sábado, 1 de julho de 2017

O Eminente Título de Mãe de Deus



Maria por sua maternidade divina possui uma relação real com o Verbo de Deus feito carne; essa relação se encerra na Pessoa Incriada do Verbo Encarnado, pois ela é Mãe de Jesus, que é Deus; a maternidade divina não se encerra na humanidade de Jesus, mas sim na Pessoa de Jesus. Ele, e não sua humanidade, é Filho de Maria. Como disse Caetano a maternidade divina "atinge os limites da Divindade", é, pois, seu fim de ordem hipostática, ordem da união pessoal da humanidade de Cristo com o Verbo Encarnado. [...]

Esta ordem da união hipostática supera imensamente a da graça e a da gloria, como esta ultima supera a da natureza humana e até mesmo as naturezas angelicas criadas e possíveis. Se as trés ordens citadas por Pascoal em seus "Pensamentos", o dos corpos, dos espíritos com suas faculdades naturais e as vezes geniais e a da caridade sobrenatural, estão separadas por uma distancia infinita, o mesmo deve ser dito da ordem hipostática em relação a ordem da graça e da glória tal como se realizou nos maiores santos. "A terra e seus impérios, o firmamento e suas estrelas não valem o que vale o mais ínfimo pensamento; - todos os espíritos juntos (e suas faculdades naturais) não valem tanto como o mais mínimo ato de caridade, que é de ordem distinta, completamente sobrenatural". Da mesma maneira todos os atos de caridade dos maiores santos, homens e anjos e sua gloria no céu, estão muito abaixo da união pessoal ou hipostática da humanidade de Jesus com o Verbo. A Maternidade Divina que se encerra na Pessoa Incriada do Verbo feito carne, supera, portanto por sua finalidade, de uma maneira infinita a graça e a glória de todos os eleitos e a plenitude da graça e da glória recebia pela mesma Virgem Maria.


Disse Santo Tomás [...] "A humanidade de Cristo por estar unida a Deus, tem certa dignidade infinita por sua relação com o mesmo Deus, pois não pode existir nada melhor que Deus mesmo". São Boaventura também disse "Deus pode fazer um mundo melhor, mas não poderia fazer uma mãe mais perfeita que a Mãe de Deus". Como nota P.E. Hugon, O.P, "A Maternidade Divina é por sua natureza superior a filiação adotiva. Está não estabelece mais que um parentesco espiritual e místico, mas a Maternidade Divina da Santíssima Virgem estabelece uma relação de parentesco de natureza, uma relação de consanguinidade com Jesus Cristo e de afinidade com toda Santíssima Trindade. A filiação adotiva não obriga tão estritamente a Deus para conosco; a Maternidade Divina obriga a Jesus os deveres de justiça que os filhos, por obrigação natural, tem para com seus país, e confere a Maria domínio e poder sobre Jesus, pois não é mais que um direito natural intimamente unido a dignidade materna". A Maternidade Divina, por conseguinte, supera todas as graças gratis datae ou carismas, como são a profecia, o conhecimento dos segredos dos corações, o dom de milagres ou de línguas, porque estes dons, externos, de certo modo são inferiores a graça santificante. Notemos também que a Maternidade Divina é imperecível, enquanto que a graça se pode perder aqui na terra. 

Garrigou Lagrange, La Madre de Dios y Nuestra Vida Interior, pp. 25-27.  

Nenhum comentário:

Postar um comentário