segunda-feira, 26 de outubro de 2020

A importância de amar a Virgem Maria

 

MOTHER MARY




São Luís de Montfort pede aos cristãos que não abandonem a devoção a Maria depois que uma crise for resolvida

Durante um período de crise, especialmente a que envolve nossa saúde, pode ser mais fácil manter nossa devoção a Deus e aos santos. Em particular, podemos rezar pela intercessão da Virgem Maria, pedindo uma cura milagrosa ou mesmo uma simples restauração de nossa saúde.

Muitas vezes acontece de nossa saúde ser restaurada, e, depois disso, abandonamos ou minimizamos nossa devoção.

Entretanto, São Luís de Montfort – um padre do século XVIII que dedicou toda a sua vida a levar almas a Jesus através de Maria – pede que os cristãos não caiam nessa tentação. No livro “Tratado da Verdadeira Devoção à Santíssima Virgem Maria”, ele diz:

“Há também os devotos interessados, que recorrem a Nossa Senhora apenas para obter algum processo, para evitar algum perigo, para serem curados de alguma doença ou por alguma outra necessidade semelhante, sem a qual eles a esqueceriam completamente…”

Um “devoto interessado” é aquele que está apenas “interessado” em Deus ou na Virgem Maria por um objetivo específico em mente. Quando esse objetivo é alcançado, a devoção é abandonada inteiramente.

Esse tipo de devoção não é “amor”, mas apenas um sentimento momentâneo que desaparece quando algo em nossas vidas muda.

Montfort descreve um tipo de devoção muito melhor e mais autêntica a Maria:

“A verdadeira devoção é terna, isto é, cheia de confiança nela, como a confiança de uma criança em sua mãe amorosa. Essa confiança faz a alma recorrer a ela em todas as suas necessidades corporais ou mentais, com muita simplicidade, confiança e ternura. [A alma] Implora a ajuda de sua boa Mãe, em todos os momentos, em todos os lugares e em todas as coisas: em suas dúvidas, para que [ela] seja esclarecida; em suas andanças, para que seja levada ao caminho certo; em suas tentações, para que seja apoiada; em suas fraquezas, para que seja fortalecida; em suas quedas, para que seja elevada; em seus desânimos, para que seja aplaudida; em suas cruzes, labutas e decepções da vida, para que possa ser consolada. Em uma palavra: em todos os males do corpo e da mente, o refúgio comum da alma está em Maria, sem temer ser importuno para ela ou desagradar Jesus Cristo.A verdadeira devoção a Nossa Senhora é constante. Confirma a alma no bem e não deixa que ela abandone facilmente seus exercícios espirituais … Não é que essa pessoa não caia, que não mude o sentimento da devoção ou a intensidade da devoção em si. Mas quando [a alma] cai, ela se levanta novamente, esticando a mão para sua boa mãe.”

Acima de tudo, devemos enxergar Maria como nossa mãe espiritual, que se importa profundamente conosco, nos bons e maus momentos. Se estamos doentes ou saudáveis, precisamos pedir ajuda a nossa mãe. Ela está lá para nós, sempre nos levando de volta ao seu filho, Jesus Cristo.

domingo, 25 de outubro de 2020

ÚLTIMO DOMINGO DE OUTUBRO: FESTA DE CRISTO REI

 

Cristo_ReiClique na imagem acima e leia a CARTA ENCÍCLICA QUAS PRIMAS, de Pio XI, que instituiu a Festa de CRISTO REI.

No vídeo abaixo, D. Marcel Lefebvre rezando a Missa da Festa de Cristo Rei na igreja Saint Nicolas du Chardonnet (FSSPX), em Paris, França, em 28/10/1990




sábado, 24 de outubro de 2020

O perigo e a injustiça dos Juízos Temerários

O Senhor previne-nos contra os juízos temerários e injustos, pois pretende que ajamos com um coração simples, olhando sempre só para Deus. 

Dado que ignoramos os motivos de muitas acções, seria temerário da nossa parte julgá-las. Os mais dispostos a fazer juízos temerários e a condenar os outros são aqueles que preferem condená-los a corrigi-los e conduzi-los ao bem, uma atitude que denota orgulho e mesquinhez. 

Por exemplo, um homem peca por cólera, e tu repreende-lo com ódio. Ora, entre a cólera e o ódio vai a mesma distância que separa a trave do argueiro. O ódio é uma cólera inveterada que, com o tempo, assumiu proporções tais que bem merece o nome de trave. 

Pode acontecer que te encolerizes quando pretendias corrigir, mas não deves nunca deixar-te levar pelo ódio. Afasta primeiro o ódio para longe de ti, e poderás depois corrigir aquele que amas.

Santo Agostinho in 'Explicação do Sermão da Montanha' (19, 63) 

quarta-feira, 21 de outubro de 2020

A Comunhão na Mão


 Revmo. Sr. Pe. Samuel Bon, Priorado de São Pio X, Lisboa

Veja a Homilia completa aqui: https://www.youtube.com/watch?v=9brXu... Inscreva-se como Benfeitor da FSSPX Portugal, leia mais neste link: https://www.youtube.com/channel/UC_6V... Neste canal, você encontra homilias, transmissões ao vivo da Missa Tradicional, Formação Católica e meditações diversas, tudo em conformidade com a doutrina de dois mil anos da Santa Igreja Católica. Para conhecer o apostolado da Fraternidade de São Pio X na internet, visite também: Página do Facebook: https://www.facebook.com/FSSPX.Portugal/ Website: https://www.fsspx.es/pt?fbclid=IwAR0g... #FSSPX #Comunhão #Sacrilégio

sábado, 17 de outubro de 2020

COROINHA DE NOSSA SENHORA

 

Resultado de imagem para COROADA DE 12 ESTRELAS

Oração diária obrigatória a todos os consagrados à Nossa Senhora pelo método de São Luiz de Montfort, indicada pelo Santo nos números 234 e 235 do seu “Tratado da Verdadeira Devoção à Santíssima Virgem” e válida também a todos que quiserem louvar nossa Mãe Santíssima de forma mais digna e recorrer a ela em suas necessidades. 

  1. Segunda prática. Recitarão todos os dias de sua vida, sem, entretanto, nenhum constrangimento, a coroinha da Santíssima Virgem, composta de três Pai-Nossos e doze Ave-Marias, em honra dos doze privilégios e grandezas da Santíssima Virgem. Esta prática é muito antiga e tem seu fundamento na Sagrada Escritura. São João viu uma mulher coroada de doze estrelas, vestida do sol e tendo a lua debaixo de seus pés (Ap 12, 1) e esta mulher, na opinião dos intérpretes (*), é a Santíssima Virgem.

(*) Entre outros, S. Agostinho (Tratct. De Symbolo ad Catechumenos, 1. IV, cap. I); S. Bernardo (Sermo super “Signum Magnum”, n. 3).

  1. Há muitos modos de rezar bem esta coroinha e seria demasiado longo mencioná-los. O Espírito Santo o inspirará àqueles e àquelas que mais fiéis se mostrarem a esta devoção. Para rezá-la bem simplesmente é preciso dizer em primeiro lugar: “Dignare me laudare te, Virgo sacrata; da mihi virtutem contra hostes tuos”(**); em seguida, reza-se o credo, depois um Pai-Nosso, quatro Ave-Marias e um Glória ao Pai; ainda um Pai-Nosso, quatro Ave-Marias, e um Glória ao Pai; e assim por diante. Ao terminar, diz-se: “Sub tuum praesidium”.

(**) “Fazei-me digno de vos louvar, ó Virgem sagrada, e dai-me força contra os vossos inimigos”.

***********************

Concedei-me que Vos louve, Virgem Sagrada,
R. Dai-me valor contra os vossos inimigos.

– Credo (creio);

– Pai Nosso;

– Ave Maria;

Sois Bem-aventurada, Virgem Maria, que levastes em vosso seio o Senhor, Criador do mundo; destes à luz a Quem Vos formou, e Sois Virgem perpétua.

Alegrai-Vos, Virgem Maria.
R. Alegrai-Vos mil vezes.

– Ave Maria;

Ó Santa e imaculada virgindade, não sei com que louvores Vos possa exaltar; pois quem os céus não puderam conter, Vós O levastes em vosso seio.

Alegrai-Vos, Virgem Maria.
R. Alegrai-Vos mil vezes.

– Ave Maria;

Sois toda formosa, Virgem Maria, e não há mancha original em vós.

Alegrai-Vos, Virgem Maria.
R. Alegrai-Vos mil vezes.

– Ave Maria;

Possuís, ó Virgem Maria, tantos privilégios, quantas são as estrelas no céu.

Alegrai-Vos, Virgem Maria.
R. Alegrai-Vos mil vezes.

– Glória ao Pai;

*************

– Pai Nosso;

– Ave Maria;

Glória a Vós, imperatriz do céu, conduzi-nos convosco aos gozos do paraíso.

Alegrai-Vos, Virgem Maria.
R. Alegrai-Vos mil vezes.

– Ave Maria;

Glória a Vós, tesoureira das graças do Senhor, dai-nos parte no vosso tesouro.

Alegrai-Vos, Virgem Maria.
R. Alegrai-Vos mil vezes. 

– Ave Maria;

Glória a Vós, medianeira entre Deus e os homens, tornai-nos propício o Todo-poderoso.

Alegrai-Vos, Virgem Maria.
R. Alegrai-Vos mil vezes. 

– Ave Maria;

Glória a Vós, que esmagais as heresias e o demônio: sede nossa guia piedosa.

Alegrai-Vos, Virgem Maria.
R. Alegrai-Vos mil vezes. 

– Glória ao Pai;

*************

– Pai Nosso;

– Ave Maria;

Glória a Vós, refúgio dos pecadores; intercedei por nós junto do Senhor.

Alegrai-Vos, Virgem Maria.
R. Alegrai-Vos mil vezes. 

– Ave Maria;

Glória a Vós, Mãe dos órfãos; fazei que nos seja propício o Pai Todo-Poderoso.

Alegrai-Vos, Virgem Maria.
R. Alegrai-Vos mil vezes. 

– Ave Maria;

Glória a Vós, alegria dos justos; conduzi-nos convosco às alegrias do céu.

Alegrai-Vos, Virgem Maria.
R. Alegrai-Vos mil vezes.

– Ave Maria;

Glória a Vós, nossa auxiliadora mui prestimosa na vida e na morte; conduzi-nos convosco para o reino do céu.

D. Alegrai-Vos, Virgem Maria.
R. Alegrai-Vos mil vezes.

– Glória ao Pai; 

Oremos:

Ave, Maria, Filha de Deus Pai; Ave, Maria, Mãe de Deus Filho; Ave, Maria, Esposa do Espírito Santo; Ave, Maria, templo da Santíssima Trindade; Ave, Maria, Senhora minha, meu bem, meu amor, Rainha do meu coração, Mãe, vida, doçura e esperança minha mui querida, meu coração e minha alma. Sou todo vosso, e tudo o que possuo é vosso, ó Virgem sobre todos bendita. Esteja, pois, a mim a vossa alma para engrandecer o Senhor; esteja em mim vosso espírito para rejubilar em Deus. Colocai-Vos, ó Virgem fiel, como selo sobre o meu coração, para que, em Vós e por Vós, seja eu achado fiel a Deus. Concedei, ó Mãe de misericórdia, que me encontre no número daqueles que amais, ensinais, guiais, sustentais e protegeis como filhos. Fazei que, por vosso amor, despreze todas as consolações da terra e aspire só as celestes; até que, para glória do Pai, Jesus Cristo, Vosso Filho, seja formado em mim, pelo Espírito Santo, vosso Esposo fidelíssimo, e por Vós, sua Esposa mui fiel.

Sub tuum praesidium:

À vossa proteção recorremos, santa Mãe de Deus; não desprezeis as nossas súplicas em nossas necessidades; mas livrai-nos sempre de todos os perigos, ó Virgem gloriosa e bendita. Amém.

segunda-feira, 12 de outubro de 2020

Amar os inimigos - Santa Teresinha do Menino Jesus

 

«Ouvistes o que foi dito: Amarás o teu próximo e odiarás o teu inimigo. Eu, porém, digo-vos: Amai os vossos inimigos e orai pelos que vos perseguem» (Mt 5,43-44) 

Claro que no Carmelo não se encontram inimigos mas, enfim, há simpatias; sentimo-nos mais atraídas por esta irmã, enquanto aquela nos levaria até a fazer um desvio para não deparar com ela. Assim, sem mesmo o saber, ela torna-se objecto de perseguição. 

Pois bem, Jesus diz-me que é preciso amar essa irmã, rezar por ela, mesmo que a sua conduta me leve a crer que ela não gosta de mim: «Se amais os que vos amam, que agradecimento mereceis? Os pecadores também amam aqueles que os amam.»

E não basta amar, é preciso demonstrá-lo. Ficamos naturalmente felizes por dar um presente a um amigo, gostamos muito de fazer surpresas, mas a caridade não é isso, pois os pecadores também o fazem. 

Eis que Jesus continua a ensinar-me: «Dá a todo aquele que te pede, e a quem se apoderar do que é teu, não lho reclames». Dar a todas as que pedem é menos doce que oferecer-se a si mesma num movimento amoroso. Se é difícil dar a quem nos pede, ainda o é mais deixar alguém apoderar-se do que é nosso sem o reclamar. 

Oh minha Mãe, digo que é difícil, mas deveria antes dizer que parece ser difícil, pois o jugo do Senhor é leve e suave (Mt 11,30). Quando o aceitamos, sentimos logo a sua doçura e clamamos como o salmista: «Correrei pelo caminho dos Teus mandamentos, porque deste largas ao meu coração» (Sl 118,32). 

Não há como a caridade para dilatar o meu coração, oh Jesus. Desde que essa doce chama o consome, corro com alegria no caminho do Vosso mandamento novo (Jo 13,34).

in Manuscrito autobiográfico C, 15v°-16r°

domingo, 11 de outubro de 2020

São Francisco de Assis não brincava em serviço

 

Não tinha por hábito afagar os vícios dos grandes, mas tratá-los com vigor; nem condescender com a vida dos pecadores, mas admoestá-los severamente. Censurava pequenos e grandes com a mesma firmeza de espírito, e tinha a mesma alegria em falar a pequenos grupos e a grandes multidões. 

Homens e mulheres, jovens e velhos, acorriam para ver e ouvir este homem novo enviado do Céu; ele percorria as várias regiões, anunciando com fervor o Evangelho; e «o Senhor cooperava, confirmando a palavra com os sinais que a acompanhavam» (Mc 16,20). De facto, em nome do Senhor, este arauto da verdade expulsava os demónios, e curava os enfermos (Mc 16,17; 6, 13)

São Boaventura (Doutor da Igreja) in 'Legenda Maior: Vida de São Francisco de Assis' (Cap. 12)

sábado, 10 de outubro de 2020

MARIA SANTÍSSIMA, MODELO DA VIDA SOLITÁRIA E RECOLHIDA

 



Quae est ista, quae ascendit de deserto… innixa super dilectum suum? — “Quem é esta que sobe do deserto… firmada sobre o seu amado?” (Cant. 8, 5).

Sumário. A Santíssima Virgem amava tanto a solidão, que, sendo ainda criança de três anos apenas, deixou seus pais e foi encerrar-se no templo. Imagina, pois, a que grau de recolhimento e de união com Deus deve ela ter chegado quando, feita Mãe de Deus, teve a sorte feliz de viver tantos anos com Jesus Cristo. Se aspiras a honra de ser filho de Maria, aplica-te com todo o cuidado a sua imitação, levando uma vida solitária e retirada. Por isso, ama o silêncio, conserva-te sempre na presença de Deus, e volve-te muitas vezes a Ele por meio de fervorosas orações jaculatórias.

*********************

I. No tempo do dilúvio, o corvo mandado por Noé fora da arca ficou a comer os cadáveres; mas a pomba, sem pousar em parte alguma, voltou prestes ao ponto de onde partira. Assim, muitos, mandados por Deus a este mundo se detém infelizmente a gozar dos bens terrestres. Não assim a nossa pomba celeste, Maria. Conheceu que o nosso bem, a nossa única esperança deve ser Deus; conheceu que o mundo é cheio de perigos e que aquele que mais cedo o deixa é mais livre dos seus laços. Por esta razão, como afirmam São Germano e Santo Epifânio, a Santíssima Virgem, apenas chegada à idade de três anos, idade em que as crianças desejam mais vivamente a convivência com seus pais, foi encerrar-se no templo, onde melhor pudesse ouvir a voz de seu Deus e, melhor ainda, honrá-Lo e amá-Lo.

Diz Santo Anselmo que, enquanto a Bem-aventurada Virgem vivia no templo, “era dócil, falava pouco, estava sempre recolhida, sempre séria e sem se perturbar. Era, além disso, constante na oração, na leitura da Sagrada Escritura, nos jejuns e em todas as obras de virtude”. Era tão amante do silêncio, que, como ela mesma revelou à Santa Brígida, se abstinha de falar até com os próprios pais.

Não são menos belos os exemplos de recolhimento que a Virgem nos deu, depois de se desposar com o castíssimo São José. Conforme diz São Vicente Ferrer: “Maria não saía de casa senão para ir ao templo; e mesmo então, ia toda recolhida e com os olhos baixos.” Eis porque São Lucas observa que na visita a Santa Isabel: Abiit in montana cum festinatione (1) — “Ela foi com presteza às montanhas”, para ser menos vista em público e fugir o mais possível da sociedade dos homens.

Se Maria foi tão amante da solidão quando menina e tenra donzela, imagina a que grau de recolhimento e de união com Deus deve ela ter chegado quando, já Mãe de Deus, teve a grande ventura de viver trinta e três anos e de conversar familiarmente com Jesus Cristo. Tinham, pois, os anjos razão para, no dia da Assunção da Virgem ao céu, perguntarem: Quem é esta que sobe do deserto? Sim, porque Maria viveu sempre em solidão neste mundo, como num deserto.

II. Se aspiras à honra de ser filho verdadeiro de Maria Santíssima, deves aplicar-te com todo o cuidado à sua imitação, levando vida retirada e recolhida. Imagina, portanto, que a divina Mãe te diz o que o anjo disse um dia a Santo Arsênio: Fuge, tace, quiesce — “Foge, cala-te e descansa”.

Foge: Segundo o teu estado, retira-te à solidão ao menos pela vontade, evitando as conversações inúteis, mormente com pessoas de sexo diverso. Cala-te: ama o silêncio, que é chamado a guarda da inocência, a defesa nas tentações e a fonte da oração. Descansa: repousa em Deus pelo exercício da presença divina; porque, como Deus mesmo disse a Abraão, este exercício é o caminho mais curto para chegar às alturas da perfeição: Ambula coram me, et esto perfectus (2) — “Anda em minha presença e sê perfeito”.

Para imitares assim a vida solitária de Maria Santíssima, não é preciso que te escondas em alguma gruta ou no deserto; nem tampouco que deixes as ocupações do teu estado; porquanto é mais meritório trabalhar para Deus, do que descansar para pensar em Deus. É todavia necessário que faças cada dia alguma, ainda que breve, meditação. E como a Bem aventurada Virgem conservava todas as palavras de Jesus Cristo em seu coração, comparando-as umas às outras(3), faze tu também dos bons pensamentos, havidos na meditação, um ramalhete de flores, afim de refrescar durante o dia o espírito pela sua recordação.

É utilíssimo, sobretudo, o uso das orações jaculatórias, que se podem fazer em qualquer parte, tempo e ocupação. Delas diz São Francisco de Sales que suprem a falta de todas as outras orações; mas todas as orações não poderiam suprir a falta delas. — Ó Virgem Santíssima, obtende-nos o amor à oração e à solidão, afim de que, afastando de nós o amor às criaturas, só possamos aspirar a Deus e ao paraíso, onde esperamos ver-vos um dia, para convosco louvar e amar para sempre a vosso Filho Jesus, por todos os séculos dos séculos. (*I 174 271.)

  1. Luc. 1, 39.
    2. Gen. 17, 1.
    3. Luc. 2, 51.

Meditações: Para todos os Dias e Festas do Ano: Tomo III – Santo Afonso

quarta-feira, 7 de outubro de 2020

SOLENIDADE DO SANTÍSSIMO ROSÁRIO

 


Quase rosa, plantata super rivos aquarum, fructificate — «Frutificar como rosal plantado sobre as correntes das águas» (Ecclus. 39, 17)

Sumário. O santíssimo Rosário merece ser rezado com respeito e atenção, pois é uma devoção sublime e excelente sob todos os pontos de vista. Foi aprovada pela Igreja, enriquecida de indulgências pelos Sumos Pontífices, e glorificada por Deus com milagres estupendos. Por outro lado, este Saltério celeste, em razão das orações que o compõem, encerra tudo o que há de mais belo na Igreja Católica. Em que estima tens tão precioso tesouro? Como é que costumas rezar o Rosário?

*******************************

Considera a excelência da devoção do santíssimo Rosário. Já se sabe que foi revelada a São Domingos pela divina Mãe, na ocasião em que, estando aflito o Santo e lamentando-se, com Nossa Senhora, dos grandes danos que naquele tempo faziam à Igreja os hereges albigenses, a Virgem lhe disse: “este terreno será sempre estéril, enquanto sobre ele não cair a chuva”. Entendeu então São Domingos que esta chuva era a devoção do Rosário que ele devia publicar. Com efeito, o Santo foi logo pregando por toda a parte, e esta devoção veio a ser abraçada por todos os católicos; de tal maneira, que presentemente não há devoção mais praticada por todas as classes dos fiéis do que a do santíssimo Rosário.

Que não têm dito os hereges para desacreditar este uso? Mas, para nos persuadirmos da sua impiedade, basta sabermos que esta devoção foi aprovada pela Igreja, que a honrou com a instituição de uma solenidade especial; os Sumos Pontífices enriqueceram-na de indulgências, e Deus a glorificou por milagres estupendos. Por outra parte, é conhecido o grande bem que ao mundo tem resultado desta nobre devoção. Quantos por meio dela têm sido livres dos pecados? Quantos conduzidos a uma vida santa? Quantos têm obtido uma boa morte e hoje estão salvos? O próprio demônio, obrigado a isso por São Domingos, declarou pela boca de um possesso, que não se condenou nenhum daqueles que até à morte perseveraram em rezar devotamente o Rosário.

Nem isso nos pode admirar; porquanto, sendo este Saltério celeste composto da contemplação dos mistérios, da Oração dominical e da Saudação Angélica, encerra em si tudo o que há de mais sublime na Igreja Católica. Examina-te aqui sobre se tens o santíssimo Rosário na devida estima, já que é uma devoção tão exímia sob todos os pontos de vista.

Para compreendermos quanto agrada à Santíssima Virgem a devoção do santo Rosário, basta refletirmos nas belas promessas por ela feitas àquele que constantemente reza o Rosário.  “A todos os”, disse Nossa Senhora ao Bem-aventurado Alano, “que recitarem o meu Saltério, prometo a minha proteção especialíssima. O Rosário será para todos um penhor seguro da sua predestinação à glória, porquanto é uma arma poderosíssima contra o inferno para extirpar os vícios, dissipar o pecado e vencer as heresias. Aquele que recitar devotamente o santo Rosário, não será oprimido pelas desgraças, não morrerá de morte imprevista, sem sacramentos; mas converter-se-á, se for pecador; crescerá na graça se for justo, e será feito digno da vida eterna. Os que na terra se esmerarem em propagá-lo, serão por mim assistidos em todas as suas necessidades”.

O fruto desta consideração será que rezaremos frequentemente o santo Rosário, e o rezaremos devotamente, com a coroa benta na mão, acompanhando-o da contemplação dos mistérios, e pondo-nos, sendo possível, diante de uma imagem de Maria. Considerando também de uma parte as perseguições de que é alvo a Igreja Católica, e da outra a confiança esclarecida que os Sumos Pontífices põem nesta arma poderosíssima, rezemos muitas vezes o Saltério celeste para que seja acelerado o triunfo da Igreja.

Ó Virgem gloriosa, Rainha do santíssimo Rosário, congratulo-me convosco pela homenagem que no mundo inteiro vos tributam tantas confraternidades que se gloriam de vosso venerável Nome. Prostrado diante do vosso trono, rogo-vos que lanceis um olhar benigno sobre a herança que Jesus Cristo adquiriu com o seu sangue, e renoveis em seu favor um daqueles prodígios que vos mereceram o título de Rainha das Vitórias. Igualmente vos rogo, ó minha Mãe, que me permitais unir-me hoje e sempre a tantos confrades, vossos filhos diletos, e vos saúde sempre com a saudação angélica: Ave, cheia de graça, o Senhor é convosco (1).

“Ó Deus, cujo Filho unigênito pela sua vida, morte e ressurreição nos mereceu os prêmios da salvação eterna, concedei-me propício, que contemplando estes mistérios no santíssimo Rosário da Bem-aventurada Virgem Maria, possa imitar o que eles contêm e conseguir o que prometem. Pelo mesmo Jesus Cristo, Nosso Senhor” (2) (*I 276).

  1. Lc 1, 28
  2. festi

Meditações: Para todos os Dias e Festas do Ano: Tomo III – Santo Afonso

domingo, 4 de outubro de 2020

Verdadeira Contrição

 

Revmo. Sr. Pe. Carlos Mestre, Priorado de São Pio X, Lisboa, Portugal Por ocasião do 18º Domingo depois de Pentecostes

sábado, 3 de outubro de 2020

MARIA SANTÍSSIMA SUAVIZA A MORTE DOS SEUS DEVOTOS

 


Non tanget illos tormentum mortis
 — “Não os tocará o tormento da morte” (Sap. 3, 1).

Sumário. Desde o grande dia em que a Santíssima Virgem teve a felicidade e ao mesmo tempo a dor de assistir no Calvário à morte de Jesus Cristo, tornou-se protetora especial dos pobres moribundos. Quando a divina Mãe vê um seu devoto nestes extremos, ordena a São Miguel que o defenda contra os assaltos do demônio e ela mesma também vai assisti-lo e socorrê-lo. Avivemos, pois, a nossa devoção para com Maria, e, ainda que pecadores, esperemos que também nós havemos de gozar da sua proteção na hora de nossa morte. Oh! Que doce consolação morrer entre os braços de Maria!

**************************

I. Os amigos do mundo não deixam o amigo enquanto está em prosperidade; mas se vem a cair em alguma desgraça, e especialmente à hora da morte, logo os amigos o deixam. Não faz assim Maria com os seus devotos. Nas suas angústias, e em particular nas da morte, que são as maiores que se pode ter na terra, nossa boa Mãe não sabe desamparar os seus fiéis servos. Assim como ela é nossa vida no tempo de nosso desterro, assim também quer ser doçura na hora suprema, alcançando para nós uma morte doce e preciosa, pelo que a Igreja lhe conferiu o belo título de Auxilio dos agonizantes.

Desde o grande dia em que Maria teve a felicidade, e ao mesmo tempo a dor de assistir à morte de Jesus seu Filho, que foi a cabeça dos predestinados, adquiriu a graça de assistir também a todos os predestinados na sua morte. E por isso, como diz São Boaventura, ela manda que o arcanjo São Miguel vá com outros espíritos celestiais defender seus filhos moribundos das tentações do demônio e receber suas almas afim de as levar ao tribunal divino.

E não contente com isso, nossa piedosa Rainha, como prometeu à Santa Brígida, virá ela mesma e muitas vezes visivelmente assistir a todos os devotos que a serviram fielmente e se-lhe recomendaram continuamente. Assim, efetivamente, lemos que ela apareceu à Santa Clara de Montefalco, à Santa Teresa de Jesus, a São Pedro de Alcântara e a centenas e milhares de outros. Ó Deus! Que consolação será para um filho de Maria, quando no supremo momento de sua vida, em que se há de decidir a causa de sua eterna salvação, vir ao pé de si a Rainha do céu, para o defender dos assaltos dos demônios e lhe prometer a sua proteção!

II. Quando São João de Deus estava para morrer, esperava a visita de Maria Santíssima, da qual era muito devoto; mas, vendo que ela não aparecia, estava aflito e lamentoso; eis que a divina Mãe lhe aparece e, como que repreendendo-o de sua pouca confiança, lhe diz: “Meu João, não sabes que eu não desamparo os meus devotos na hora da morte?” — Animemo-nos, pois, e tenhamos confiança em que a Virgem virá assistir-nos na hora da morte e consolar-nos com a sua presença, se nós a servirmos com amor, ao menos no tempo de vida que ainda nos resta.

† Ó Maria Santíssima, Mãe de bondade e misericórdia, quando me lembro dos meus pecados e penso no momento da minha morte, estremeço de espanto. Ó Mãe terníssima, todas as minhas esperanças são fundadas nos méritos de Jesus Cristo e na vossa intercessão. Ó Consoladora dos aflitos, não me abandoneis então, não deixeis de me consolar nessa extrema aflição. Se agora estou tão atormentado pelo remorso dos pecados cometidos, pela incerteza do perdão, pelo perigo de recair e pelo rigor da justiça divina, que será de mim naquele momento?

Ah, Soberana minha! Antes que a morte chegue, dai-me uma viva dor dos meus pecados, uma verdadeira emenda e a fidelidade a Deus para o resto de minha vida. E quando soar a hora derradeira, ó Maria, minha esperança, assisti-me nas cruéis agonias em que me achar; sustentai-me para que não me desespere à vista dos pecados que o demônio me há de por diante dos olhos. Obtende-me a graça de vos invocar mais vezes então, afim de que expire tendo nos lábios o vosso dulcíssimo nome e o vosso divino Filho. Esta graça, vós a tendes feito a muitíssimas almas que vos eram dedicadas; eu a quero e espero para mim também.

“E Vós, ó meu Deus, que quisestes que a Virgem Maria, Mãe de vosso Unigênito, estivesse presente quando Ele estava pregado na cruz pela nossa salvação: concedei-me, suplico-Vos, que, achando-me no fim da vida, também eu seja socorrido pela sua intercessão e alcance a recompensa eterna. Fazei-o pelo amor de mesmo Jesus Cristo.” (1)

1. Or. Eccl.

Meditações: Para todos os Dias e Festas do Ano: Tomo III – Santo Afonso

quinta-feira, 1 de outubro de 2020

Conselhos práticos para seguir a vontade de Deus

 

O que Cristo fez e ensinou foi a vontade de Deus: 

A humildade na conduta, a firmeza na fé, a contenção nas palavras, a justiça nas acções, a misericórdia nas obras, a rectidão nos costumes; ser incapaz de fazer o mal, mas poder tolerá-lo quando se é vítima dele; manter a paz com os irmãos; querer ao Senhor de todo o coração; amar nele o Pai e temer a Deus. 

Não pôr nada à frente de Cristo, pois Ele próprio nada pôs à nossa frente; ligarmo-nos inabalavelmente ao seu amor; abraçar com força e confiança a própria cruz; quando for preciso, lutar pelo seu nome e pela sua honra, mostrar constância na nossa profissão de fé; sob tortura, mostrar essa confiança que sustenta o nosso combate e, na morte, essa perseverança que nos faz alcançar a coroa. 

Querer ser herdeiro com Cristo, é nisso que consiste obedecer aos preceitos de Deus. É nisso que consiste cumprir a vontade do Pai.

São Cipriano (bispo de Cartago e mártir) in 'A oração do Senhor'