segunda-feira, 5 de março de 2012

Vigésima-Segunda Rosa - Assemelhando-se a CRISTO





   Assemelhando-se a CRISTO

   A tarefa principal da alma cristã é caminhar em busca da perfeição. São Paulo nos diz: “Sede, pois, imitadores de DEUS, como filhos muito amados” (Ef 5,1). Esta obrigação está incluída no eterno decreto de nossa predestinação, como o único meio prescrito por DEUS para se obter a glória eterna.

   São Gregório de Nyssa faz uma alegre comparação quando diz que somos todos artistas e nossas almas são telas em branco que devemos aplicar o pincel. As cores que devemos usar são as virtudes cristãs, e nosso Modelo é JESUS CRISTO, a perfeita Imagem Viva de DEUS PAI. Como pintor de espécie, que quer fazer um bom trabalho, coloca-se a si mesmo em frente ao modelo e dá uma olhada para ele antes de dar cada pincelada; desta maneira os cristãos dever ter seus olhos sempre fitos em JESUS CRISTO a fim de conhecer Sua vida e imitar Suas virtudes e nunca dizer, pensar ou fazer a menor obra que não esteja de acordo com o perfeito modelo.

   Foi porque Nossa Senhora nos quis ajudar na grande tarefa de trabalharmos por nossa salvação que ela ordenou a São Domingos que ensinasse ao fiel a meditar nos mistérios sagrados da vida de JESUS CRISTO. Ela assim o fez, não só para que eles adorem e glorifiquem o SENHOR, mas principalmente para que imitem em suas vidas e ações e virtudes de JESUS.

   Assim como as crianças imitam seus pais, observando-os e falando-lhes, elas aprendem sua língua ouvindo-os falar. Um aprendiz aprende sua arte através da observação de seu mestre ao trabalhar; da mesma maneira os fiéis, membros da Confraria do Santo Rosário, podem se tornar como seu MESTRE divino se eles, reverentemente, estudarem e imitarem as virtudes de JESUS CRISTO, que são mostradas nos quinze mistérios de Sua vida. Eles podem consegui-las com o auxílio de Sua graça e com a intercessão de Sua Mãe Santíssima.

   Há muito tempo, Moisés foi inspirado por DEUS a ordenar ao povo judeu a nunca se esquecerem das graças que lhes haviam sido dadas. O FILHO de DEUS, então, pode com maior razão mandar-nos que gravemos em nosso coração os mistérios de Sua vida, paixão e morte e que os tenhamos sempre diante de nossos olhos, porque cada mistério nos recorda Sua bondade para conosco de maneira especial e são por estes mistérios que Ele nos mostrou o seu amor e excessivo desejo de nossa salvação. Nosso SENHOR nos está dizendo: “Todos vocês, que passam pelo caminho, olhem e observem que não há dor semelhante àquela que tive de suportar por vosso amor. Contemplem a minha pobreza e as minhas humilhações; pensem no vinagre e no fel que bebi por vocês durante a Minha amarga paixão.”

   Estas palavras e muitas outras que poderiam ser ditas aqui devem ser mais que suficientes para nos convencer que não só devemos rezar o Rosário com nossa boca em honra de Nosso SENHOR e Nossa Senhora, mas também meditar nos sagrados mistérios enquanto o rezamos.


26º Capitulo - Extraído do Livro "O Segredo do Rosário" São Luiz M. Grignion de Montfort

Nenhum comentário:

Postar um comentário