procuram nos livros são nada mais que pequenos regos de água criados a partir desta fonte.

                As pessoas que rezam a Oração de Nosso SENHOR, cuidadosamente, pensando em cada palavra e meditando nele, podem se chamar bem-aventurados porque nesta oração eles encontraram tudo o que precisam ou podem vir a desejar.

                Quando rezamos esta maravilhosa Oração, nós tocamos no Coração de DEUS no Seu mais íntimo, pois O chamamos pelo doce nome de PAI, PAI Nosso. Ele é o mais querido dos pais: Todo-Poderoso em Sua criação, maravilhoso na forma que mantém o Mundo, completamente amável em Sua Divina Providencia, sempre bom e infinitamente mais na Redenção. Nós temos DEUS como PAI, logo somos todos irmãos e o Céu é o nosso lar e nossa herança. Isto deveria ser mais do que suficiente para nos ensinar a amar a DEUS e ao nosso próximo e a desapegar das coisas deste mundo.

                Assim devemos amar nosso PAI Celeste e devemos dizer-Lhe repetidamente:

            PAI Nosso que estais nos céus,
que preencheis os Céus e a Terra
com a imensidão do vosso Ser,
que estais presente em todo lugar,
Vós que estais nos santos por vossa glória,
no condenado por vossa justiça,
no bom por vossa graça,
e mesmo nos pecadores por vossa paciência,
com a qual vós os tolerais.
Faça com que Vos procuremos
que possamos nos lembrar
que nós viemos de Vós;
Faça com que vivamos
como vossos verdadeiros filhos devem viver.
Dá-nos a graça de que caminhemos para Vós,
e nunca desviemos.
Faça com que usemos nossa total força,
nossos corações, almas e ardor
em vossa direção.
E para VÓS SOMENTE.

Santificado seja o Vosso Nome:

O profeta e Rei Davi disse que o nome do SENHOR é santo e inspira temor reverencial. Isaías disse que os céus estão sempre a ecoar com louvores dos Serafins que incessantemente louvam a santidade do Senhor DEUS dos Exércitos.
Pedimos aqui que o Mundo todo aprenda a conhecer e adorar os atributos de nosso DEUS que é tão grande e santo. Nós pedimos que Ele possa ser conhecido, amado e adorados pelos pagãos, turcos, judeus, bárbaros e por todos os infiéis. Que todos os homens O possam servir e glorificá-lo por uma Fé viva, uma esperança firme, uma caridade ardente, através da renúncia a todas as crenças errôneas. Em poucas palavras, que todos os homens sejam santos com Ele mesmo o É.

Venha o Vosso Reino:

Reinai Vós em nossas almas,
por vossa graça,
para que após a morte possamos nos encontrar
Para reinar convosco em Vosso Reino
em perfeita e infinda felicidade,
Oh, SENHOR, nós firmemente cremos
Nesta felicidade por vir;
Nós cremos e o esperamos,
Porque DEUS PAI o prometeu
em Sua grande bondade;
para nós foi adquirido
pelos méritos de DEUS FILHO
e no amor de DEUS ESPÍRITO SANTO
que é a Luz
que fez isto ser conhecido por nós.

Seja feita a Vossa vontade, assim na Terra como no Céu:

Como Tertuliano diz, esta sentença não vem a dizer em momento algum que estamos com medo de que as pessoas não estejam cumprindo os desígnios de Deus, porque nada acontece sem que a Divina Providência tenha antes previsto e disposto, tudo conforme seus planos. Nenhum obstáculo em todo o Mundo pode impedir que a vontade de Deus se realize.

Ao contrário, quando dizemos Seja feita a Vossa vontade, estamos pedindo a DEUS que nos faça humildes e obedientes a tudo que Ele nos tenha ordenado nesta vida. Nós também Lhe pedimos que nos auxilie, em todas as coisas e em todo o tempo. Sua Santa Vontade, que nos foi ensinada dos mandamentos, deve ser feita com a mesma prontidão, amor e constância como as dos Santos e Anjos nos Céus.

O pão nosso de cada dia nos dai hoje:

Nosso SENHOR nos ensinou a pedir a DEUS tudo que precisamos, tanto na ordem espiritual como na temporal. Ao pedir pelo pão nosso, nós humildemente reconhecemos nossa pobreza e insuficiência e rendemos homenagem ao nosso Deus, sabendo que todos os bens temporais nos vem de Sua Providência Divina.

Ao dizermos pão, estamos pedindo somente aquilo que nos é necessário para viver; e, é claro, isto não inclui o supérfluo. 

Nós pedimos que o pão nosso de cada dia nos seja dado hoje, que quer dizer que nós estamos preocupados com o presente, deixando o futuro nas mãos da Providência.

E quando pedimos pelo pão nosso de cada dia, nós reconhecemos que precisamos da ajuda de DEUS diariamente e que por necessidade dependemos inteiramente dEle, de Sua ajuda e proteção.

Perdoai-nos as nossas dívidas assim como nós perdoamos os nossos devedores:

Cada pecado, diz Santo Agostinho e Tertuliano, é uma dívida que temos para com DEUS Todo-Poderoso e Sua justiça exige pagamento de tudo até a última parte. Infelizmente nós temos estas tristes dívidas. Não importando quantas são, devemos ir a DEUS em confissão e com verdadeiro pesar por nossos pecados, dizendo: “PAI Nosso que estais nos Céus, perdoai os nossos pecados de pensamento, de fala, de atos e omissões, que nos fazem infinitamente culpados aos olhos de Vossa Divina Justiça.

Nós ousamos pedir-Vos isto porque sois nosso amável e misericordioso PAI e porque nós esquecemos de perdoar aqueles que nos tem ofendido, desobedecendo-vos e faltando com caridade”.

Não nos deixeis cair em tentação:

Não permitais que nós, apesar de nossas infidelidades às Vossas graças, caiamos nas tentações do mundo, do diabo e da carne.

Mas livrai-nos do mal:

O mal do pecado é também uma punição temporal eterna que sabemos certamente a merecemos.

Amém (Assim o seja):

Esta palavra encontrada no fim do PAI Nosso é consoladora e São Jerônimo diz que é um tipo de selo de aprovação, uma assinatura, que DEUS põe no fim de nossos pedidos a fim de assegurar-nos que ELE irá garantir nossos pedidos, tal como se Ele mesmo estivesse respondendo: “Amém! Que seja como você o pede, pois você verdadeiramente obterá o que pede”. Isto é o que vem a ser a palavra AMÉM.


16º Capitulo - Extraído do Livro "O Segredo do Rosário" São Luiz M. Grignion de Montfort

Nenhum comentário:

Postar um comentário