terça-feira, 10 de dezembro de 2013

A Plenitude de Maria

Padre Júlio Maria, Princípios da vida de intimidade com Maria Santíssima

Antes de contemplar em todo o esplendor esta inefável acumulação de graças que se chama “a plenitude de Maria”, não será inútil dar algumas explicações gerais sobre a graça e as diversas plenitudes que os teólogos distinguem.

A graça, em geral, é uma participação á natureza divina. Esta é a definição do Apóstolo São Pedro.

Esta graça é dupla: - 1 Santificante, ou princípio de vida que nos torna capazes de fazer atos meritórios,  2 – Atual, ou ação de Deus, pondo em movimento nossas faculdades.

Indicamos precedentemente o papel da graça atual.

Limitemo-nos aqui á graça santificante.

Que é a graça santificante?...

A teologia nos diz que é uma qualidade que dá á alma sua beleza, seu valor, seu encanto para agradar a Deus e ser dele amada.

Tão bela é uma alma em estado de graça e tão bela que é impossível a Deus não se dar a Ela.

É por isso que alguns santos comparam-na á veste nupcial, que torna a alma digna de se assentar ao banquete do Cordeiro, e sem a qual não é permitido entrar na sala do festim.

A graça nos merece, pois, a eterna possessão de Deus.

Algumas graças tem por objeto santificar-nos e nos unir a Deus: dá-se-lhes o nome de “gratia gratum faciens”, para distingui-las de outra que tem por fim procurar o bem do próximo: são as graças gratuitas “gratia grátis data”.
                                                                                                                   
A primeira embeleza nossa alma, nos torna amigos de Deus, nos faz agradáveis a ele; donde lhe vem o nome: graça que torna agradável, “gratum faciens”.

A segunda, pelo contrário, não nos torna necessariamente amigos de Deus; por si mesma não basta para nos santificar, porque o seu papel é exterior, social: tais são as graças ou os dons de profecia, das línguas, das curas, dos milagres. Seu fim é o bem das almas e a utilidade da Igreja.

A graça que torna agradável ainda se divide em atual e habitual.

A primeira é um socorro transitório, uma iluminação sobrenatural para a inteligência, um impulso súbito da vontade, que prepara e dispõe para a salvação.

A segunda está habitualmente inclinada sobre nossa alma para conservar-lhe o calor e a vida, dando-lhe um ser novo e permanente, que é um nascimento para a vida divina.

A graça atual é Deus que passa, nos une a Ele e nos santifica por este contato.

A graça habitual é Deus que permanece e nos faz sentir o toque do Espírito Santo.

Comprehende-se que esta graça pode ser plenária ou parcial.

É parcial, para cada um de nós.

Ela só foi plenária para Jesus Christo e para sua divina Mãe, conforme explicaremos aqui.

Esta graça plenária ou plenitude das graças “gratia plena” se divide em plenitude absoluta, plenitude de suficiência, plenitude de superabundância e plenitude de universalidade.

A plenitude absoluta não existe e nem pode existir sinão em Jesus Christo, pois somente Ele pode possuir a graça em toda a excelência e toda intensidade possíveis.

Só ele toca, pela união hypostática, á fonte infinita das graças, á divindade; e como é impossível estar mais perto de Deus do que Ele, não se poderá conceber uma graça mais profunda e mais extensa do que a sua. É a plenitude absoluta, sem limites, até ao último grau, em uma palavra, é o infinito.


A plenitude de suficiência é a que torna os justos capazes de fazerem atos meritórios e alcançarem o termo de salvação: é a plenitude comum a todos os santos.

A plenitude de superabundância, já o podemos adivinhar, é o privilégio especial de Maria. É o que derrama sobre os homens, como um reservatório muito cheio.

A plenitude de universalidade: - são ao mesmo tempo privilégios e dons que foram e serão concedidos á Igreja, em toda a duração de sua existência.

Não há nenhuma graça que a Igreja, considerada em toda sua totalidade e na duração de sua existência, não possa e não deva possuir.

Ora, esta plenitude convém também á Maria, conforme este princípio teológico que “todo favor, toda graça de que gozou qualquer dos Santos, foi mais nobre e perfeitamente concedido á Maria, Mãe de Deus”.

A fonte, o rio e os regatos tem sua plenitude, mas cada qual de um modo diferente; assim também Jesus
Christo, a Santíssima Virgem e os Santos.

Jesus é a plenitude da fonte, pois ele é o Oceano, sem limites e insondável onde se pode haurir sempre as aguas da misericórdia divina, sem que estas se exgotem jamais.

Os santos tem a plenitude dos regatos, correm mais ou menos largos, mais ou menos profundos, porém sempre limitados.

Maria possui a plenitude do rio, rio majestoso e transbordante, que faz chegar até nós as ondas do vasto oceano, que é Jesus Christo.

As precedentes explicações far-nos-ão compreender agora em toda sua extensão os princípios relativos á plenitude de graça da Virgem Imaculada.

A Bula “Ineffabilis” resumindo em duas palavras todas as graças da Mãe de Jesus, diz que é uma “plenitude de santidade e de inocência”.

Em Jesus Christo a plenitude de santidade é absoluta, pertence-lhe por direito, tão perfeita desde a origem que ela não conhecerá progresso. Mas Ele quer, por sua graça e de um modo particular, associar Maria a este mysterio de plenitude.

Com relação á Maria Sma. Pode-se dizer que a plenitude é seu característico.

A graça é uma divina capacidade de receber em si a Santíssima Trindade.

A uma plenitude de graça está ligada para Maria uma plenitude á parte, de habitação de Deus nela.

A criatura que conterá Aquele que os mundos não podem conter, é por conseguinte inteiramente habitada por Deus, como jamais o serão os templos mais santos, quer dizer, como jamais o serão os santos e os anjos.

Quanto á plenitude de inocência, assinalada ainda pela Bula “Ineffabilis”, quem nos dirá as incalculáveis consequências que dela dimanam? – Praeter Deus nemo assequi cogitandi potest”.

A plenitude de inocência é a imunidade absoluta do pecado e de tudo o que inclina ao pecado.

Donde se segue que em Maria jamais houve a menor falta, mesmo a mais ligeira; nada do fogo das concupiscencias, pois a graça apagou nela todo o fogo da cubiça “fames peccati”, como diz a teologia.

A plenitude de santidade e de inocência são os dois traços prinpipais da alma da Sma. Virgem. Todavia isto não é tudo.

Ao mesmo tempo a Bula nos diz ainda que a Virgem Imaculada foi repleta acima de todos os anjos de “toda a abundancia de todos os dons depositados nos tesouros da divindade”.Omnium charismatum copia de thesauris divinitatis deprompta.

E como a plenitude de Deus e da graça teria podido tardar a se resolver em luz e em amor?...

Primeiramente, plenitude de luz, de luz infusa, permitindo á alma de Maria corresponder prontamente ao amor único de um Deus que fez Maria para si.

A Mãe da Luz devia receber vistas perfeitas e profundas, para que ela pudesse amar como via.

Talvez não lhe dará Deus, a não ser em certos momentos excepcionais a visão intuitiva, pois Maria, sobre a terra, está pura e simplesmente no tempo da provação, enquanto que Jesus durante sua vida mortal está ao mesmo tempo no céu e na via, mas Ele dá uma ciência infusa que preludia e se assemelha á de Jesus.

A plenitude de luz, como de graça e de inocência, é feita para se desenvolver logo em caridade e na plenitude do amor.

Desde muito tempo Deus espera o mais perfeito e fiel amor!


Ei-lo, - este amor... esta plenitude de amor. Deus é amado enfim, como Ele o merece, e não há uma criatura que pode dizer com toda verdade: Dilectus meus mihi et ego illi.

Fonte:

Nenhum comentário:

Postar um comentário