sexta-feira, 22 de outubro de 2021

Bons Hábitos Cristãos – Ao Acordar

 

Inicia-se hoje a nova série de postagem no blog, Bons Hábitos Cristãos.

Dividida em quatro partes (Ao Acordar, Ao Trabalhar e Ao Anoitecer), esta é a primeira: Como o Cristão deve proceder pela manhã.

Parte 1: Agradecimento

Eleve teu coração diretamente à divindade assim que acordares. Em um momento de profundo recolhimento, faze um ato de verdadeira adoração ao Senhor teu Deus. Perceba a tua pequenez, a tua iniquidade e a tua maldade intrínseca; clama, portanto, para que Ele te ajude e te santifique. É agora um ótimo momento para que rezeis o Pater Noster, a Ave Maria e o Credo; dependendo do horário que acordas, rezeis também o Angelus.

De seguido, reconhece que Ele já te abençoou ao te garantir que acordásseis para mais um dia poder buscá-Lo. Tua história poderia ter-se findado por uma infinidade de motivos ao longo desta mesma noite; no entanto, aí estás: de pé e pronto para outro dia.

Agradece, também, por tudo quanto tu tens para hoje. Agradece pelo teu emprego, pela tua casa, pela família cristã que você possui, pela tua cama e pelo teu dia. Peça perdão pelos pecados cometidos ao longo da noite e lembra-te de que o hoje foi feito para Deus. Por isso, fixe firme o propósito de melhor segui-lo e buscá-lo; lembra-te de dedicar todos os teus esforços a Ele, e com Ele busca fazer tudo.

Parte 2: Intenções de uma pessoa cristã

Pense, agora, em tudo quanto deves fazer ao longo do dia. Quais os teus propósitos para hoje, o que é que deves desempenhar em tua casa, em teus estudos, em tua família etc.

Não se detenhas em apenas pensar, mas, acima de tudo também em quais dificuldades enfrentarás. Entenda que será preciso se manter firme em seu propósito para que possa vencer todas as suas lutas espirituais.

Após adquirir esse entendimento, humilha-te diante de Deus e, percebendo que éreis incapaz, peça piedosamente o Seu divino auxílio e a Sua divina graça.

Oferece a tua iniquidade ao teu Deus e deixa que Ele te guie, de modo que o teu dia seja por Ele guiado e a Ele orientado, a fim de que não pequeis por motivos fúteis.

Observa sempre que deves manter o teu estado de graça, dia após dia, mês após mês e ano após ano: este é, em verdade, o primeiro passo para a vida espiritual séria. Invoca também a Santa Mãe de Deus e o teu santo anjo da guarda, para que te auxiliem na missão de não ferir a Divina Majestade por tua baixeza interior.

Passo 3: Meditação

Como São Francisco de Sales muito bem nos recomenda, cumpre também que tomemos um livro bom e piedoso em nossas mãos e façamos uma breve leitura dele. Desta forma, poderemos extrair lições de infinita utilidade para nossa vida e, especialmente, para cada dia. Para tanto, a Caritatem tem alguns disponíveis e recomendadíssimos:

Deles, tal qual uma abelha que coleta o pólen de uma flor e o espalha pelo mundo, extrai o que for necessário para a tua vida e mantém em tua mente ao longo do dia. Desta forma, o cristão poderás sempre ter a Deus em tua consciência; é recomendado, também, que mantenhas algumas preces jaculatórias em mente ao longo do dia. Tudo isto nos é fornecido com maestria pelo Padre Jean Croiset na coleção O Ano Cristão.

Com isso, iniciarás com maestria o teu dia, sempre com Cristo em mente, e assim permanecerás. Já o Devocionário Quotidiano se faz recomendado em todas as ocasiões. Com ele, temos orações prontas e garantidamente ótimas para uso em todas as ocasiões, do amanhecer até a hora de dormir e até mesmo durante a Santa Missa.

Desta forma, podereis alcançar a glória da santidade: com Cristo no coração e Deus por guia.

Se você gostou desse post, compartilha com seus amigos e faça essa mensagem alcançar outras pessoas.

quinta-feira, 21 de outubro de 2021

A importância da leitura

A leitura é o alimento do vosso espírito, que assimila as ideias, as imagens e os relatos, da mesma maneira que o corpo assimila o alimento que toma.

Uma leitura sempre deixa vestígios

Do mesmo modo que a água das fontes conserva um resíduo dos terrenos por onde passou, assim também todo livro que lerdes trará a vossa vida moral um conjunto de impressões e de disposições especiais. “Não há um só de nós, diz Paul Bourget, que, descendo ao fundo da consciência, não reconheça que não teria sido o mesmo se não tivesse lido tal ou tal livro”.

A leitura de um livro piedoso converteu Agostinho e Inácio. Porém muitas vezes também um livro é que tem pervertido tantas almas a principio bem dispostas.

Um psicólogo, Proal, no seu livro “Crimes e suicídios”, escreveu esta frase lapidar: “Os maiores benfeitores e os maiores malfeitores da humanidade são os livros”.

Conselhos de Pe. Marchal sobre a escolha dos livros

Aceitai um conselho, que me move a dar-vos não a autoridade que possa merecer, mas a pouca experiência que já tenho, e, mais ainda, a profunda convicção de vos digo a verdade: Não leias romances, a não ser alguns morais e religiosos, a cuja leitura muito vos persuado, mas que são poucos e, na sua escolha, devereis proceder com suma discrição e prudência, dirigindo-vos por quem, nesse particular, possa orientar-vos.

Detestai, em geral, todas as leituras, banais e fúteis, que seduzem para corromper; que vos falam só das coisas do mundo, e das vaidades terrenas, da vida presente… e nunca das coisas do Céu, das verdades eternas, da vida futura que é o termo de nossa peregrinação no árido deserto desta vida, a infalível realização das esperanças dos justos!

Amai as leituras que vos instruem no bem, que em vosso coração instilam os mais puros sentimentos e nele infiltram as mais puras doutrinas, que vos incitam ao cumprimento de todos os vossos deveres, em ordem a corresponder a vosso fim, que é o fim de toda a criatura humana sobre a Terra: glorificar a Deus nesta vida, cumprindo seus preceitos, para ir glorificá-lo eternamente na outra.

Sondai a influência que tal livro exerce sobre você

Célebres escritores e escritoras confessaram, ao fim, os perigos a que se expuseram, ou de que foram vítimas, por causa das más leituras. Até os autores dos livros mais ímpios e perversos prestaram, por vezes, homenagem à verdade.

Rosseau disse:

“Não olho, sem estremecer, para nenhum dos meus livros: em lugar de instruir, corrompo; em lugar de alimentar, enveneno; mas a paixão desvaira-me e com meus belos discursos não passo de um celerado. Que bondade pode ter um livro que não move seus leitores à prática do bem?”.

Proudhon, Voltaire e muitos outros fizeram em momentos de lucidez e sinceridade não menos preciosas confissões.

Falo-vos a verdade, e a falo junto com respeitabilíssimas autoridades. Os que outra coisa vos disserem, ou se enganam e vos enganam, e, nesse caso, passam a moeda como lhe deram, ou são moedeiros falsos da verdade, lobos com a pele de cordeiros, mentem para enganar-vos!


Trechos extraídos do livro “A formação da donzela”, de Pe. Baeteman e do livro “A Mulher como deveria Sê-lo”, de Pe. Marchal.

Prática: Nunca ler livros suspeitos.


https://blog.caritatem.com.br/a-importancia-da-leitura/

terça-feira, 19 de outubro de 2021

Bons Hábitos Cristãos: Ao Anoitecer

Como ser um cristão de verdade

Na última parte da série de postagens Bons Hábitos Cristãos, iremos discorrer sobre como deve o bom católico se comportar ao final do seu dia, quando fizer suas orações antes de dormir.

Embora nem todos os passos devam ser seguidos na ordem exposta aqui, eu recomendo muito que o passo 1 seja sempre o primeiro. O exame de consciência e o ato de contrição são cruciais para que nos mantenhamos em estado de graça durante nossas orações e, desta forma, poderemos melhor nos conectar com nosso Deus.

Parte 1: Ato de Contrição

Em primeiríssimo lugar, deve-se fazer um ato de agradecimento a Deus. Tu muito bem poderias ter encontrado o final da tua vida hoje de mil e uma formas diferentes. Poderias ter sofrido um mal súbito e entrarias na eternidade sem que tua família jamais soubesse o que te aconteceu. No entanto, aí estás: prostrado diante do teu Deus, prestes a agradecer por mais um dia. Adora-O por isso e Lhe dê infinitas graças, então.

Por isso, reconhecendo o quanto que Ele te agraciou, pare um momento para refazer os teus passos de hoje. Pensa no que fizeste e deixaste de fazer, reflete nos teus pensamentos e palavras, atos e omissões. Faz, enfim, um exame de consciência mesmo para o teu dia e, ao final, reza o Ato de Contrição, com teu coração sinceramente arrependido de teus pecados e de tua iniquidade.

Ato de Contrição

“Senhor meu Jesus Cristo, Deus e homem verdadeiro, Criador e Redentor meu, por serdes Vós quem sois, sumamente bom e digno de ser amado sobre todas as coisas, e porque Vos amo e estimo, pesa-me, Senhor, de todo o meu coração, de Vos ter ofendido. Pesa-me também de ter perdido o Céu e merecido o inferno. Proponho firmemente, ajudado com o auxílio de Vossa divina graça, emendar-me e nunca mais Vos tornar a ofender, e espero alcançar o perdão de minhas culpas, por Vossa infinita misericórdia. Amém.”

Exame de Consciência

Para aqueles que não sabem ao certo o que é o exame de consciência e como fazê-lo, a Livraria Caritatem traz o livreto Exame de Consciência. Com ele, aprende-se as disposições necessárias para bem refletir em seus atos, além de ter uma lista-exemplo dos pecados graves que podem ter sido cometidos. No entanto, é importante ressaltar que, em teu cotidiano, não é necessário fazer o exame completo. Esse tipo de coisa acabaria por levar a alma à exaustão e ao cansaço, o que não é o efeito desejado; examina apenas mentalmente, lembrando-te do que fizestes hoje.

Parte 2: O Santo Rosário

O horário da noite é um bom momento para a récita do Santo Rosário, especialmente em família. Além de ser um eficientíssimo método de se unir a Deus e de pedir pela intercessão da Virgem Maria, ao longo dos seus quinze mistérios pedimos por todas as virtudes e graças que nos são necessárias. Por ele alcançamos a Santidade e, segundo São Luís de Montfort, uma terna devoção à Virgem Maria é marca inconteste da predestinação de uma alma.

Como se isso tudo não bastasse, a Santa Mãe Igreja enriquece esta devoção com indulgências plenárias. A Concessão 17 da Enchiridion Indulgentiarum (Manual de Indulgências) da Penitenciária Apostólica do Vaticano determina que “confere-se uma indulgência plenária se o Terço for rezado em uma igreja ou em um oratório público ou em família, em uma comunidade religiosa ou em piedosa associação”, contanto que o fiel atenda às condições necessárias.

Em seguida, esta mesma instituição explica que “se a obra, enriquecida com a indulgência plenária, se pode dividir ajustadamente em partes (como o Rosário de Nossa Senhora em dezenas), quem por motivo razoável não terminou a obra por inteiro, pode ganhar a indulgência parcial pela parte que fez”.

Para aqueles que não sabem ainda como rezar bem o Rosário e meditar os seus mistérios, a obra Tratado da Verdadeira Devoção à Santíssima Virgem se faz indispensável. O clássico livro de São Luís de Montfort tem, em seu anexo, um método para bem rezar o Santo Rosário com enormes frutos que o próprio Santo escreveu. A Livraria Caritatem já postou uma resenha desta obra, a qual podes ler aqui.

Parte 3: Rememória

Nesta parte, é interessante que te relembres do que leste e decidiste quando fizeste a tua oração da manhã. Contudo, caso não tomaste tais decisões, eu te peço que leia o primeiro artigo desta série de postagens. É realmente crucial que tomes resoluções e faça devotas leituras para o teu dia, de modo que pouco a pouco te aproximes mais do Senhor Teu Deus.

Por isso, agora para um momento e relembra do que decidiste mais cedo. Toma desse meio aquelas decisões que mais te pareceram úteis e proveitosas. Incorpora elas ao teu saber e trata de gravar fundo em tua memória aquilo que já te fez tão bem. Desta forma, não sofrerás regressos em tua vida espiritual: para frente irás, sem que te esqueças amanhã do que sabes hoje.

Em contrapartida, não é tão recomendável que tomes muito tempo nessa tarefa. É comum que à noite estejas já enfadado da lida diária, especialmente se seguisses a ordem do que foi dito aqui e rezasses o Rosário por completo. Teu corpo clama já pela cama; vale a pena ser um pouco indulgente consigo mesmo de vez em quando.

Parte 4: Petição

Agora, chegamos na parte final. Por isso, pede por tu e pelos teus: que tua saúde se conserve, que os teus continuem bem, que possas ir bem no teu trabalho etc. Pede também a intercessão dos teus santos de devoção: a Oração a São Miguel Arcanjo, por exemplo, é de grande ajuda para que tua noite seja protegida por ele. Caso queiras, podes rezar a Ladainha de Todos os Santos, que é sempre de grande utilidade.

Pede que o teu sono seja bom e revigorante também, para que possas continuar em tua labuta. Enfim, peça por tudo aquilo que for bom e justo para ti e para os teus; agora sim podes te demorar. Contudo, caso não tenhas muita ideia do que deves exatamente pedir e de como bem rezar a Deus, o Devocionário Quotidiano te será muito proveitoso. Ele já tem em si absolutamente todas as partes que foram propostas aqui (incluindo as reflexões), e é sempre um meio garantido de bem rezares.

Agora, meu caro leitor, oferece o teu corpo e a tua alma ao Senhor Teu Deus. Já rezaste teu ato de contrição, já rezaste o Santo Rosário (e quem sabe até ganhaste uma indulgência plenária), já pedisse pelos teus parentes. Quem sabe o Senhor não te busque esta noite? Sem dúvidas estás pronto, se cumprísseis com tudo o que foi proposto. Te entrega todo a Ele, te deita e dorme com Deus agora.

Conclusão

E então, achas que este artigo te foi proveitoso? Compartilhe-o com os teus amigos para que a obra possa atingir mais almas e comente aqui embaixo o que pensaste. Com isso, a Livraria Caritatem poderá saber como melhor te atender e te agradar!

Muito obrigado pelo teu tempo e que Deus te abençoe.

“Até aqui nos ajudou o Senhor” – 1 Samuel 1, 12

Fonte

https://blog.caritatem.com.br/boas-praticas-para-o-cristao-2/

segunda-feira, 11 de outubro de 2021

Por que São Vicente de Paulo gostava tanto de servir os pobres

 

Vincent de Paul

Public Domain



São Vicente de Paulo valorizava cada momento com os pobres, acreditando que estava mais perto de Jesus ao servi-los

São Vicente de Paulo colocou o serviço aos pobres acima de quase todas as atividades em sua vida. Ele teve uma vida devota de oração, mas acreditava que mesmo sua prece poderia ser interrompida diante do chamado a ajudar alguém necessitado.

Ele explica seus pensamentos em um manuscrito. Em particular, São Vicente de Paulo acreditava que servir aos pobres estava em união com a missão de Cristo na terra.

Embora em sua Paixão Ele quase tenha perdido a aparência de um homem e tenha sido considerado um tolo pelos gentios e uma pedra de tropeço pelos judeus, Ele mostrou-lhes que sua missão era pregar aos pobres: Ele me enviou para pregar a Boa Nova aos pobres. Também devemos ter esse mesmo espírito e imitar as ações de Cristo, ou seja, devemos cuidar dos pobres, consolá-los, ajudá-los, apoiar sua causa. Cristo quis nascer pobre e escolheu para si discípulos pobres. Ele se fez servo dos pobres e compartilhou a pobreza deles. Ele chegou ao ponto de dizer que consideraria todas as ações que ajudam ou prejudicam os pobres como feitas a favor ou contra Si próprio.

É por isso que São Vicente de Paulo acreditava firmemente que a caridade para com os pobres é uma parte essencial de ser cristão. É uma obra de Deus que devemos fazer, mesmo quando interrompe nosso tempo de oração.

É nosso dever preferir o serviço aos pobres a tudo o mais e oferecer esse serviço o mais rápido possível. Se uma pessoa necessitada precisar de remédio ou outra ajuda durante o tempo de oração, faça o que tiver que ser feito com tranquilidade. Ofereça a ação a Deus como sua oração. Não fique chateado ou se sinta culpado porque interrompeu sua oração para servir aos pobres. Deus não é negligenciado se você deixá-lo para tal serviço. Uma das obras de Deus é meramente interrompida para que outra possa ser realizada. Então, quando você deixar a oração para servir a alguma pessoa pobre, lembre-se de que esse mesmo serviço é realizado para Deus.

Em nossa própria vida, devemos refletir sobre como servimos aos pobres e se fazemos tudo o que podemos para ajudar os menos afortunados entre nós. Pode não ser fácil, mas é um serviço que estamos fazendo ao próprio Cristo.

domingo, 10 de outubro de 2021

Evitemos o orgulho e a vã glória - São Francisco de Assis

 

No amor que é Deus, suplico a todos os meus irmãos – aos que pregam, aos que oram, aos que trabalham manualmente, aos clérigos e leigos – que invistam na humildade em tudo: que não se ufanem, que não encontrem alegria ou se orgulhem interiormente com as boas palavras e as boas acções que Deus diz ou realiza por vezes neles ou através deles. Pois diz o Senhor: «não vos alegreis porque os espíritos vos obedecem» (Lc 10,20). Convençamo-nos firmemente de que, por nós, só temos erros e pecados. Rejubilemos antes nas provações que temos de suportar na alma e no corpo, e em todo o tipo de angústias e de tribulações neste mundo, com vista à vida eterna.

Irmãos, evitemos o orgulho e a vã glória. Evitemos a sabedoria deste mundo e a prudência egoísta. Pois aquele que é escravo das suas tendências egoístas investe muito esforço e aplicação na formulação de discursos, mas muito menos na passagem aos actos; em lugar de procurar a religião e a santidade interiores do espírito, quer e deseja uma religião e uma santidade exteriores e visíveis aos olhos dos homens. É sobre eles que o Senhor diz: «Em verdade vos digo, receberam a sua recompensa» (Mt 6,5). 


Pelo contrário, aquele que é dócil ao Espírito do Senhor quer mortificar e humilhar aquilo que é egoísta, vil e abjecto na carne. Dedica-se à humildade e à paciência, à simplicidade pura e à verdadeira paz de espírito; aquilo que deseja sempre e acima de tudo é o temor de Deus, a sabedoria de Deus e o amor de Deus Pai, Filho e Espírito Santo.

Primeira Regra escrita por São Francisco, 17

sexta-feira, 1 de outubro de 2021

OUTUBRO: MÊS DO ROSÁRIO

 



Prezados amigos, leitores e benfeitores, louvado seja Nosso Senhor Jesus Cristo.

Nesse mês do Rosário, disponibilizamos abaixo os links sobre o Rosário e Nossa Senhora.