terça-feira, 18 de outubro de 2016

Jamais me tornarei católica. Dizeis e repetis sempre as mesmas palavras no rosário, e quem repete as mesmas palavras não é sincero

Já se tem objetado que há muitas repetições no rosário, e que o «Pai-Nosso» e a «Ave-Maria», à força de repetidos, tornam-no monótono. Isto faz-me lembrar o caso duma mulher que veio procurar-me uma tarde, depois da preleção














Pe. Fulton J. Sheen (*): São Domingos, que morreu em 1221, recebeu de Nossa Senhora a ordem de pregar e popularizar a devoção em sufrágio das almas do purgatório, pela vitória sobre o mal e pela prosperidade da Santa Madre Igreja, e assim nos deu o rosário na sua forma atual. Já se tem objetado que há muitas repetições no rosário, e que o «Pai-Nosso» e a «Ave-Maria», à força de repetidos, tornam-no monótono. Isto faz-me lembrar o caso duma mulher que veio procurar-me uma tarde, depois da preleção.
Disse-me: «Eu jamais me tornarei católica. Vós dizeis e repetis sempre as mesmas palavras no rosário, e quem repete as mesmas palavras não é sincero. Eu nunca acreditarei em tal pessoa. Tampouco Deus acreditará nela».
Perguntei-lhe quem era o homem que a acompanhava.
Respondeu-me que era o seu noivo.
Perguntei-lhe ainda: «Ele gosta de si?»
«Oh! muito!»
«Mas como o sabe?»
«Disse-mo ele».
«Então como foi que lho disse?»
«Disse-me: eu amo-te»
«Quando lho disse?»
«Há de haver uma hora».
«Já lho tinha dito antes?»
«Já. Ainda ontem à noite».
«Que lhe disse ele?»
«Amo-te».
«Mas não lhe tinha já dito antes disso?»
«Diz-mo todas as noites».
Respondi-lhe: «Não acredite. Ele que repete, é porque não é sincero».
A grande verdade é que não há repetição em «Eu amo-te», porque há um novo momento no tempo, um outro ponto no espaço, as palavras não têm o mesmo significado que da primeira vez.
O amor nunca é monótono na uniformidade das suas expressões.
O espírito é infinitamente variável na sua linguagem, mas o coração não o é.
O coração do homem diante da mulher a quem ama, é demasiado pobre para traduzir a imensidade do seu afeto em palavras diferentes.
Eis porque o coração emprega uma expressão apenas: «Amo-te» e dizendo-a muitas vezes nunca a repete.
É a única novidade verdadeira do mundo.
É isto que nós fazemos quando rezamos o rosário.
Repetimos à SS.ma Trindade, ao Verbo Encarnado, à Santíssima Virgem: «Amo-te» , «Amo-te» , «Amo-te» .
Há uma beleza no rosário.
(*) Do livro “Nossa Senhora”, publicado pela Editora Paulinas em 1953 e atualmente fora de catálogo. Coletâneas de suas conferências feitas às sextas-feiras durante o programa Dumont na televisão americana, com audiência cativa de milhões de americanos.

Um comentário:

  1. Yo nací en la religión católica y ya muy pequeniña mi madre ensinava las oraciones . Mi papá y mamá se encuentran con Dios , pero yo hoy soy muy feliz .

    ResponderExcluir