quinta-feira, 26 de dezembro de 2019

NATIVIDADE DE NOSSO SENHOR JESUS CRISTO



Impleti sunt dies ut pareret (Maria); et peperit filium suum primogenitum — “Completaram-se os dias em que (Maria) devia dar à luz; e deu à luz o seu filho primogênito” (Luc. 2, 6).
Sumário. Imaginemos ver a Jesus já nascido na gruta de Belém, e ouvir os anjos cantar glória a Deus e paz aos homens de boa vontade. Quais devem ter sido os sentimentos que então se despertaram no coração de Maria, ao ver o Verbo divino feito seu filho! Qual a devoção e ternura de São José ao apertar contra o coração o santo Menino! Unamos os nossos afetos com os desses grandes personagens.
****************************
Quando Maria Santíssima entrou na gruta, pôs-se logo em oração. De súbito vê uma refulgente luz, sente no coração um gozo celestial, abaixa os olhos, e, ó Deus! que vê? Vê já diante de si o Menino Jesus, tão belo e tão amável, que enleva os corações. Mas treme e chora; segundo a revelação feita a Santa Brígida, estende as mãozinhas para dar a entender que deseja que Maria o tome nos braços. Maria, no auge de santa alegria, chama José. — Vem, ó José, disse ela, vem e vê, pois já nasceu o Filho de Deus. Aproxima-se José, e vendo Jesus nascido, adora-O por entre uma torrente de doces lágrimas.
Em seguida, a santa Virgem, movida de compaixão maternal, levanta com respeito o amado Filho, e conforme a já citada revelação, faz por aquecê-Lo com o calor de seu rosto e do seu peito. Tendo-O no colo, adora o divino Menino como seu Deus, beija-Lhe os pés como a seu Rei, e beija-Lhe o rosto como a seu Filho e procura depressa cobri-Lo e envolvê-Lo nas mantilhas. Mas ai, como são ásperos e grosseiros os paninhos! Além disso, são frios e úmidos, e naquela gruta não há lume para, aquentá-los.
Consideremos aqui os sentimentos que surgiram no coração de Maria, quando viu o Verbo divino reduzido por amor dos homens a tão extrema pobreza. Contemplemos a devoção e a ternura que ela experimentou quando apertava o Filho de Deus, já feito seu filho, contra o coração. Unamos os nossos afetos aos de tão boa Mãe e roguemos a Deus Pai “que o novo nascimento do seu Unigênito feito homem, nos livre do antigo cativeiro, em que nos tem o jugo do pecado” (1) .
Jesus nasceu! Vinde, ó reis, príncipes e todos os homens da terra, vinde adorar o vosso Rei. Mas quem é que se apresenta? … Ah! o Filho de Deus veio ao mundo, e o mundo não o quis conhecer.
Porém, se não vêm os homens, vêm ao menos os anjos adorar o seu Senhor, e cantam jubilosos: Gloria in altissimis Deo, et in terra pax hominibus bonae voluntatis (2) — “Gloria a Deus nas alturas, e na terra paz aos homens de boa vontade”. Glória à divina Misericórdia, que, em vez de castigar os homens rebeldes, fez o próprio Deus tomar o castigo sobre si, e assim os salvou.  Glória à divina Sabedoria, que achou meio de satisfazer à Justiça, e ao mesmo tempo, de livrar o homem da morte merecida. Glória ao divino Poder, que de um modo tão admirável venceu as forças do inferno.  Glória finalmente ao divino Amor, que induziu um Deus a fazer-se homem e a levar uma vida tão pobre, humilde e penosa. Meu irmão, unamos as nossas adorações às dos anjos e digamos com a nossa santa Madre Igreja:
Gloria in excelsis Deo! Glória a Deus nas alturas, e na terra paz aos homens de boa vontade. Nós Vos louvamos, Vos bendizemos, Vos adoramos, Vos glorificamos. Graças Vos damos por vossa grande glória, Senhor Deus, Rei do céu, Deus Pai todo-poderoso. Ó Senhor, Filho unigênito de Deus, Jesus Cristo, Senhor Deus, Cordeiro de Deus, Filho do Pai: Vós, que tirais os pecados do mundo, tende piedade de nós. Vós, que tirais os pecados do mundo, aceitai as nossas súplicas. Vós, que estais sentado à mão direita do Pai, tende piedade de nós. Porque só Vós, ó Jesus Cristo, sois Santo, só Vós o Senhor, só Vós o Altíssimo, com o Santo Espírito, na glória de Deus Pai. Assim seja”. (3) (*III 728)
  1. Or. festi.
    2. Luc. 2, 14.
    3. Miss. Rom.
Meditações: Para todos os Dias e Festas do Ano: Tomo I – Santo Afonso

segunda-feira, 16 de dezembro de 2019

A Vinda de Cristo à Alma. Como Preparar-se?



“Eu sou a voz do que clama no deserto” (Jo 1, 23)

Exórdio: o Pregador, outro João Batista

Perguntaram a São João Batista quem era, e ele respondeu:
– “Eu não sou o Messias, nem Elias, nem aquele profeta a quem Deus se referiu ao falar com Moisés: Eu suscitarei um profeta como tu dentre os teus irmãos, e a quem recusar ouvir o que ele disser da minha parte, pedir-lhe-ei contas (cf. Jo 1, 20-21; Dt 18, 18-19). Não sou nenhum desses”, disse São João.
– “Se não és nenhum desses”, disseram eles, “como ousaste impor um novo rito ao povo? Como é que batizas?”
– “Não vos assusteis, porque o meu batismo apenas limpa com água a cabeça e o corpo; a sua função é somente fazer que os que dele se abeiram professem que são pecadores e necessitam de alguém que os limpe dos pecados. (Aquele batismo não era como o nosso, que transmite a graça). Mas no meio de vós está quem vós não conheceis e vos seria conveniente conhecer; esse limpa com água e com fogo, e introduz a mão nas almas, limpando-as de toda a sujidade, e eu sou tão diferente dEle que não sou digno de desatar a correia das suas sandálias; este é aquele que já profetizei e que vos preguei outras vezes, o qual há de vir depois de mim e era antes de mim. É tão superior a mim que eu não sou digno de desatar a correia das suas sandálias nem de servi-lo como escravo”.
– “Não sou quem pensais”, disse João Batista. – “Então quem és?”. E ele disse-lhes: – “Eu sou a voz do que clama no deserto, e este é o meu ofício, a minha honra, a minha dignidade e o meu ser. Eu não sou o Messias, mas a voz do Senhor que quer vir até vós: Endireitai os caminhos do Senhor” (cf. Jo 1, 23).
Pobre de mim e de outros como eu, que temos o ofício de São João Batista sem possuir a sua santidade. O sacerdote, o pregador, anjo – porque “anjo” significa mensageiro -, o pregador é mensageiro de Deus, e Deus fala por sua boca. Somos mensageiros de Deus, anfitriões do rei, mas não sei se é por não sabermos desempenhar este papel, ou por qualquer outro motivo, que os ouvintes nos olham com os meros olhos da carne e atentam apenas para a nossa aparência externa.
Se o pregador começasse por lamentar não ser digno de tal ofício, e suplicasse a Deus que desse às pessoas a graça de virem ao sermão dizendo: – “Vamos ouvir a Deus”; e se vós vos preparásseis para ouvir bem a palavra de Deus – pois, ainda que seja um homem pecador e miserável quem as pregue, como eu, as palavras são de Deus e não dele, e é em nome de Deus que vo-las diz -; se desse modo e com essa fé viésseis ouvir os sermões, de outra forma creríeis no que neles vos é dito e tiraríeis deles outro proveito.
Eu não sou João Batista, mas, por ser pregador, tenho o seu ofício, e digo-vos da parte de Deus e em seu nome que deveis preparar as vossas almas. Deus quer vir morar em cada um dos que estais aqui. Daqui a oito dias terá nascido, e vós ouvireis o seu choro no presépio de Belém.
Pensai quão preocupada e alegre andava a Virgem Maria nestes oito dias, quantas apreensões trazia no seu coração, não como as vossas, pois estareis pensando agora em que comereis na noite de Natal e que roupas usarei. Não andaria ela pensando nisso, mas estaria preparando os paninhos para o Menino que daria à luz. E como o próprio Jesus Cristo disse que “todo aquele que fizer a vontade de meu Pai, que está nos céus, esse é minha mãe” (cf. Mt 12, 50), a vossa ocupação nestes oito dias deverá ser preparar-vos.
se Jesus Cristo há de nascer na minha alma, como a prepararei, como a adornarei, para que, mal chegue, a encontre bem preparada? Se até este ponto do Advento fomos preguiçosos e descuidados, nestes oito dias que faltam para o Natal sejamos diligentes em preparar-nos. E já que não o podemos fazer sem receber uma graça do alto, supliquemos à Santíssima Virgem que no-la alcance.

Cristo vem morar na nossa Alma

Não sei se este sermão não será um fracasso como os outros. Sois tão avessos a receber hóspedes que, embora vos digam que deveis preparar a vossa casa, pois Deus quer ocupá-la, não sei se querereis fazê-lo ou se direis:
“Vai em paz, porque não estou agora com disposição para receber hóspedes”
Hoje, porém, tereis de acreditar em Deus e não em mim. Trata-se de um acontecimento tão importante que, se acreditásseis bem nEle, não há dúvida de que seria bem recebido. Sabeis que coisa importante é essa? Que Deus vai descer do céu para fazer-se homem, e, depois de humanado, nascerá num estábulo e ficará chorando, colocado numa manjedoura; e passados oito dias derramará o seu sangue na circuncisão; e depois, quando crescer, será amarrado a uma coluna, despido, e receberá mil açoites, e subirá numa cruz e nela morrerá por nós e para nossa salvação. Ouvi, pois, uma palavra verdadeira e alegre, ouvi uma notícia saborosa e certa: Deus veio ao mundo para salvar os pecadores; Deus não veio para nos condenar, mas para nos salvar.
“Como é possível? A minha consciência me diz que cometi mil pecados, e foi a Deus que eu menosprezei e tive em pouco. É possível que Aquele que esbofeteei e em cujo rosto cuspi venha agora salvar-me?”
Aí está a bondade de Deus: tu o ofendeste e Ele vem buscar-te para te perdoar e pedir que todos vós sejais seus amigos.
Acreditai em mim hoje: não há ninguém dos aqui presentes a quem Deus, para sempre bendito, não queira vir neste Natal. Deus deseja vir a vossa casa e morar convosco! Aquele que está nos céus, e é adorado pelos serafins, Aquele que se encarnou no seio da Virgem Maria, Aquele que há de nascer daqui a oito dias, quer vir a cada um de vós. Deus, na sua misericórdia, vos ilumine para que hoje fique alojado nas vossas entranhas. Irmãos, preparai-lhe as vossas almas, pois Deus quer vir a elas.
Todos os adventos do Senhor são admiráveis. O primeiro advento, que foi Deus ter vindo em carne, quem o poderá contar? A vinda do juízo, quando Deus vier julgar os vivos e os mortos, e enviar uns para o céu e outros para o inferno, quem vo-la poderá contar? Quem vos contará as graças que Deus faz ao homem a cuja alma Ele vem?
Quereis parar e pensar nisto por alguns momentos?
“Se alguém me ama, diz Jesus Cristo, guardará a minha palavra, e meu Pai o amará, e viremos a ele e nele faremos morada” (Jo 14, 23)
Portanto, o Pai, o Filho e o Espírito Santo moram naquele que ama Jesus Cristo e guarda os seus mandamentos.
“Vós sois o templo de Deus vivo” (2 Cor 6, 16), diz São Paulo
Irmãos, Deus mora em vós. Parai e pensai na diferença que existe entre uma alma em que mora Deus e outra em que mora uma multidão de demônios; vemos juntos, e por fora andamos todas da mesma maneira, mas, por dentro, vede quanta diferença: nuns, mora Deus; em outros, o demônio.
Enfim, Deus quer vir a vós, mas se me perguntardes que significa Deus vir a uma alma, não creio que vo-lo saiba responder. Diz São Paulo que os dons de Deus são inexprimíveis (cf. 2 Cor 9, 15). Pois se não é possível exprimi-los, como saberei dizer-vos que significa Deus vir morar numa alma? Experimentai-o e vereis por vós mesmos o que significa. Basta dizer-vos que o hóspede que quer vir a vós é Deus. Irmãos, Deus quer vir a vós.

Cristo traz consigo o Seu Reino…

Senhor, que coisa dura é dizer a um ladrão: “Aí vem o juiz”. Fugirá, como fez Adão ao ouvir a voz do Senhor. Senhor, para que vindes? Ele próprio o disse através de São João:
“Deus não enviou o seu Filho ao mundo para condenar o mundo, mas para que o mundo seja salvo por Ele”
O rei vem e traz consigo o reino para que, se existe alguém tão avarento que pense ser pouco a vinda de Deus a ele, e o atraiam outras coisas e por elas se apaixone mais do que por Deus, saiba que Ele traz muitas riquezas e vem conceder-nos grandes mercês. E assim diz:
“Por isso não deixeis de receber-me, pois vos trago tudo o que podeis querer e desejar, e muito mais”
“Que trazeis, Senhor?” O reino de Deus está dentro de vós (Lc 17, 21). Por acaso já compreendestes alguma vez o sentido desta passagem? Sabei que o reino de Deus está dentro de vós. Não penseis que consiste em ter muitas vinhas e muitos olivais. Na alma à qual vier o amor a Deus e ao próximo, aí estará alojado o reino de Deus; dentro da alma que obedecer a Deus, aí se encerrará o reino de Deus. É o próprio São Paulo quem o diz:
“O reino de Deus não está na comida nem na bebida, mas na justiça, na paz e no gozo do Espírito Santo” (Rm 14, 17)
O Rei vem e traz consigo o reino, e o seu reino é de justiça e paz. Quem haverá que não o receba? “Justiça”, nesta passagem, não significa “fazer justiça”, mas uma virtude pela qual um homem se converte de pecador em justo. é o que Isaías dizia vários séculos antes:
“Que os céus derramem das alturas o seu orvalho, que as nuvens façam chover a vitória, abra-se a terra e brote a felicidade e ao mesmo tempo germine a justiça! Sou eu, o Senhor, a causa de tudo isso” (Is 45, 8)
E que querem dizer estas palavras? Que a causa pela qual nos tornamos bons é Jesus Cristo. São Paulo diz que Ele se fez para nós redenção, satisfação, justiça e sabedoria (cf. 1 Cor 1, 30). Não penses, irmão, que és justo pelas tuas boas obrinhas, pelo que fazes, mas sim pelas boas obras e pela paixão de Jesus Cristo. Se unes as tuas boas obras a Ele, Ele as faz meritórias. Nasça, pois, o Cordeiro e, com Ele, a justiça e a santificação.
A paz é uma coisa boa para os casados, se estão brigados. Mas quem não está brigado? Quem não pensa que gostaria de servir a Deus e, ao mesmo tempo, alimenta dentro de si outros pensamentos e outra lei que repugnam e contradizem a Deus? Esses são os que dizem, desconsolados e aflitos: “Ofendi a Deus!“, porque esse é o maior dos tormentos e o maior dos desconsolos.
Que pensáveis? Que o maior dos tormentos é: “Não tenho nada que comer, não tenho nada que vestir, estou sendo caluniado, perseguem-me“, etc? Esse é um sofrimento carnal. A queixa que deveis fazer não há de ser contra aquele que vos caluniou ou vos injuriou, mas contra vós mesmos. Ireis para o vosso canto e, diante de Deus, queixar-vos-eis de vós mesmos, dizendo:
– “Senhor, devo-Te tanto que estaria obrigado a padecer por Ti o mesmo que sofreste por mim, e contudo não suporto uma palavrinha, uma ninharia; queixo-me, Senhor, de mim e da minha pouquidão”
A verdadeira dor é a que faz uma pessoa bater no peito, considerar os seus defeitos e maldades e dizer:
– “Oh, ofendi a Deus! Que longe estou do caminho de Deus!”
Este é o verdadeiro tormento e o maior dos desconsolos, e foi para extingui-los que Deus veio a este mundo. Que diziam os judeus néscios? “O Messias vem para nos dar riquezas, vinhas e olivais“. Mas de que me aproveitaria o Messias se me desse tudo isso, mas não curasse o mal que trago no coração? Deus está de mal comigo. Se o Messias deve ser o meu Messias, cure-me esta chaga que trago no coração, e, se não o fizer, não quero bem algum.

…Reino de Alegria de Paz

Se vos preparardes para receber este hóspede, Ele é tão poderoso que fará o vosso coração alegrar-se. Se não quereis a Deus por Deus, vede o que Ele traz, vede o reino que traz consigo. Pensais que Ele é pobre? São Paulo escreveu:
“Todas as coisas são vossas: Paulo, Apolo, Cefas, o mundo, a vida, a morte, as coisas presentes, as futuras; tudo é vosso” (1 Cor 3, 22)
Por que chamais pobre a um homem que tem todas as coisas? Dizei-nos, Paulo, por que tudo é nosso? Porque, quando o Pai eterno nos deu Jesus Cristo, o seu Filho, deu-nos com Ele todas as coisas. Esta é a mercê mais alta de todas; este é o espelho em que deves olhar-te: Deus concedeu-nos o seu Filho.
E São Paulo continua:
“Se Deus nos concedeu o seu próprio Filho, como não nos dará também com Ele todas as coisas?” (Rm 8, 32)
Se Jesus Cristo é nosso, não vos admireis de que o presente e o futuro sejam nossos. Tudo se encerra nesta graça. Não vos admireis de que os santos sejam vossos, pois esse que vem às vossas entranhas é Senhor dos céus e da terra, dos anjos e de todas as coisas. Parai e pensai quem é esse que quer vir à vossa alma, e assim vereis como todas as coisas serão vossas, ou seja, que podereis usar delas para vosso proveito. Sabeis quem é verdadeiro dono dos seus haveres? Aquele que os aproveita para servir a Deus e para proveito próprio e do seu próximo. E se vos parece que é pouco ter a Deus e com Ele todas as coisas, pergunto: o que vos parecerá muito? Que ninguém diga: – “Não quero esse hóspede”, porque, na verdade, a sua vida, por si só, paga bem a pousada.
Mas a maior de todas as coisas que Deus vos dá está por ser dita. Se Ele não vos tivesse concedido a luz da fé, como acreditaríeis num dom tão elevado como é o de que Ele veio para morrer por vós? O que tem mais valor: que Deus se tenha entregado às mãos de verdugos para que lhe fizessem tantas injustiças, ou que se entregue aos corações dos que estamos aqui? Pois se Cristo se entregou à vontade dos que lhe queriam mal, não se entregará aos corações dos que lhe querem bem? Senhor, tanto me amaste que Te entregaste às mãos dos teus inimigos por mim! Praza ao Senhor que creiais nisto.
Que feliz sairá daqui um homem a quem dissessem:
“O rei virá amanhã a tua casa para fazer-te grandes mercês”
Acho que não almoçaria de tanta alegria e preocupação, nem dormiria durante toda a noite, pensando:
“O rei virá a minha casa, como lhe prepararei pousada?”
Irmãos, digo-vos da parte do Senhor que Deus quer vir a vós e que traz consigo um reino de paz, como já ouvistes. Bendita seja a sua misericórdia e glorificado o seu santo nome! Quem vos saberia dizer com que tempero devemos condimentar este manjar? Como? Se Ele é o próprio Deus e o ofendido, e nós homens e os que ofendemos; se é nosso o lucro da hospedagem e Ele quem no-la esta pedindo, seremos nós a desprezá-los? E que pensar se soubermos que Deus está à porta dos corações? Pensais que está longe? Está batendo à porta.

Deus pede que lhe abramos a porta

“Oh, padre! Não é possível que Ele esteja tão perto como dizeis, porque cometi tal e tal pecado e o expulsei para muito longe de mim, e com certeza está muito magoado comigo”
Eis que estou à porta e bato, diz Ele. Se alguém me abrir a porta, entrarei (cf. Ap 3, 20). Pensais que Deus é como vós que, se vos causam um pequeno aborrecimento ou vos perseguem, logo excluís o próximo do vosso amor? E se alguém vos diz: – “Perdoai Fulano porque Cristo vos perdoou”, dizeis: – “Nem mencionai o nome dele na minha frente”. Como podeis pensar que, por vós não perdoardes, Deus também não perdoa? Glorificado sejas Tu, Senhor, pois é isto o que mais cativa os corações humanos! Diz o pecador quando peca:
– “Retirai-vos de mim, Senhor, porque não Vos amo!”
E Deus sai da casa, e põe-se à porta, e fica chamando:
– “Abre-me, minha esposa, minha amiga; ficarei aqui até que, por compaixão, venhas a mim e me abras”
Não minto: Ele nos pede que, por compaixão, lhe abramos a porta!
Que significam estas palavras do Esposo do Cântico dos Cânticos: “Abre-me, minha irmã, minha amiga; a minha cabeça está coberta de orvalho, e os cachos dos meus cabelos cheios das gotas da noite” (Ct 5, 2), senão: “Abre-me, tem compaixão de mim?” É espantoso que Deus nos peça pousada por compaixão e nos diga: – “Abre-me, que não tenho para onde ir“. E quando um coração tocado por Ele toma consciência disso, não há nada que mais o cative de amores ou o derreta. E assim dizia Santo Agostinho (1):
“Eu fugia de Ti, Senhor, e Tu corrias atrás de mim”

Este é o amor de Deus pelos pecadores. Fogem dEle, e Ele vai atrás deles
. E assim diz por Jeremias:
“Se um homem repudia a mulher, e ela o abandona para tornar-se mulher de outro, tornará o marido a recebê-la? Não ficará gravemente maculada? Mas se tu, depois de teres fornicado com inúmeros amantes, voltares para mim, diz o Senhor, eu te receberei (cf. Jer 3, 1). Há de o rancor durar eternamente?” (cf. Jer 3, 5)
Os rancores passados passaram, não me magoes mais, sejamos amigos novamente.
As palavras que a alma deveria dizer a Deus, Deus as diz à alma:
“Continuarás a resistir eternamente? Aproxima-te logo, alma; chama-me, se não sabes chorar. Se tens medo, confia, porque sou Eu mesmo quem te ordena. Se os teus pecados te fecham a boca, Eu te direi como deves chamar-me: Meu Pai e guia da minha virgindade” (cf. Jer 3, 4)
E dir-lhe-ás:
– “Agora sou mau, mas lembrai-Vos, Senhor, de que um dia fui bom; lembrai-Vos de que, quando pequenino, me batizaram, e Vos pertenci, e fizeram em mim o vosso sinal”.
– “Fala assim comigo” – responderá o Senhor -, “faze que eu me recorde de que um dia foste meu: chama-me meu Pai, tu és meu”
Irmão, se Deus manda que chames por Ele, é porque quer receber-te. Se te ensina como chamá-lo, como não há de ouvir-te? Vedes aqui a infalível misericórdia de Deus. Embora o tenhamos ofendido, bate à nossa porta e, embora não o queiramos receber, pede-nos que lhe abramos. Que coisa abominável seria deixar o vosso marido bater-vos à porta à meia-noite:
– “Abri, senhora, porque venho ferido da guerra em que combati por vosso amor; venho depois de ter sofrido muito por vós!”
Que mulher seria tão má a ponto de deixar o marido esperando à porta por muito tempo?
Por que não quereis abrir a Deus? Quem estará dentro de ti para não quereres abrir? Algum rufião deves ter em tua casa para não quereres abrir a porta ao teu próprio marido. E se aquele que bate e diz: – “Minha esposa, eu morri por muitos sofrimentos”, é o próprio Deus! Alguma coisa contrária está dentro de ti, por cujo amor não lhe queres abrir. Peço-vos que me digais: o que é que cativa tanto o vosso coração, que por isso não quereis receber a Deus em vossa casa neste Natal?

Deus e o Demônio não podem morar juntos

Mas, se porventura – praza a Deus que não aconteça -, algum dos presentes a este sermão que lhe é pregado da parte de Deus, ao contrário de preparar pousada para Ele, a preparasse para o demônio, seria pior do que um infiel! Que seria dele se dissesse:
– “Neste Natal, tenho de apostar esse dinheiro que guardei até agora?”
Ah, infeliz, então jogas justamente por ser Natal!?
Só posso compreender semelhante situação se pensar que foi o demônio quem inventou essa perversão lá no inferno e depois a trouxe para os homens. Que faremos, dizem os demônios, já que muito perdemos com o nascimento de Cristo? Como poderemos aproveitá-lo para termos algum lucro? E para recuperar o que perderam, ordenam esses jogos. Miserável de ti! Assim pagas a Deus o amor com que veio nascer por ti, numa manjedoura, e assim pagas os sofrimentos pelos quais passou, e o seu choro de recém-nascidos, e o frio que suportou? Isso é coisa do diabo.
Se em algum momento é necessário que sejas bom, é agora; e se antes foste mau, agora tens de ser bom; e se em alguma ocasião jogaste, agora não jogarás. Rogo-vos que me façais esta caridade e me deis este presente pelo amor do Menino e de sua Mãe.
Quem ocupa o vosso coração e impede que Deus entre nele?
– “Ninguém, senhor. Ele chegou em boa hora”.
Bem sei que muitos dizem várias vezes por dia neste tempo do Advento: Vinde, Senhor, e não tardeis. Praza a Deus que não seja da boca para fora. Seria abominável que alguém chamasse por Deus somente com a boca e, com o coração, lhe estivesse pedindo para não vir. E, se já o fizestes, dizei-lhe agora: – “Senhor, ao pedir que viesses falava-te falsamente“; pois Deus não é amigo de burlas, mas da verdade.
Pergunto: Quereis receber a Deus neste Natal?
– “Sim, quero, mas desde que não precise expulsar o outro hóspede que tenho em casa”.
Não sentis vergonha de chamar por Deus tendo um pecado mortal na alma? Quereis colocar Deus ao lado do seu inimigo? Quem ama a Deus só a Ele ama. E deve ter uma faca bem afiada para com ela cortar tudo o que tiver de contrário a Deus, sejam honras, haveres ou qualquer outra coisa. Deveis dizer:
– “Perca-se tudo e fique eu com Deus”.
Portanto, quem quiser receber a Deus na sua alma deve expulsar dela todos os seus inimigos, e quem assim não o fizer ficará sem Deus. Outrora, não se concebia que estivessem juntos no mesmo altar a Arca de Deus e Dagon, o ídolo dos filisteus (cf. 1 Sm 5, 2ss). Será então concebível que Deus more onde mora o pecado? Será aceitável que estejam juntos Ele e o demônio? Deveis fazer Deus sentar-se à cabeceira da mesa e convidar a sair tudo o que possa impedir-lhe a vinda. E assim, se o amardes, Ele virá; caso contrário, não o espereis.
Há outro que diz:
– “Padre, eu o receberei de boa vontade e lhe darei pousada neste Natal, mas depois retornarei os meus hábitos anteriores”.
Irmão, que pensamento é esse? Nem precisas preocupar-te porque, com essa disposição, Ele não virá. Quem o quiser receber deverá fazer um propósito muito verdadeiro e firmíssimo de nunca mais tornar a ofendê-lo.

Como Preparar-se?

Uma palavra para todos os que quiserdes receber a Deus neste Natal:
– “Padre, eu amo a Deus, que farei?”
Se tiverdes a casa suja, varrei-a; se houver poeira, pegai em água e molhai-a.
Haverá aqui alguns que não varrem a casa há dez meses ou mais. Existirá mulher tão desleixada que, tendo um marido muito asseado, fique dez meses sem varrer a casa? Há quanto tempo não vos confessais? Irmãos, não vos pedi na Quaresma passada que vos acostumásseis a confessar-vos algumas vezes ao ano? Pelo menos no Natal, nos dias de Nossa Senhora e em outras festas religiosas importantes do ano, mas penso que vos esquecestes. Praza a Nosso Senhor que não vos exijam contas disso no dia do Juízo. E se disserdes então: “Eu não sabia, por isso não me confessei”, dir-vos-ão: “Bem que vo-lo disseram, bem que vo-lo gritaram, muito se afadigaram em alertar-vos; agora de nada serve puxar dos cabelos porque antes não o quisestes fazer“.
Irmãos, pecamos todos os dias. Se até hoje fostes preguiçosos em varrer a vossa casa, pegai agora na vassoura, que é a vossa memória. Lembrai-vos do que fizestes ofendendo a Deus e do que deixastes de fazer a seu serviço; ide ao confessor e jogai fora todos os vossos pecados, varrei e limpai a vossa casa.
Depois de varrida, molhai o chão.
– “Mas não posso chorar, padre”
E se vos morre o marido ou o filho, ou se perdeis um pouco do vosso dinheiro, não chorais?
– “Claro que choro, padre, e tanto que quase chego ao desespero”
Pobres de nós que, se perdemos um pouco de dinheiro, não há quem nos possa consolar, mas se nos sobrevém um mal tão grande como perder a Deus – pois isso acontece a quem peca -, o nosso coração é de tal forma uma pedra que são necessários muitos pregadores, confessores e admoestadores para que sintamos um pouco de tristeza! Mas valorizas o real perdido do que o Deus que perdes. Quando perdes uma quantia insignificante, não há quem consiga consolar-te, nem frades, nem padres, nem amigos, nem parentes. E, no entanto, não te entristeces quando perdes nada menos que o próprio Deus. Que significa isto, senão que tens tanta terra nos canais entre o coração e os olhos que a água não pode passar?
– “Que me leva a ter o coração tão duro e a não poder chorar?”
De todos os tempos apropriados que há ao longo do ano, este é o mais apropriado para os duros de coração. Valorizai o tempo santo em que estamos, considerai esta semana como a mais santa de todas no ano. É uma semana santa, e se a aproveitardes bem e vos preparardes como já sabeis, certamente vos será tirada a dureza do coração.

Um Coração de Carne

Disse Deus:
“Farei chegar uns dias em que vos tirarei o coração de pedra e vos darei um coração de carne” (Ez 11, 19)
E esse tempo chegou: a partir do momento em que Verbum caro factum est, em que Deus se fez homem (cf Jo 1, 14). Quando se fez carne, Ele nos deu corações de carne. Quando daqui a oito dias o virdes feito criança recém-nascida, colocada numa manjedoura, vê-lo-eis feito carne, e, por ter-se revestido de uma carne tão branda, Ele se torna brando, e não será difícil que vos dê corações brandos. Aproximai-vos do presépio e pedi com fé:
– “Senhor, já que Te tornaste brando, abrandai o meu coração”
Desse modo, sem dúvida alguma, Deus vos dará água para que laveis a vossa casa cheia de pó.
Que é mais necessário para um hóspede que vos bate à porta morto de fome e de frio e desnudo? É necessário que lhes busqueis alguma comida, alguma roupa, e que o agasalheis. Dir-me-á algum de vós:
– “Padre, Cristo não está reinando no céu? Então já não sente fome nem está desnudo”
Irmãos, embora Ele esteja nos céus, também está na terra – e não apenas no Santíssimo Sacramento -, porque, embora a Cabeça esteja no céu, o Corpo está na terra. Dizei-me: se eu agora vos pregasse que neste Natal Jesus Cristo virá a vossa casa, pobrezinho, desnudo, como nasceu em Belém, não o receberíeis? Não tendes pobres no vosso bairro? Não tendes desnudos à vossa porta? Ora, se viste o pobre, viste Jesus Cristo; se consolas o desconsolado, consolas Jesus Cristo, e foi Ele mesmo quem disse:
“O que fizestes a um destes pequeninos, a mim o fizestes” (Mt 25, 40)
Não te angusties dizendo:
– “Por que nenhuma pessoa em Belém quis receber com afeto o Menino e sua Mãe?
Não te aflijas porque, se receberes o pobre, recebes o Menino e sua Mãe; e se de verdades acreditas nisto, andarás mais solícito em procurar o pobre que está nesta rua, e disputarás aos outros a ocasião de fazer o bem que puderes.
Esmolas, irmãos, esmolas: vesti os desnudos, saciai os famintos, e não vos contenteis com dar umas moedas ou algo mais, mas dai esmolas em quantidade, pois é exatamente assim que Deus vos dá tantas coisas. Não sejais mesquinhos à hora de dar, já que Deus é tão generoso em dar-vos. Não deis moedinhas por Deus, já que Deus vos dá o seu Filho. Dai esmolas para bem receber Cristo neste Natal. Irmãos, esse que vem é amigo da misericórdia; que Ele vos encontre misericordiosos.

O Desejado de todos os povos

– “Falta mais alguma coisa, senhor?”
Sim, falta, e creio que é a mais importante: que saibais que o nome de Jesus é o Desejado de todos os povos. Que pena ver como Deus é pouco amado e desejado! Que pena quando vós tendes um filho doente e, ao lhe servirdes um frango assado e bem temperado, o ouvis dizer:
– “Não suporto este prato, tira-o da minha frente e joga-o fora!”
Se é uma pena que se perca esse prato, que pena não será, para quem o experimente, ver que a suma Bondade não é amada e desejada!
Senhor, que poucos vivem querendo seguir-Te, desejando-Te dia e noite? Que poucos perdem o sono por Ti! Diz Isaías: “A minha alma deseja-Vos durante a noite e o meu espírito procura-Vos desde a manhã” (Is 26, 9); não adormecerei nas vaidades desta vida, mas levantar-me-ei pela manhã para louvá-lo!, os nossos corações desfaleceriam. Um dos nossos maiores erros é não desejar a Deus. Quando a águia está saciada de carne, não quer voltar, mesmo que o dono a chame. Por que sentis tão pouco desejo de Deus? Porque estais saciados de carnes mortas e de víboras.
“Até me esqueci de comer o meu pão” (Sl 101, 5)
Se estais saciados de pecados, é de admirar que não tenhais fome de Deus?
O nome de Jesus Cristo é o Desejado de todos os povos. Antes de ter vindo, fora desejado por todos os patriarcas e profetas; todos suspiravam:
“Senhor, vede como Vos desejamos, vinde remediar-nos!”
Fora desejado pela Santíssima Virgem e por todos.
“Ditosos os que Vos esperam” (Is 30, 18)
Irmãos, se nesta semana vierem bater-vos à porta os pecadores, não os recebais. Dizei-lhes:
– “Sai daqui porque estou esperando um hóspede”
Quem está à espera de Deus colocou um grande freio na sua boca e nas suas obras. O que tens de fazer é suspirar por Deus:
– “Senhor, só Tu és o meu bem e o meu descanso; falte-me tudo, mas não me faltes Tu; perca-se tudo, tudo o que me queres dar, se me der a Ti, pouco me importa que me falte tudo”
Deus quer que o ames tanto como uma mulher bem casada, que pouco se importa de perder tudo, contanto que fique com o marido. Tens a Deus e estás infeliz porque falam mal de ti? Deus deixou casa e mãe, perdeu a honra e a vida, e, desnudo, colocou-se numa cruz por ti. E tu, que tens Deus contigo, ainda dizes que te falta alguma coisa? Que dirá Deus?
– “Tens-me a Mim e não te contentas?”
Deus vem a vós, o Desejado de todos os povos. A que vos sabe? Parece-vos sem sabor? Certamente não foi por culpa dEle. Diz o doente que não pode comer nada cozido. Pois para que achasses mais gosto nEle, Deus foi assado pelos tormentos, nem fogo de amor na cruz; e quanto mais o atormentam, mais descanso é para ti. Já seria delicioso sem isso, mas, para te ser mais saboroso, padeceu tudo. Se considerares o que padeceu por ti e por teu amor, quanto mais o vejas padecer, mais saboroso será para ti. Como é possível que não aches sabor em Deus, se Ele morreu por ti? Deves estar com problemas de estômago e será preciso purga-lo.
Diz o doente:
– “Estou fraco e preciso que cortem a carne, porque não consigo fazê-lo sozinho”
E que foram os açoites, os pregos e o golpe de lança senão os cortes que retalharam aquela carne santa para que, quanto mais atormentada, mais saborosa fosse para ti? Deus está cravado na cruz por ti, e tu não o desejas? Não achas saboroso um Deus morto por ti? Então algum pecado há em ti que te estorva; busca-o, joga-o fora e, ao longo desta semana, faze boas obras.
Confessai-vos, dai esmolas, desejai a Deus, suspirai por Ele de coração:
– “Meu Senhor, dentro da minha fraqueza, preparei-Vos a minha pobre casinha e estábulo; não desprezeis os lugares miseráveis, como não desprezastes o presépio e o patíbulo”
Ele quis nascer num estábulo para que, embora eu tenha sido mau e o meu coração tenha sido estábulo de pecados, confie em que não haverá de menosprezar-me. Senhor, embora eu tenha sido mau, preparei-me o melhor que pude; digo-Vos cheio de vergonha:
– “O meu estábulo está preparado; vinde, Senhor, que o estabulozinho está varrido e livre de pó. Não passo de um estábulo; supra a vossa misericórdia o que falta em mim, proveja ao que não tenho”
E se assim vos preparardes, Ele virá sem falta.
Praza à sua misericórdia que de tal modo nos preparemos para este Natal, que Ele nasça em nós, e nos dê aqui a sua graça e, depois a sua glória. Amém.
Referências
(1) Confissões 2, 3, 7; 10, 27 e 38
(Ávila, São João de. O Mistério do Natal. Prefácio e tradução de Gabriel Perissé. Quadrante 1998, 2ª ed., p. 9-28)

domingo, 15 de dezembro de 2019

CANCELE SEU NETFLIX



Para os que não sabem, o Netflix promove neste Natal uma sátira sacrílega do grupo Porta dos Fundos, provando, mais uma vez, desconhecer os limites entre a comédia e a regra moral que deve nortear todos os nossos atos.
Brincar com a religião dos outros é fácil. Difícil é brincar com a própria religião. No caso do Porta dos Fundos, engraçado seria vê-los fazer humor com a “sagrada família” deles, os Lula da Silva. O noticiário recente sobre a famiglia tem oferecido material suficiente para uma paródia da série Os Sopranos, por exemplo. Fica a sugestão.
O argumento da “liberdade de expressão” não cola. Ninguém imaginaria fazer piada com o Holocausto ou com a escravidão africana nas Américas, satirizando o extermínio dos judeus ou a vida nas senzalas ou nos navios negreiros. Há coisas que são, e devem ser, graves demais para virar comédia.
Se o grupo de bobalhões ficasse confinado em seu canal no YouTube, não haveria muito a fazer, fora as vias judiciais. O YouTube é uma plataforma aberta e gratuita que exibe todo tipo de conteúdo, de palestras sofisticadas a tutoriais de manutenção de geladeiras velhas. Não há seleção prévia, a não ser algumas regras genéricas de conteúdo, que são particularmente austeras quanto à sensibilidade de certos grupos.
Mas à parte a denúncia a posteriori de conteúdos considerados ofensivos – e que serão depois avaliados por examinadores da plataforma que decidirão se o conteúdo sairá ou não do ar – não há muito o que se fazer. Mesmo os anunciantes que aparecem em intervalos regulares durante a transmissão dos vídeos segue uma ordem aleatória e se fosse o caso de tentar boicotá-los seria preciso assistir o conteúdo diversas vezes. A emenda seria pior do que o soneto. A solução, portanto, é ignorá-los.
O caso do Netflix é diferente. Lá os conteúdos são selecionados. Ao optar por exibir um determinado conteúdo, a plataforma confere sua chancela à obra e, direta ou indiretamente, a financia.
Portanto, não há escusa: ao escolher exibir a paródia do Porta dos Fundos, o Netflix ofende seus assinantes católicos, bem como qualquer um com um mínimo de refinamento ético ou estético.
Só resta aos católicos o cancelamento de sua assinatura do Netflix.
Não será nenhum sacrifício: há outras opções no mercado até mais em conta. E, apesar de ser improvável, diante dos graves exemplos de material imoral promovidos anteriormente, havendo uma retratação da empresa, um retorno poderia ser considerado.
Mas, por ora, não cancelar seria um ato de pusilanimidade inaceitável.
O cancelamento da conta do Netflix é um ato pedagógico e, quem sabe até, misericordioso. Mas certamente será divertido. Ateus não acreditam em alma. Mas acreditam em conta bancária. A consciência nunca lhes dói, mas o bolso é seu órgão mais sensível.
Quanto a nós, que sabemos o quanto somos espirituais e devedores da graça da Redenção, pela Cruz de Nosso senhor Jesus Cristo, tenhamos nossas consciências católicas em paz pela defesa da honra de Nosso Senhor Jesus Cristo e de sua Santa Igreja.

sexta-feira, 13 de dezembro de 2019

Catecismo Ilustrado - Parte 56 - A Oração Dominical


Obs: Na figura acima a Oração do Pai Nosso correta é ....perdoai-nos as nossas dívidas,
assim como nós perdoamos os nossos devedores...




Catecismo Ilustrado - Parte 56

A Oração

A Oração Dominical

Explicação da gravura

1. A gravura trata da “oração dominical” ou “Pai nosso”; “oração dominical” quer dizer oração do Senhor, porque Nosso Senhor Jesus Cristo foi quem a compôs para nos ensinar a orar.

2. Consta a oração dominical de uma invocação e sete petições.

3. As palavras de invocação são: “Pai nosso que estais no Céu”, que são como um pequeno prefácio, ou exórdio para a oração dominical.

4. Chamamos a Deus nosso Pai, porque Jesus Cristo quer que oremos a Deus com amor e confiança filial.

5. Dizemos “Pai Nosso” e não “Pai meu”, porque devemos orar como irmãos uns dos outros, e como membros da Igreja, pertencentes à mesma família do Pai celestial.

6. Acrescentamos “que estais no Céu”, para levantar os nossos corações a contemplar o infinito poder de Deus que resplandece particularmente na obra dos Céus, e ainda para nos advertir que a nossa oração, para obter os bens materiais, deve ser encaminhada a conseguir os bens celestiais.

7. 1º petição: “Santificado seja o vosso nome”. – Pedimos nesta primeira petição que Deus seja conhecido em todo o mundo e que o seu Santo Nome seja honrado e glorificado com é justo. Devemos todos santificar o nome de Deus, reconhecendo como dom seu todo o bem espiritual como temporal, mas santifica-se particularmente aquele Santo Nome obedecendo ao que Ele nos manda. Está representada esta petição pela cura dum coxo, operada por São Pedro quando disse: “Em nome de Jesus, levanta-te e anda”.

8. 2º petição: “Venha a nós o vosso reino”. – Pedimos com estas palavras que venha depressa o reino de Deus, isto é, que Deus reine nas almas dos cristãos pela Graça, e que acabadas as batalhas que temos com o mundo, o demônio e a carne, cheguemos à eterna bem-aventurança. Mas devemos fazer violência a nós mesmos para arrebatar esta glória. Está representada esta petição por Tobias profetizando o advento do reino de Deus.

9. 3º petição: “Seja feita a vossa vontade assim na terra como no Céu”. – Pedimos a Graça para cumprir os mandamentos e também que a vontade de Deus seja conhecida, venerada e obedecida em todo o mundo de tão bom grado como os Anjos obedecem no Céu. Está representada no centro da gravura por Nosso Senhor orando no jardim das Oliveiras.

10. 4º Petição: “O pão nosso de cada dia nos dai hoje”. – Pedimos assim o pão quotidiano tanto espiritual que é a Graça de Deus, como o temporal, que é o sustento necessário para nos conservar ao serviço de Deus. Esta petição está representada por um anjo que traz um pão ao Profeta Elias.

11. 5º Petição: “Perdoai-nos as nossas dívidas, assim como nós perdoamos os nossos devedores”. – Pedimos a Deus que nos perdoe os nossos pecados, como nós perdoamos as ofensas que nos fazem. O perdão das injúrias é uma condição sem a qual não podemos receber de Deus o perdão dos nossos pecados. A quinta petição está representada por Jesus Cristo perdoando na Cruz aos seus verdugos, e por David poupando a Saul que o perseguia para matá-lo.

12. 6º petição: “Não nos deixeis cair em tentação”. – Pedimos a Deus que nos livre das tentações, ou não permitindo que sejamos tentados, ou dando-nos a Graça de não sermos vencidos. As tentações, se não consentimos nelas, são úteis e meritórias, porque nos fazem ser humildes e recorrer a Deus; vêm a ser uma ocasião de merecimento na Terra, e de glória no Céu quando saímos vencedores. Para não sermos tentados, devemos fugir particularmente de três coisas: a ociosidade, o dormir muito e a intemperança. A gravura representa a tentação de Nosso Senhor no deserto.

13. 7º petição: “Mas livrai-nos do mal”. – Pedimos a Deus que nos livre de todo o mal, tanto da alma como do corpo, no tempo e para a eternidade. Nas adversidades devemos sofrer com paciência e submeter-nos à vontade de Deus.
A gravura representa Daniel miraculosamente preservado da fúria dos leões.




Índice das sessenta e oito gravuras

Sumário

1.- Introdução

O Símbolo dos Apóstolos


2.- A Santíssima Trindade
3.- A Criação
4.- Incarnação - Transfiguração
5.- Incarnação - Anunciação
6.- A Natividade
7.- A Redenção
8.- A descida aos Infernos
9.- A Ressurreição
10.- A Ascensão
11.- Jesus Cristo à direita de Deus Pai
12.- Juízo Final
13.- Pentecostes
14.- A Igreja
15.- A Comunicação dos Santos
16.- A Remissão dos pecados
17.- A Ressurreição da carne
18.- O Paraíso
19.- O Inferno

Os Sacramentos

20.- A Graça
21.- O Baptismo
22.- A Eucaristia
23.- A Confirmação
24.- A Penitência
25.- A Extrema-Unção
26.- A Ordem
27.- O Matrimônio

Os Mandamentos


28.- Os mandamentos da lei de Deus


29.- 1º Mandamento de Deus: Adorar a um só Deus e amá-Lo sobre todas as coisas


30.- 1º Mandamento (continuação): Adorar a um só Deus e amá-Lo sobre todas as coisas


31.- 2º Mandamento de Deus: Não invocar o Santo Nome de Deus em vão


32.- 2º Mandamento de Deus (continuação): Não invocar o Santo Nome de Deus em vão


33.- 2º Mandamento de Deus (continuação): Não invocar o Santo Nome de Deus em vão


34.- 3º Mandamento de Deus: Santificar os Domingos e Festas de preceito


35.- 3º Mandamento de Deus (continuação): Santificar os Domingos e as Festas de preceito

36.- 4º Mandamento de Deus: Honrar pai e mãe


37- 4º Mandamento de Deus: Honrar pai e mãe


38.- 4º Mandamento de Deus: Honrar pai e mãe

39.- 4º Mandamento de Deus: Honrar pai e mãe

40.- 5º Mandamento de Deus: Não Matar

41.- 5º Mandamento de Deus: Não Matar

42.- 5º Mandamento de Deus: Não Matar

43.- 6º Mandamento de Deus: Guardar a Castidade

44.- 7º Mandamento de Deus: Não furtar

45.- 7º Mandamento de Deus: Não furtar (continuação)

46.- 8º Mandamento de Deus: 8º Mandamento de Deus: Não levantar falso testemunho

47.- 8º Mandamento de Deus: 8º Mandamento de Deus: Não levantar falso testemunho

49.- 8º Mandamento de Deus: 8º Mandamento de Deus: Não levantar falso testemunho

50.- 8º Mandamento de Deus: 9º Mandamento de Deus: Não desejar a mulher do próximo


51 - 10º Mandamento de Deus: Não cobiçar as coisas alheias


52.- Os Mandamentos da Igreja - 1º Mandamento da Igreja: Ouvir Missa inteira nos domingos e dias de guarda


53.- Os Mandamentos da Igreja - 2º Mandamento da Igreja: Confessar-se ao menos uma vez cada ano - 3º Mandamento da Igreja: Comungar pela Páscoa da Ressurreição


54.- Os Mandamentos da Igreja - 4º Mandamento da Igreja: Jejuar quando manda a Igreja - 5º Mandamento da Igreja: Não comer carne nas sextas-feiras e nos sábados


Diversos

55.- A Oração
56 - A Oração Dominical
55.- O Pai Nosso
56.- Ave Maria
57.- Os Novíssimos do homem
58.- A Morte
59.- O Juízo
60.- O pecado original
61.- Os pecados capitais
62.- Os pecados capitais
63.- Os pecados capitais
64.- As Virtudes teologais
65.- As Virtudes cardeais
66.- As Virtudes evangélicas
67.- As obras corporais de misericórdia
68.- As obras espirituais de misericórdia