terça-feira, 18 de julho de 2017

Catecismo Ilustrado - Parte 08 - 4º artigo: Padeceu, foi crucificado, morto e sepultado



Catecismo Ilustrado - Parte 08

O Símbolo dos Apóstolos

4º artigo: Padeceu, foi crucificado, morto e sepultado

O mistério da Redenção

1. O mistério da Redenção é o mistério do Filho de Deus morto na Cruz para resgatar todos os homens.

2. Estas palavras, "Padeceu sob o poder de Pôncio Pilatos", significam que durante o governo de Pôncio Pilatos na Judeia foi que Jesus Cristo sofreu as maiores dores na sua alma e no seu corpo.

3. Na sua alma Jesus sofreu o desconforto, o pavor, uma tristeza mortal: "A minha alma, dizia, está triste até a morte".

4. No seu corpo Jesus Cristo sofreu  tais tormentos que o profeta Isaías o chamava "Homem de dores", "Homem ferido por Deus", e "despedaçado por causa dos nossos pecados".

5. Não eram necessários tantos sofrimentos para a nossa redenção, pois que teria bastado a Jesus Cristo derramar uma só gota de sangue, pelo seu merecimento infinito, para a obra da redenção.

6. Quis Nosso Senhor sofrer assim para nos mostrar bem o seu amor e para nos inspirar um maior horror pelo pecado que foi a causa da nossa morte.

7. Jesus Cristo sofreu: 1º no jardim das Oliveiras; 2º em casa de Caifás; 3º em casa de Herodes; 4º em casa de Pilatos; 5º no Calvário.

8. No jardim das Oliveiras Jesus Cristo sofreu as dores da agonia, tão grandes que o fizeram suar um suor de sangue. Foi nesse jardim que Judas, um dos seus Apóstolos, o entregou aos seus inimigos, dando-lhe um beijo. (Gravura 18.)

9. Em casa de Caifás, Jesus foi negado três vezes por São Pedro (gravura 29), esbofeteado, coberto de opróbrios, declarado réu de morte por dizer-se Filho de Deus.

10. Em casa de Herodes, Tetrarca da Galileia, vindo a Jerusalém para celebrar a Páscoa, vestiram a Jesus uma túnica branca, por escárnio, tratando-O como a um louco.

11. Em casa de Pilatos, açoitaram Jesus Cristo, coroaram-n'O de espinhos e condenaram-n'O a morrer na Cruz, embora o juiz tivesse reconhecido a sua inocência.

12. No calvário, deram a beber a Jesus Cristo fel e vinagre e crucificaram-n'O entre dois ladrões. Pregado na Cruz, pediu ao seu Pai que perdoasse aos algozes; prometeu o paraíso ao bom ladrão; recomendou a sua Mãe a São João e deu São João por filho à sua Mãe, e depois de ter dito que tudo estava consumado, entregou o espírito nas mãos do Seu Pai.

13. Estas palavras do Símbolo "foi morto" significam que a alma de Jesus Cristo se separou de seu corpo, mas a divindade permaneceu unida à Sua alma e ao Seu corpo.

14. Jesus Cristo morreu na Sexta-Feira Santa, perto das três horas da tarde.

15. Quando Jesus Cristo morreu, o sol eclipsou-se, a terra tremeu, as rochas abriram-se, o véu do templo rasgou-se de alto a baixo, e muitos mortos ressuscitaram, como se vê na gravura, no plano inferior à esquerda.

16. Após a morte de Jesus, um soldado rasgou-lhe o lado com uma lança, saindo da ferida sangue e água.

17. Nosso Senhor permitiu que lhe fizessem esta ferida para mostrar: 1º que nos tinha amado em extremo, vertendo por nós até à última gota do Seu sangue; 2º que o Seu coração permaneceria sempre aberto para derramar sobre nós a abundância de Suas graças.

18. As palavras do Símbolo "e sepultado" significam que depois de morto, o corpo de Jesus Cristo foi despregado da Cruz e metido no túmulo.

19. Depois de sepultado Jesus, taparam a entrada do sepulcro com uma grande pedra, que Pilatos mandou selar, encarregando soldados de guardarem o túmulo.
20. Os judeus tomaram estas precauções para impedir que fosse roubado o corpo de Jesus, e Deus permitiu-as para tornar mais manifesta a sua Ressurreição.

Via sacra

21. A Igreja recomenda aos fiéis o piedoso exercício chamado "Via sacra", que lhes recorda em 14 estações a Paixão do Salvador. Concede numerosas indulgências a quem rezar a Via sacra com sincera devoção e contrição.

Explicação da gravura


22. A gravura representa a condenação de Jesus por Pilatos, Jesus açoitado, Jesus pregado na Cruz e colocado entre dois ladrões, e a sepultura de Jesus.

Nenhum comentário:

Postar um comentário